A resistência presbiteriana

Publicada em 26/07/2022 às 06:00
Reverendo Wilson Emerick é um dos líderes de movimento que tenta afastar a Igreja Presbiteriana da política Foto: Reprodução

Apesar do vazamento de uma proposta que prevê punições a pessoas de esquerda, a extrema-direita está longe da unanimidade na Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB). Ao contrário, um movimento de fiéis tenta impedir que a política partidária tome a entidade. 

O grupo Ecclesiae Renovare é composto por pastores que buscam alterar o pensamento da cúpula da IPB, numa tentativa de modernizá-la. Além da visão política tolerante, eles querem permitir maior participação das mulheres, dando a elas a possibilidade de pregar, comandar ações sociais e ocupar cargos eletivos.

A IPB é das poucas denominações evangélicas que restringem tanto a participação feminina. Em várias igrejas, desde o início do século passado as mulheres ocupam cargos e têm participação ativa.

Um dos líderes do movimento, o reverendo Wilson Emerick acredita que a maioria dos fiéis da IPB se identifica com o pensamento de extrema-direita, o que justificaria o documento que gerou controvérsia. No entanto, defende que a igreja deve se afastar da relação com o poder político. 

 “Começou com pastores assumindo cargos no governo, como André Mendonça e Milton Ribeiro. Esse atrelamento no começo era mais de pensar que tínhamos uma boa formação, mas alguns começaram a se empolgar demais com isso e fizeram com que a igreja passasse a se sentir satisfeita com pessoas de destaque no governo federal”, afirma.

Para Emerick, o espaço da igreja é o de defender os pilares constitucionais de liberdade de expressão, opinião e de orientação política, bem como se preocupar com questões de ordem espiritual.

“A IPB é mais do que simpatizante do governo, alguns acham que o governo cumpre essa função messiânica. Igreja nunca se atrela ao estado, ela é autônoma e independente. Quando ela se atrela a isso, perde a função profética”, diz.

A proposta que veio a público nasceu de um relatório produzido pelo reverendo Osni Ferreira, da Igreja Presbiteriana Central de Londrina, no Paraná. Prevê punições a fieis de esquerda, que iriam desde a proibição de participar de atividades até à expulsão.

A ideia está em discussão no Supremo Concílio, reunião de líderes da entidade que ocorre em Cuiabá esta semana. O grupo funciona como um grande congresso, em que são debatidas questões de ordem pastoral. Mais de mil religiosos participam da reunião. Para ser adotada, a proposta precisa ser aprovada nesta instância.

Na semana passada, um vídeo de Oni Ferreira usando o púlpito da igreja em Londrina para defender a candidatura de Jair Bolsonaro causou revolta em fiéis que não concordam com o uso da entidade para fins políticos.

A Igreja Presbiteriana do Brasil apoiou os governos da ditadura militar (1964-85), apesar de alguns de seus fieis terem sido presos e torturados. O posicionamento da direção levou um grupo de pastores a abrir nos anos 1970 uma dissidência, a Igreja Presbiteriana Unida do Brasil.

O ramo segue boa parte dos ensinamentos dos presbiterianos mais tradicionais, mas permite o ordenamento feminino e o posicionamento contrário ao do atual governo. No site oficial, há várias notas condenando comportamentos e atitudes de Jair Bolsonaro.

Emerick diz que o movimento Ecclesiae Renovare não tem força, nem interesse para se gerar uma nova divisão entre os presbiterianos.

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais

Num período de crise econômica, o presidente da Câmara, Arthur Lira, aumentou seu patrimônio em mais de 3 vezes, segundo sua declaração ao Tribunal Superior Eleitoral.

Leia Mais