Em busca da impunidade

Leandro Loyola
Publicada em 21/02/2024 às 19:00
Parlamentares querem evitar que a Polícia Federal possa investigá-los Foto: Gabriela Biló/Folhapress

Está em curso mais uma tentativa do Congresso de se blindar contra a aplicação da lei. Líderes partidários defendem a tramitação com prioridade de duas matérias que reduzam o poder do Supremo Tribunal Federal e aumentem as dificuldades para que parlamentares sejam alcançados pela lei.

Deputados querem para tirar do Supremo os julgamentos de parlamentares e criar um mecanismo que exija autorização prévia do Congresso para que o Supremo possa processar parlamentares. Na prática, o objetivo é torna-los imunes à aplicação da lei.

Data de 2019 o início de uma cruzada na qual o Congresso retomou a força com o refluxo da Operação Lava Jato e foi em busca de proteção contra futuros problemas. Escolados com a investigação que derrubou diversos pares, parlamentares mudaram leis para dificultar ainda mais as investigações e amolecer punições, como alterações na lei de improbidade administrativa e a lei eleitoral.

As duas novas ideias fazem parte desta cruzada. Em uma delas, os parlamentares querem transferir do Supremo para os Tribunais Regionais Federais os julgamentos de seus eventuais casos. No momento, o Supremo não tem proximidade com o Congresso. Mudar o foro é uma forma de se proteger – em especial porque parlamentares têm influência nos TRFs.

Em outra frente, parlamentares querem apresentar uma PEC para que investigações, mandados de busca e apreensão e a abertura de processos contra parlamentares só aconteçam depois que o Judiciário peça licença à Câmara ou ao Senado.

Deputados e senadores se assustaram quando, no mês passado, a Polícia Federal fez uma operação de busca e apreensão no gabinete do deputado Carlos Jordy, suspeito de participar da articulação da tentativa de golpe de estado de 8 de Janeiro.

A exigência de uma autorização dos parlamentares para punir parlamentares é coisa velha, um privilégio que já existiu em Assembleias Legislativas - e resultou em impunidade. Está de volta devido à investigação da tentativa de golpe de 8 de Janeiro, que atinge parlamentares da oposição. É uma pauta tão popular em Brasília, que colegas da base governista também apoiam. É um privilégio desejado por todas as corporações, mas parlamentares são os únicos que podem legislar em causa própria.

O arranjo democrático pressupõe um equilíbrio entre os poderes. Quando tenta dificultar investigações e punições, o Congresso fere este equilíbrio. O que parlamentares querem, na verdade, é não serem incomodados pela lei. Buscam o privilégio da impunidade. 

Advogado ligado a Luiz Marinho ganha força na véspera da votação de duas listas tríplices pelo TRF-3

Leia Mais

Coloca na planilha

17/06/2024 às 19:00

Supremo julga ação sobre previdência, a terceira com impacto no orçamento da União neste mês

Leia Mais

Projeto de renegociação da dívida dos estados é um desastre para o governo federal

Leia Mais

Mudança de posição de ministro do STJ dá chance para Itaú reverter sentença milionária desfavorável.

Leia Mais

Auditorias do TCU mostram que governo não sabe como gasta dinheiro do Minha Casa, Minha Vida.

Leia Mais

Queiroz Galvão, OAS e Brasília Guaíba são condenadas pelo TCU por superfaturarem obras da BR-448.

Leia Mais

Ministro Humberto Martins, do STJ, revê decisão e libera três leilões com bens da Viação Itapemirim.

Leia Mais

Atrasar com calma

14/06/2024 às 17:16

PF some depois de ganhar mais prazo para encerrar inquérito sobre suposta rachadinha de Janones.


Leia Mais

Bolsonaro insiste em ex-policial da Rota militar como vice de Ricardo Nunes em São Paulo

Leia Mais

Sanção ainda traz recomendação de intervenção administrativa e cassação da concessão

Leia Mais

O efeito Toffoli

14/06/2024 às 10:24

STJ livra dois acusados da Lava Jato porque decisão do ministro do STF anulou provas.

Leia Mais

AGU e CGU de Lula firmam acordo de leniência com empresa que admitiu pagar propina a chefes do MDB.

Leia Mais

Marcelo Odebrecht pede que se ignore pedidos da PGR e da Petrobras para suspender anulação de provas

Leia Mais

À espera da PF

13/06/2024 às 17:49

Decisões sobre caso de corrupção e visita do CNJ criam clima de medo no TJ da Bahia

Leia Mais

Líder do partido fica responsável por cuidar de projeto para substituir trapalhada de Haddad

Leia Mais