Falta de gestão e integração na PF mina efetividade do combate ao tráfico

Brenno Grillo
Publicada em 17/10/2021 às 06:00
Policiais federais incineraram quatro toneladas de drogas na última sexta-feira (15), em Bauru (SP). Foto: Reprodução/Polícia Federal

Policiais federais relataram que o combate ao tráfico tão alardeado pelo governo Jair Bolsonaro pode não ser tão efetivo quanto mostram os releases divulgados no site da entidade. A preocupação tem crescido em meio a uma crise de assassinatos na fronteira do Brasil com o Paraguai pelo controle das rotas para venda de drogas - foram 160 neste ano, 74 em território brasileiro.

O motivo do problema não seria apenas a falta de verbas, mas, principalmente, a ausência de gestão e integração entre as áreas técnicas e de investigação. Uma fonte disse ao Bastidor que são raras as vezes em que um agente ou grupo responsável por uma investigação trabalhe conjuntamente com peritos, por exemplo, para analisar a composição da droga vendida por criminosos.

Há ainda o problema da rotatividade dos agentes nos cargos. "Ao contrário do DEA (agência antidrogas dos EUA), por exemplo, em que agentes atuam na mesma função por décadas; os profissionais não ficam mais do que três ou quatro anos investigando o tráfico no Brasil. Para combater crimes é preciso entender sobre todo o processo que os envolve. Isso leva tempo", disse um policial federal.

Essa realidade vai de encontro ao orçamento empenhado pela PF até outubro. Dos R$ 6,1 bilhões destinados pela corporação este ano, R$ 1,2 bilhão foi separado para custeio de pessoal e encargos sociais. Enquanto R$ 116 milhões estão previstos em investimentos (sejam eles em gestão, tecnologia ou equipamentos) e outros R$ 68,5 milhões ficaram a cargo da Diretoria de Tecnologia e Inovação.

O cenário relatado pelos agentes federais não é isolado. Policias civis e militares pelo país enfrentam problemas similares ou até piores - vale lembrar que só 44% dos homicídios cometidos no país são solucionados, segundo estudo divulgado pelo Instituto Sou da Paz no dia 13.

Em São Paulo, agentes de segurança protestaram na quinta contra os baixos salários e falta de reposição de servidores - sindicados da Polícia Civil de São Paulo, por exemplo, apontam para um déficit 15 mil agentes da categoria no estado.

Todo esse contexto só reforça as dificuldades enfrentadas pelo governo para combater a criminalidade organizada. E, apesar de a segurança pública ser uma competência dos estados, a União tem tentado participar dessa área cada vez mais.

Mas o sucesso dessa iniciativa é discutível, seja pelas intervenções federais que foram se tornando mais frequentes desde o governo Michel Temer, ou por apresentar planos críveis e estruturados de gestão do combate ao crime.

Recentemente, Jair Bolsonaro atualizou seu plano de segurança pública para o período 2021-2030. O projeto foi bastante criticado por ter alterado a contabilização das mortes causadas por intervenções policiais. Tanto que o tema já é discutido no STF, em ação apresentada pelo PSB.

A entrada de Sergio Moro na disputa presidencial com dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto preocupou pedetistas, que passaram a pressionar o presidente da legenda, Carlos Lupi, a formar uma aliança com o ex-presidente Lula.

Leia Mais

A principal avaliação do ex-governador Geraldo Alckmin para definir onde se filiar é se terá alianças que lhe garanta uma candidatura competitiva ao governo do estado de São Paulo.

Leia Mais

Ao lado de Arthur Lira, o presidente do Senado disse ao tribunal ser impossível identificar quais parlamentares patrocinaram cada uma das emendas RP9, que compõem o orçamento secreto. 

Leia Mais

Futuro presidente do União Brasil, resultado da fusão entre o PSL e o DEM, Luciano Bivar informou a ACM Neto e ao ex-ministro Luiz Henrique Mandetta seu desejo de disputar a Presidente da República pelo novo partido.

Leia Mais

Fernando Collor escapou do STF. A corte não terminou de julgar hoje as ações sobre o marco do saneamento e o caso em que o senador é acusado de receber propina para influenciar decisões da BR Distribuidora será julgado em data ainda indefinida.

Leia Mais

A 2ª Turma do STF pode decidir na próxima terça-feira (30) o destino da investigação do MPRJ contra Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas em seu gabinete quando estava na Alerj. A decisão sobre o caso no colegiado já foi adiada duas vezes: uma por Gilmar Mendes e outra por Kassio Nunes Marques.

Leia Mais

Um deputado da base aliada notou a diferença de tratamento dado nessa semana ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Leia Mais

A fé de Kassab

25/11/2021 às 15:31

Gilberto Kassab tem um ritual diário: garantir a interlocutores políticos que é real e genuína sua fé na candidatura de Rodrigo Pacheco à Presidência.

Leia Mais

A pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência da República é um movimento dos chefes do MDB para fortalecer o partido nas negociações eleitorais de 2022.

Leia Mais

O TCU exigiu ontem (24) que União, governo de Mato Grosso e prefeitura de Cuiabá a se entendam em até 60 dias e decidam o destino do VLT (prometido para a Copa de 2014) que ligaria o aeroporto internacional, em Várzea Grande, à capital do estado. A obra iniciada em 2012 está parada há quase 7 anos sem previsão de solução.

Leia Mais

Arthur Lira e Rodrigo Pacheco voltaram a um nível de entendido desde a semana passada: o de que é preciso preservar ocultos os nomes de parlamentares beneficiados com as emendas secretas, as chamadas RP9.

Leia Mais

O julgamento das ações que discutem trechos do Marco Legal do Saneamento começa efetivamente, como a leitura do voto do relator, Luiz Fux. Fontes do setor privado ouvidas pelo Bastidor esperam uma vitória "de lavada" no STF.

Leia Mais

Empresários brasileiros não se preocupam com a proeminência cada vez maior que Xi Jinping tem tido no Partido Comunista Chinês. Fontes ligadas tanto ao setor privado brasileiro quanto ao governo chinês disseram ao Bastidor que a prioridade do empresariado é reforçar os laços comerciais.

Leia Mais

A determinação de Arthur Lira para aprovar brevemente a PEC que aumenta a idade de 65 para 70 anos a idade máxima de nomeação de juízes e ministros dos tribunais superiores é fruto de uma articulação para barrar o nome de André Mendonça.

Leia Mais

Frederick Wassef e o senador Flávio comemoram - houve até festa em estilo havaiano - desde o fim de semana: cumpriu-se a profecia do conselheiro da família Bolsonaro.

Leia Mais