Reunião da Anatel sobre compra da Oi surpreendeu o Cade

Brenno Grillo
Publicada em 28/01/2022 às 09:00
Foto: Fotoarena/Folhapress

A reunião da Anatel que irá discutir a compra da Oi pegou o Cade de surpresa. A autarquia das telecomunicações decidiu, na noite de terça-feira (26), convocar uma sessão extraordinária a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28).

Integrantes do Cade ouvidos pelo Bastidor afirmaram que foram surpreendidos pelo anúncio feito tão em cima da hora, apesar de saberem que a Anatel decidiria o tema num futuro próximo. Um deles afirmou que a decisão da agência de telecomunicações é um meio de compensar o "tempo perdido", porque o órgão concorrencial decidirá em fevereiro sobre a compra da Oi por Claro, Vivo e Tim.

Apesar da reunião na Anatel, todas as fontes ouvidas concordam que qualquer decisão que venha a ser tomada pela agência não impactará na análise do caso pelo Cade. Nesta sexta-feira, o órgão que fiscaliza as telecomunicações no país também analisará se homologa acordo para compartilhamento provisório de rede entre Claro, Vivo, TIM, Oi Móvel e outras três empresas subsidiárias até que haja a transferência definitiva da faixa de espectro.

Insatisfações mercadológicas

Os ânimos de parte do Cade com Claro, Vivo e Tim não são dos melhores, como já informou o Bastidor. Alguns conselheiros não estão gostando da postura das empresas. Afirmam que falta vontade às companhias, que estariam esperando uma atitude do conselho para ajustar arestas e viabilizar o negócio.

Um dos conselheiros ouvidos defendeu que remédios propostos pela Superintendência-Geral do Cade sejam ainda mais rigorosos e recebam a companhia de outras medidas. Só que ninguém sabe ainda quais seriam esses complementos. Em novembro de 2021, o órgão propôs - entre outras medidas - que as três operadoras sejam obrigadas a atender todos os assinantes, independente da área de cobertura, e que garantam aos concorrentes o uso dos espectros definidos pela Anatel. 

As empresas não concordam com esse endurecimento, segundo dois conselheiros. Um deles, que é a favor de medidas mais rigorosas, criticou as companhias de telefonia por terem sugerido ao Cade seguir nessa análise, como fizeram na aprovação da fusão entre Unidas e Localiza.

Esse conselheiro afirma ainda que os remédios comportamentais propostos até agora "são ridículos", com alguns deles já sendo obrigatórios por determinação da Anatel, e que não há como comparar as duas situações, por envolverem setores diferentes.

Já o conselheiro contrário ao endurecimento defende as empresas. Afirma que o Cade está criando dificuldades em uma análise que já é complexa. "Ausência de vontade não existe. As empresas têm interesse, muito interesse. Mas existe um limite, porque há conselheiro endurecendo demais as exigência por desconhecimento técnico", afirma.

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais