Decisão do TSE sobre Lollapalooza é “totalitária”, diz Celso de Mello

Publicada em 28/03/2022 às 12:53
Ex-ministro conclamou defensores do regime democrático a se manifestarem contra a decisão do TSE Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O ex-ministro do STF Celso de Mello classificou como “totalitária” a decisão do ministro Raul Araújo, do TSE, de proibir atos de protesto contra Jair Bolsonaro, durante o festival Lollapalooza. A decisão tomada pelo magistrado eleitoral deve ser reavaliada pelo Plenário da Corte.

Para Celso de Mello, é “preocupante a novilíngua do TSE”. “Impressionante e atual, na expressão de Orwell, a manifestação mais distópica da mais alta Corte Eleitoral”, afirmou. O ex-ministro considerou que a decisão pode ser considerada como censura aos artistas e a todos que possam ser contrários ao presidente. Ele questionou as intenções da Corte.

"O TSE, com essa recentíssima decisão no caso do espetáculo Lollapalooza, ter-se-ia transformado em instrumento da vocação totalitária do 'Grande Irmão (Big Brother)? E passou, na novilíngua do Estado totalitário, a observar (e a respeitar) o lema autocrático 'Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força'?"

Mello conclamou todos que respeitam o regime democrático e a liberdade de manifestação do pensamento a repudiar a determinação de Araújo. “O poder totalitário do Estado é sempre um poder cruel e cínico, que proíbe o cidadão de pensar e de livremente expressar o seu pensamento e que o submete a um regime de opressão, interditando o dissenso, vedando o debate e impedindo a livre circulação de ideias”, avaliou o ex-ministro.

Dois pesos e duas medidas

A decisão de Raul Araújo foi motivada por um pedido feito pela campanha de Jair Bolsonaro, que protestou contra as manifestações da cantora Pabllo Vittar, durante o Lollapalooza. Na apresentação, ela reclamou do atual governo e exibiu uma bandeira do ex-presidente Lula, que deve ser o principal antagonista do capitão reformado nas eleições deste ano.

Araújo considerou que as manifestações de Vittar poderiam ser enquadradas como propaganda política antecipada, o que é vedado pela legislação eleitoral. Ele proibiu que outros artistas fizessem o mesmo durante o evento e determinou multa de R$ 50 mil para cada nova infração.

A medida contra os artistas e o festival de música contrapõe outra decisão de Araújo sobre o mesmo tema. Em fevereiro deste ano, ele usou uma argumentação absurda para negar o pedido do PT, que queria a retirada de outdoors em Cuiabá que elogiavam Jair Bolsonaro. 

Ele disse à época que o presidente não poderia ser culpado pelas propagandas e que, por isso, não seria possível determinar a retirada das peças publicitárias da cidade, ainda que também tenha reconhecido que se tratava de propaganda política antecipada.

Leia mais:

TSE homenageia hoje ministro que censurou Lollapalooza

A tentativa de Carla Zambelli de incluir o hacker Walter Delgatti na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro desagradou a ala política e profissional do comitê, especialmente Valdemar Costa Neto, dono do PL.

Leia Mais

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais