A importância de não ter inimigos

Diego Escosteguy
Publicada em 01/08/2022 às 11:30
Kassio não perdoa Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

A indicação presidencial de Messod Azulay e Paulo Sérgio Domingues para as duas vagas abertas no Superior Tribunal de Justiça obedece à nova, embora ainda frágil, correlação de forças políticas em Brasília.

Os dois nomes saíram fortes do processo inicial de escolha no STJ e eram os favoritos, conforme detalhou o Bastidor em 11 de maio. Egresso do TRF2, Azulay representava o grupo do Rio e tinha o apoio de um padrinho em ascensão: o ministro Luis Felipe Salomão. Domingues, do TRF3, construíra sua candidatura por meio de São Paulo; reunira padrinhos como Antonio Carlos Ferreira e Maria Thereza Moura, ambos do STJ, e Dias Toffoli.

Não é acaso que, ao cabo, a escolha do presidente Jair Bolsonaro tenha refletido as preferências dos ministros do STJ. A própria votação na segunda mais alta corte de Justiça transcorreu mediante a arte política da qual são feitas, normalmente, as indicações no Judiciário.

Os candidatos vencedores combinaram força regional, que se confunde com força em seus tribunais e estados de origem, com a adesão de padrinhos influentes e - por fim mas não menos relevante - a ausência de inimigos poderosos. Ter apoio é fundamental. Mas desarmar ou, ainda melhor, nem sequer ter inimigos influentes é tão fundamental quanto ter apoios. Sem a combinação das duas coisas, não se chega longe em Brasília.

A importância de não ter desafetos mostrou-se no caso do desembargador Ney Bello, do TRF1. Sua tentativa anterior de chegar ao STJ resultou na criação de um adversário formidável: Kassio. O hoje ministro do Supremo almejava o STJ. Tem convicção de que foi vítima de ataques elaborados a mando de Ney Bello. Nenhuma conversa posterior o convenceu do contrário.

Politicamente, Kassio não tinha metade da força de Ney Bello - se tanto. Mas, graças à sua astúcia e aos apoios que obteve, dentro e fora do Judiciário, subiu o elevador direto para o Supremo. Subitamente, Ney Bello tinha um inimigo no pior lugar possível.

Dois anos depois, Ney Bello voltou a articular para o STJ. Afinou sua interlocução com o governo Bolsonaro. Mas seguiu com desafetos no TRF1 e não desarmou Kassio. Mantinha o apoio de Gilmar Mendes, de parte do STJ e de setores da advocacia, além de ter a simpatia de Flávio Bolsonaro.

A relativamente fraca votação no STJ indicava as dificuldades que Ney Bello enfrentaria para ser um dos dois escolhidos pelo presidente. Não foram poucos os ministros que votaram em Ney Bello por calcular que, com ele na lista, outros candidatos prevaleceriam - foi uma forma de diminuir as possibilidades de escolha de Bolsonaro.

Como o Bastidor informou, Ney Bello precisaria se recompor com Kassio, sabe-se lá como. E precisaria demais de Flávio Bolsonaro. O filho mais influente do presidente teria que arriscar suas relações no STJ para, quem sabe, emplacar Ney Bello.

Flávio se esforçou e levou o nome de Ney Bello ao pai. Soubesse ele ou não, esse ato, na semana passada, provocou uma sequência de eventos esperada por quem conhecia esse processo e a arte das escolhas políticas nos tribunais. Kassio reagiu e expôs seu veto. Os ministros mais influentes, hoje, no STJ também informaram que os dois nomes de opção da corte eram Azulay e Paulo Sérgio. Dito de outro modo, nada de Ney Bello.

O veto tácito a Ney Bello, após o movimento de Flávio Bolsonaro, tornou-se um veto aberto. Um veto liderado por Kassio, em virtude de sua força e influência junto ao Planalto, e secundado por parte expressiva do STJ, a qual o presidente quer e precisa agradar.

A realidade política de Brasília é infinitamente mais complexa do que as declarações de Bolsonaro sugerem. O presidente ataca em público ministros do Supremo que enxerga como adversários. Mas agrada como pode os demais, tanto no Supremo quanto no STJ, entre outros tribunais. Sempre com discrição.

A escolha dos dois novos ministros do STJ demonstra o pragmatismo do presidente e de seus aliados. Kassio, Luis Felipe Salomão e os ministros paulistas do STJ compartilham de uma vitória política expressiva. Mas não estão sozinhos: Jair Bolsonaro também ganhou, ao subordinar suas opções aos seus interesses políticos. De inimigo Bolsonaro entende.

A tentativa de Carla Zambelli de incluir o hacker Walter Delgatti na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro desagradou a ala política e profissional do comitê, especialmente Valdemar Costa Neto, dono do PL.

Leia Mais

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais