Volodymyr Zelensky: de “servo do povo” a alvo número 1 de Putin

Brenno Grillo
Publicada em 26/02/2022 às 13:17
Zelensky e seus ministros em vídeo publicado há um dia para comprovar que continuam na Ucrânia. Foto: Reprodução/Instagram/Volodymyr Zelensky

A chegada de Volodymyr Zelensky à presidência da Ucrânia, em 2019, foi resultado de uma transformação cultural da sociedade ucraniana 30 anos depois do fim da União Soviética. A república criada com a revolução que deu cabo do império russo parecia ter definido o caminho identitário que seguiria ao eleger um homem acostumado a satirizar a política e a sociedade do país por suas incongruências.

Zelensky é um personagem conhecido dos ucranianos. Formado em Direito, nunca exerceu a profissão e preferiu o caminho das artes, abrindo seu próprio canal de televisão: Kvartal 95. Lá, produziu o Servo do Povo, um dos programas mais famosos da Ucrânia, onde interpretava um professor que chegou à presidência após um discurso que fez contra a corrupção parar nas redes sociais e conquistar a população.

Quis o destino que daí surgisse o pontapé para sua carreira política. Partiu de pessoas da sua equipe a criação de um grupo político para levantar as bandeiras do “Servo do Povo”. Foi com essa base que Zelensky candidatou-se e venceu o segundo turno do pleito de 2019 com 73% dos votos contra o ex-presidente Petro Poroshenko – eleito em 2014, ainda durante as manifestações da praça Maidan.

O atual presidente apoiou a revolução iniciada em 2013 e marcada pelos violentos protestos que defendiam um olhar mais ocidental para a Ucrânia abandonar a influência russa que foi mantida mesmo com a Perestroika. Inclusive, foi envolvido num escândalo que quase terminou com o impeachment de Donald Trump.

O apoio de Zelensky aos protestos pró-ocidente é um dos argumentos de Vladimir Putin para chamar o ucraniano e seus ministros de drogados e nazistas – apesar de o presidente da Ucrânia ser judeu e ter sido criado no sudeste do país, onde a língua mais falada é o russo.

O nazismo é algo que permeia o conflito, porque, de fato, há milícias neonazistas na Ucrânia e representantes desse grupo foram eleitos com 2% dos votos. Mas não há qualquer indicação de que o governo de Zelensky compactua com essa ideologia.

Ainda quando a guerra entre Ucrânia e Rússia era uma ameaça possível, não uma realidade sangrenta e irracional, eram muitas as piadas na internet sobre a fraqueza de Zelensky em relação a Putin. À primeira vista tudo fazia sentido: um ator, comediante e político inexperiente de um país pequeno contra um ex-agente da KGB que está no poder há mais de duas décadas e que já ordenou invasões em outros países e regiões.

Mas a realidade se mostra um tanto diferente. Zelensky não pegou em armas, mas tem liderado seu país contra a invasão injustificada russa no campo que melhor conhece: a mídia. Apelando ao nacionalismo, o presidente ucraniano urge aos seus cidadãos (não apenas aos militares) que enfrentem a Rússia por seu futuro, seus filhos, sua pátria e pela liberdade.

E tem funcionado. São inúmeros os vídeos de civis ucranianos desarmados ou apenas com coquetéis molotov enfrentando soldados russos e companhias mecanizadas, e as filas de cidadãos para pegar em armas e defender a Ucrânias só aumentam - com homens de até  80 anos se voluntariando para enfrentar Putin.

Entre os militares o apoio é o mesmo, mesmo com Putin pedindo aos soldados ucranianos que deponham Zelensky. Um exemplo disso foi a morte de um sargento ucraniano que escolheu esse destino para poder explodir uma ponte e impedir o avanço de tropas russas. Outro foi o de 13 soldados em uma ilha ucraniana que escolheram a morte após serem ameaçados por uma fragata russa.

"Vá se foder, navio russo", disseram os militares antes de serem assassinados.

Vergonha e pressão

A tática Zelensky também mira além das fronteiras ucranianas. De um lado ele apela à população russa – que tem se mostrado contrária à guerra, colocando-se em risco ao protestar pelas ruas de Moscou – para que pressionem Putin a desistir da invasão.

Na outra ponta, Zelensky envergonha a União Europeia, para pressionar por mais apoio, ao mesmo tempo em que divulga ao mundo como o país que lidera tem apoio global enquanto a Rússia fica com o papel de agressora imperialista e desumana. O ucraniano já disse que a UE abandonou seu país e cobrou pelo ingresso no bloco, assim como na Otan - motivo do conflito.

Também recusou convite dos EUA para deixar o país. "Preciso de balas, não uma carona", disse aos oficiais norte-americanos. As informações de que teria deixado a Ucrânia logo nos primeiros ataques russos, inclusive, serviu para que presidente ucraniano desse mostras do seu compromisso com seu povo.

Zelensky disse há um dia que, mesmo sendo o alvo número 1 de Putin e sua família o número 2, ficaria no país, assim como seus parentes. “Não sou traidor. Minha família não é traidora”, afirmou.

Hoje, novo pronunciamento à nação, elencando as vitórias e acusando Putin de matar civis em hospitais e bairros residenciais propositalmente. Pediu que todos os ucranianos em condições de lutar, inclusive os que moram fora da Ucrânia, enfrentassem os russos.

“Se tiver a oportunidade de atacar os invasores ou destruí-los: faça”, disse em vídeo divulgado na manhã deste sábado.

Vida dura a de Jair Bolsonaro em Alagoas. Nem seu aliado, o presidente da Câmara, Arthur Lira, cita o presidente da República em sua propaganda eleitoral.

Leia Mais

Aliados de Jair Bolsonaro estão receosos com o futuro mandato de Rosa Weber à frente do Supremo Tribunal Federal –ela assume em 9 de setembro, faltando um mês para as eleições.

Leia Mais

Deputados federais liberaram 1,5 milhão para ONG cujo registro fica em uma casa em bairro humilde de Aracaju, onde divide o endereço com outras 10 empresas. Mas ninguém foi verificar se havia alguma inconsistência na entidade antes de repassar o recurso.

Leia Mais

Aliados que trabalham na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro elaboram argumentos para levar ao presidente um cenário não tão negativo no próximo encontro, na semana que vem, sobre a pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira, 23.

Leia Mais

O principal entrave para a criação da CPI da Educação, cujas assinaturas o senador Randolfe Rodrigues diz já ter completado, tem nome: Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

Leia Mais

Senador conseguiu 28 assinaturas para abrir CPI do MEC, uma a mais que o mínimo necessário. No entanto, em vez de apresentar logo o requerimento, resolveu esperar até a próxima terça-feira. Na última vez em que ficou esperando, governo convenceu deputados a desistirem, liberando emendas paradas.

Leia Mais

A pesquisa Datafolha reforçou um sentimento no PT já explicitado para dentro do partido mas negado para fora: a certeza de que Lula vai vencer no primeiro turno.

Leia Mais

Os documentos sobre a prisão do ex-ministro Milton Ribeiro e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos ajudam a entender por que a medida foi revogada rapidamente pelo desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Leia Mais

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, segura o apoio do PP à CPI da Petrobras para obrigar o colega Paulo Guedes a embarcar em algo maior: a reforma da Lei das Estatais.

Leia Mais

O governo espera encontrar uma solução jurídica ainda neste fim de semana para emplacar os mil reais que pretende dar a caminhoneiros e, agora, o aumento do Auxílio Brasil, que deve ir para 600 reais.

Leia Mais

O desembargador Ney Bello, do TRF1, mandou soltar há pouco o ex-ministro Milton Ribeiro, os pastores Arilton Souza e Gilmar Santos, e outros dois investigados por supostos desvios em verbas do Ministério da Educação. Os quatro foram presos preventivamente na quarta-feira (22), por decisão do juiz federal Renato Borelli.

Leia Mais

A falta de experiência no setor de petróleo e a validação de cursos de pós-graduação que afirma ter feito atrapalham a vida de Caio Mario Paes de Andrade para assumir a Petrobras esta semana

Leia Mais

Com o impacto da prisão de Milton Ribeiro, o presidente Jair Bolsonaro admitiu a auxiliares, que pode indicar uma mulher para ser sua candidata a vice.

Leia Mais

A despeito do discurso de Lula, que tem afirmado que vai “abrasileirar” o preço dos combustíveis, o PT vai divulgar um documento para tentar acalmar investidores da Petrobras e o mercado

Leia Mais

O ministro Raúl Araújo ficou conhecido nacionalmente após censurar o Lollapalooza. Mas o ministro é conhecido no Superior Tribunal de Justiça como campeão de processos acumulados.

Leia Mais