OMS causa pânico desnecessário com alerta sobre ômicron

Diego Escosteguy
Publicada em 29/11/2021 às 18:20
Tedros Adhanom, diretor da OMS Foto: FB/WHO

Até esta segunda, dia 29 de novembro, não há sequer uma morte confirmada no mundo em razão da ômicron, a variante do coronavírus identificada na África do Sul. Não existe registro de que a ômicron tenha se alastrado em outros países.

Ainda é cedo para saber se a ômicron pode provocar formas mais graves da doença, comparada às variantes dominantes. Nem se ela tende a ser mais transmissível. A não ser que a ômicron se revele um demônio biológico inédito, prevalece a razoável expectativa, fundamentada na ciência e na própria experiência da pandemia, de que pessoas vacinadas com imunizantes eficientes terão boa proteção contra a nova variante.

As vacinas atuais até podem - podem, ainda não sabemos - ser menos eficientes contra a ômicron. Ainda assim, é altamente provável que elas diminuam substancialmente as chances de que alguém contraia uma forma grave da doença. Sobretudo aqueles que estiverem complemente imunizados e já tenham tomado a dose de reforço. Para quem está com as doses em dia e não tem um organismo debilitado, portanto, nada indica, por ora, que a ômicron represente um perigo sério.

Apesar dessas ponderações relevantes, a Organização Mundial de Saúde soltou um alerta sobre o "alto risco" global representado pela nova variante, após classificá-la como "preocupante". A postura da OMS nos últimos dias ajudou a provocar reações políticas desproporcionais e manchetes sensacionalistas, como se o mundo estivesse diante de um novo vírus e à beira de mais uma pandemia. Logo a preocupação justificada cedeu lugar ao pânico irracional. Estará perdoado quem pensar que a pandemia recomeçou.

A mensagem alarmante da OMS reflete uma análise de risco excessivamente cautelosa da entidade. Os técnicos preferiram acolher as incertezas inerentes à ômicron no pior cenário possível - aquele em que a variante seja mais transmissível e mais letal, e no qual as vacinas percam muita, senão toda, eficácia. Não só as vacinas como a resposta do sistema imune de quem já teve a doença. Não há qualquer razoabilidade na opção por esse cenário.

O jeito que a OMS, mas não somente a OMS, comunica a população sobre a pandemia talvez ponha ênfase excessiva na transmissão da doença - no número de casos, em detrimento da gravidade ou não deles. Após quase dois anos, é improvável que essa seja a melhor estratégia para compreender a evolução do vírus e o modo como podemos conviver com ele, especialmente entre os países que conseguiram vacinar parte expressiva de suas populações.

Apesar de Jair Bolsonaro, o Brasil está entrando nessa categoria, com 62% de sua população vacinada com ao menos duas doses e um plano de reforço em andamento. Os números de mortes, hospitalizações e casos seguem caindo - finalmente.

O surgimento de variantes como a ômicron é uma oportunidade para que governos acelerem as campanhas de vacinação, avancem nas doses de reforço com imunizantes de alta qualidade - e insistam publicamente na relevância da imunização de todos.

No plano internacional, exige a cooperação que teima em inexistir, pela qual países pobres tenham acesso a vacinas de qualidade. Sem esse esforço intermediado pela OMS e pelo consórcio Covax, o vírus provavelmente seguirá seu padrão preocupante de mutações por muito tempo.

Após dois anos de pandemia, todos sabemos - ou deveríamos saber - o quão traiçoeiro e perigoso é o vírus. Não precisamos de alertas desarrazoados e exagerados para enfrentá-lo.

O Cade ficou com a tarefa inglória de investigar se os altos preços do gás são culpa da Petrobras. A empresa diz que segue valores de mercado e adota medidas para incentivar a concorrência - num setor que até pouco tempo atrás monopolizava de ponta a ponta.

Leia Mais

Exames poderão ser comprados em farmácias, mas não servem para fins de dispensa médica laboral ou para liberar passageiros em voos internacionais.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro consultou o advogado-geral da União, Bruno Bianco, sobre não depor pessoalmente à Polícia Federal, como determinou ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Ainda não se sabe se o presidente descumprirá a decisão do ministro. O depoimento é hoje, sexta, às 14h.

Leia Mais

A Anatel decidiu na noite de terça-feira (26) convocar uma sessão extraordinária, a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28), para discutir a compra da Oi.

Leia Mais

Na próxima quarta-feira, 2, ele se reúne com o Eduardo Paes, Carlos Lupi (PDT) e Gilberto Kassab (PDT), além dos pré-candidatos ao governo fluminense pelas legendas, Rodrigo Neves e Felipe Santa Cruz, para fechar uma aliança entre as legendas.

Leia Mais

Jair Bolsonaro terá que depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (28) debaixo de vara. Alexandre de Moraes determinou hoje (27) que presidente compareça às 14h, na Superintendência da PF em Brasília.

Leia Mais

Além de Rodrigo Cruz, atual número dois da pasta, que tem apoio de Tarcísio de Freitas e de parte do centrão, outros dois nomes surgiram com mais forças nas conversas no Planalto e no Congresso.

Leia Mais

O brasileiro assiste hidrelétricas jorrando água sem produzir energia, por conta dos aumentos dos reservatórios com as chuvas, enquanto o preço da conta de luz não cai. O motivo é o modelo de compra e venda da energia elétrica no país.

Leia Mais

Além do PSDB, que se reúne nesta quinta-feira, 27, para discutir a possibilidade de uma federação, o Cidadania tem negociado com o Podemos, o MDB e o PDT.

Leia Mais

Pasta orienta que pais em dúvida procurem um médico para verificar a existência de eventuais contraindicações ou comorbidades.

Leia Mais

Orientado por seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro João Roma que faça um pronunciamento para anunciar boas notícias na área social do governo.

Leia Mais

Anvisa vai se reunir na sexta-feira para definir a liberação dos exames feitos em casa

Leia Mais

Ao dizer ao Bastidor que as chances são mínimas de Sergio Moro migrar para o União Brasil, Renata Abreu, presidente do Podemos e deputada federal, foi realista ao conhecer sua própria bancada e a do partido aliado.

Leia Mais

Carta de Neil Young ao Spotify joga luz sobre o que pode ou não ser publicado no Spotify. Enquanto isso, a plataforma de áudio, segue muda, sem se posicionar.

Leia Mais

O Bastidor mostrou que Sergio Moro e sua equipe política analisam cinco nomes que podem ser o marqueteiro do ex-juiz na campanha eleitoral deste ano. Mas cada um tem um ponto específico que pode prejudicar a escolha.

Leia Mais