Qualicorp pagou propina a auditores da Receita, aponta PF

Diego Escosteguy
Publicada em 27/11/2020 às 20:00
O homem forte da Qualicorp, José Seripieri Filho Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

As investigações da Polícia Federal e da Receita sobre a lavanderia do escritório de advocacia da família Claro incluem uma série de suspeitas de crimes cometidos por dirigentes da Qualicorp, administradora de planos de saúde então comandada pelo agora delator José Seripieri Filho.

Delações dos sócios do escritório Claro, extratos bancários deles, planilhas de doleiros, assim como depoimentos dos envolvidos, entre outros documentos obtidos pelo Bastidor, revelam fortes evidências de que dirigentes da Qualicorp pagaram, em 2014, R$ 2,5 milhões em propina para três auditores da Receita. O objetivo era impedir multas do Fisco à empresa de Seripieri.

De acordo com as investigações, o dinheiro saiu das contas da Qualicorp, passou por empresas controladas pela família Claro, girou em empresas de fachadas de doleiros pesados de São Paulo e, em seguida, foi entregue, em espécie, aos auditores.

Apesar da delação de Seripieri à Procuradoria-Geral da República, as investigações sobre os crimes dos dirigentes da Qualicorp seguem firmes na Polícia Federal, em São Paulo.