Toffoli socorre Odebrecht

Alisson Matos
Publicada em 01/02/2024 às 13:30
Ministro baseou sua decisão em despacho favorável à J&F Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Em mais um capítulo do movimento político e judicial para anistiar o cartel de empreiteiras do petrolão, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, atendeu a um pedido da Odebrecht (hoje Novonor) e suspendeu os pagamentos do acordo de leniência da empresa.

A decisão ocorre após precedente criado pelo próprio Toffoli. Em dezembro, o ministro determinou a suspensão dos pagamentos da multa imposta à J&F no acordo de leniência firmado com o Ministério Público Federal.

A decisão de Toffoli sobre o acordo de leniência da J&F, por sua vez, decorreu de decisão anterior sobre a validade das provas entregues pela Odebrecht em sua colaboração. Em setembro, Toffoli decidiu que as provas são imprestáveis.

A sucessão de decisões deu-se num processo movido pelo então advogado de Lula e hoje ministro do Supremo, Cristiano Zanin. A ação foi relatada por Ricardo Lewandowski, antecessor de Zanin no STF, e que agora toma posse como ministro da Justiça no governo do petista. Com uma manobra regimental, Toffoli assumiu os processos da Lava Jato, evitando que fossem redistribuídos a outro relator.

O processo em questão, a Reclamação 43007, começou em agosto de 2020. A defesa de Lula pedia acesso ao acordo de leniência da Odebrecht e a anulação de umas das ações penais nas quais o petista fora condenado por corrupção. Em novembro do mesmo ano, o acesso foi liberado por Lewandowski, mas ações ainda corriam.

Um mês depois, Lewandowski determinou acesso às mensagens da operação Spoofing, que investigou a invasão digital de hackers nas contas de integrantes da força-tarefa da Lava Jato. Algumas semanas depois, o ministro tornou públicas algumas das mensagens. Embora não tenha usado formalmente os trechos para votar pela suspeição de Moro, os diálogos descontextualizados serviram para justificar a decisão. Todas as decisões foram referendadas pelo plenário.

Com o passar do tempo, os gabinetes de Lewandowski e de Edson Fachin se tornaram o guichê judicial para suspender investigações de corrupção contra políticos e grandes empresários. Foram suspensas, por exemplo, Eduardo Cunha, Arthur Lira, Ciro Nogueira, entre outros.

Toffoli ampliou ainda mais o escopo já largo da Reclamação. Seguiu uma escada lógica que conduziu da anulação de provas da Odebrecht para a suspensão de pagamentos de valores acertados nos acordos da J&F e, agora, da própria Odebrecht. Em tese, todas as empresas que firmaram acordos de leniência nos últimos anos, e não apenas na Lava Jato, podem pleitear a Toffoli a suspensão de seus pagamentos. Em tais acordos, as companhias assumiram que cometeram atos de corrupção.

A Odebrecht se aproveitou do caso J&F e recorreu ao STF para ter acesso ao material da operação Spoofing. A defesa da empreiteira pediu a suspensão dos pagamentos até que os documentos sejam analisados. O objetivo é rever os termos firmados com a Procuradoria-Geral da República, a Controladoria-Geral da União e a Advocacia-Geral da União nos acordos de leniência.

Na decisão, Toffoli diz que “diante das informações obtidas até o momento no âmbito da Operação Spoofing, no sentido de que teria havido conluio entre o juízo processante e o órgão de acusação há, no mínimo, dúvida razoável sobre o requisito da voluntariedade da requerente ao firmar o acordo de leniência com o Ministério Público Federal que lhe impôs obrigações patrimoniais, o que justifica, por ora, a paralisação dos pagamentos, tal como requerido pela Novonor.”

A dívida da Odebrecht com o MPF, de 3,5 bilhões de reais, se junta à falta de pagamento da empreiteira também à CGU, como mostrou o Bastidor. A determinação acontece em meio a um movimento das empreiteiras condenadas na Lava Jato de revisar os acordos de leniência. Bastidor mostrou que seis construtoras têm parcelas em atraso nos acordos de leniência com a CGU: além da Odebrecht, OAS, Nova Participações (ex-Engevix), Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e UTC.

Quatro delas - Camargo, Engevix, OAS e Odebrecht - pediram ao governo Lula a revisão de seus respectivos acordos logo após interromperem ou informarem que interromperiam os pagamentos. Argumentam que os débitos se tornaram impagáveis porque o mercado ainda não reagiu à Lava Jato, à pandemia de covid-19 e à instabilidade do mercado global diante das guerras.

Leia a íntegra da decisão de Toffoli:

De olho em enfrentar Lula em 2026, governador de Goiás espalha campanha que une segurança e negócios

Leia Mais

Fechem a torneira

19/07/2024 às 14:05

AGU pede ao STF suspensão do leilão da Sabesp por conflito de interesses e valor subestimado.

Leia Mais

Desempenho na segunda fase da venda das ações faz da privatização da estatal um sucesso

Leia Mais
Exclusivo

Um erro de 420 milhões

19/07/2024 às 06:00

Perda de prazo da PGFN dá à Dufry e ao advogado Sergio Bermudes precatório de quase meio bilhão.

Leia Mais

Defesa de Duque recorre ao ministro para evitar prisão por corrupção e lavagem na Petrobras.

Leia Mais

Por mim, libera

18/07/2024 às 19:50

Gonet diz que não é possível avaliar com calma a ação do PT contra a privatização da Sabesp.

Leia Mais

TSE muda de ideia e decide enviar observadores à eleição, o que evita um erro crasso do Brasil

Leia Mais

Expliquem-se

18/07/2024 às 09:07

Salomão pede que TJAL esclareça porque nomeou juízes já conhecidos na falência da Laginha.

Leia Mais

Alphabet foi condenada por concorrência desleal; Meta enfrenta ação bilionária por uso de dados.

Leia Mais

STF dá 24 horas para São Paulo justificar leilão da Sabesp; PT pediu liminar para suspender venda.

Leia Mais
Exclusivo

Gol da Alemanha

17/07/2024 às 19:09

Anac confirma que governo federal ressarcirá prejuízos da Fraport com o Aeroporto Salgado Filho.

Leia Mais

Juízes responsáveis pelo processo de falência da Usina Laginha decidiram que são aptos para o caso.

Leia Mais

Governo oculta dados de acordos da JBS e Marfrig com PGFN para renegociar dívidas com a União.

Leia Mais

Fraport fala que obras no aeroporto de Porto Alegre dependem de acordo com governo federal.


Leia Mais

Eduardo Braga quer alterar no Senado pontos da reforma tributária que foram acertados na Câmara

Leia Mais