Bolsonaro finalmente depõe, mas investigação sobre interferência na PF segue lenta

Brenno Grillo
Publicada em 04/11/2021 às 21:45
Jair Bolsonaro e Sergio Moro durante o lançamento da campanha do pacote anticrime, no Palácio do Planalto, em outubro de 2019. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Jair Bolsonaro prestou hoje (4) o tão esperado depoimento sobre as acusações de que tentou interferir ilegalmente na PF. O presidente disse que nunca quis ter informações privilegiadas da PF ou da Abin - onde colocou os aliados Paulo Maiurino e Alexandre Ramagem, respectivamente - mas apenas saber de fatos relevantes antes de ler na imprensa.

Em relação à "segurança na ponta da linha", Bolsonaro afirmou que se referia aos integrantes do GSI lotados no Rio de Janeiro para proteger sua família. Sobre Moro, Bolsonaro relatou que o então ministro resistiu às propostas de mudança na PF e que esse foi o motivo da separação entre lavajatismo e bolsonarismo.

O presidente pontuou ainda que eventuais trocas na PF só seriam aceitar por Moro após a indicação do ex-juiz ao STF - em momento algum o presidente deixou claro se a promessa envolvendo a corte foi feita por ele ou imposta por Moro e nem em qual momento isso teria ocorrido.

O motivo alegado pelo agora político Sergio Moro para deixar o Ministério da Justiça motivou um inquérito que prometia derrubar o presidente. O vídeo da reunião ministerial de 22 de abril de 2020 corrobora fortemente a intenção do presidente em interferir no comando da PF por razões pessoais - se esse ato pode ser tipificado como crime, cabe à PGR determinar. Os demais depoimentos tomados ainda no primeiro semestre do ano passado fortaleceram essa versão dos fatos.

Faltava, porém, o depoimento do presidente. Como a crise provocada pela saída de Moro arrefeceu no decorrer dos meses, o inquérito seguiu o mesmo ritmo. Antes de se aposentar, o decano Celso de Mello determinou que o depoimento deveria ser presencial.

Depois que o ministro saiu do STF, o processo parou. Foi Bolsonaro quem mais fez pelos andamentos recentes da investigação aberta por Augusto Aras do que a PGR.

Partiram do presidente os dois últimos movimentos nessa apuração: a escolha por depor presencialmente, após dizer que preferiria por escrito, e o depoimento em si.

E não se pode perder de vista as circunstâncias da realização do depoimento - às escuras e sem participação dos advogados de Moro ou de procuradores. Numa investigação sobre interferência presidencial na PF, qualquer detalhe importa.

Agora, cabe a PF produzir um relatório final; a Aras, cabe decidir se Bolsonaro cometeu ou não algum crime. O PGR já disse a pessoas próximas avaliar que o presidente agiu dentro das prerrogativas que o cargo lhe confere. Assim, a tendência é que, em algum momento, Aras arquive o inquérito.

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais