Forças de Putin partem com tudo rumo a Kiev

Publicada em 01/03/2022 às 12:15
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O que se viu até agora do exército da Rússia na Ucrânia é, infelizmente, apenas uma amostra do que está por vir. As cenas de soldados russos sendo rendidos pela população e de veículos militares abandonados por falta de combustível provavelmente resultaram de um erro de cálculo por parte de Putin e sua cúpula militar.

Agora, porém, os russos avançam com tudo rumo a Kiev e a outras cidades estratégicas para a invasão e, presume-se, consequente ocupação. Com ucranianos atacando (com sucesso) comboios russos e soldados de Putin morrendo aos milhares (5,7 mil, segundo o governo da Ucrânia), o Kremlin passou a bombardear fortemente grandes cidades como Kharkiv, Mariupol e Kiev.

O objetivo final é tomar a capital ucraniana – já admitiram os russos, afirmando que não encerrarão a invasão antes de conquistarem todos os objetivos – e depor Volodymyr Zelensky, considerado uma nazista (apesar de ser judeu) pró-ocidente (o que é verdade) por Vladimir Putin.

Uma coluna militar russa com quilômetros de comprimento em direção à Kiev tem alvoraçado a imprensa e os governos ocidentais. O grupamento militar foi descoberto pela Maxar, mas seu tamanho exato é desconhecido. A empresa americana – reconhecida internacionalmente por sua capacidade tecnológica e de análise – divulgou ontem que o comboio tem 64 km de extensão. No dia anterior, a Maxar havia dito que a coluna tinha 40 km. Procurada pelo Bastidor, a empresa não declinou seus cálculos nem dados que pudessem ser corroborados de modo independente.

Apesar das dúvidas relevantes sobre o tamanho das forças que se aproximam de Kiev, resta indubitável que um enorme contingente militar está a caminho da capital da Ucrânia - e, mostram as batalhas mais recentes, receberá forte e indiscriminado apoio aéreo e de artilharia. A nomeação, por Zelensky, do general Mykola Zhyrnov para chefiar as tropas em Kiev e as trincheiras que estão sendo construídas só reforçam o tamanho do problema que se aproxima da cidade.

Esse modelo repete as campanhas militares de Putin na Chechênia, na Ossetia e na Geórgia. E a Ucrânia enfrentará esse rolo compressor com pouca ajuda (militar e financeira) de Europa Ocidental e Estados Unidos. Depois de ter sua força aérea fortemente abalroada pelos ataques russos, os ucranianos podem ver evaporar a doação de caças da época soviética prometida por Polônia, Bulgária e Eslováquia.

Os poloneses já disseram que não vão ceder os aviões - os outros dois países ainda não se pronunciaram. A Polônia argumenta que isso poderia ser considerada uma influência direta da Otan no conflito – como se balas, armas leves e lança-mísseis não fossem equipamentos bélicos.

Além disso, os pedidos por ingresso na Otan e na União Europeia estão sendo ignorados. E as requisições para a imposição de um espaço de exclusão aérea sobre a Ucrânia foram negadas. Sobram aos ucranianos - que também passam a enfrentar chechenos e bielo-russos - convocar prisioneiros, compatriotas que vivem no exterior e estrangeiros para se unirem as suas fileiras.

Enquanto isso, a economia da Rússia desmorona, com filas para saques em bancos e instituições financeiras russas beirando a falência no exterior. Mesmo com a realidade se impondo, Putin garante que nenhuma dessas sanções irá prejudicar seu país.

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais