Exclusivo

A proximidade do desembargador com o escritório que defende os interesses da Heineken

Diego Escosteguy
Publicada em 26/10/2021 às 12:00
Foto: FB/Advogado Bruno Cavalcanti

Quando o processo da fábrica de Alagoinhas caiu nas mãos do desembargador Manoel Erhardt, no STJ, a cervejaria Heineken logo contratou o escritório Queiroz Cavalcanti. Pela proximidade, os advogados que atuam na banca não devem ter sido escolhidos à toa. 

Um dos advogados é Bruno Cavalcanti, sócio do escritório. Ele é filho do desembargador Francisco de Queiroz Bezerra Cavalcanti, que foi colega de Erhardt durante décadas, até se aposentar em 2014. O Queiroz Cavalcanti foi fundado pelo pai do desembargador Francisco (também chamado Francisco) e seu irmão Flávio Queiroz Cavalcanti, desembargador do mesmo TRF-5, até morrer em 2013. Bruno, portanto, herdou o escritório do tio e do avô.

Em agosto, já com o Queiroz Cavalcanti constituído nos autos do STJ, Erhardt recebeu uma honraria no Instituto de Advogados de Pernambuco: a medalha Flávio Queiroz Cavalcanti. O advogado Bruno é diretor do Instituto. O antigo colega de Erhardt, professor Francisco Cavalcanti, pai de Bruno, é conselheiro do mesmo instituto. Participou da cerimônia.

Erhardt e Francisco Cavalcanti também são antigos colegas de docência na Universidade Federal de Pernambuco.

O desembargador convocado ao STJ tem outra atividade docente: fundou e deu aulas no Espaço Jurídico, entidade de ensino para cursinhos. Hoje, o negócio é tocado pela mulher do desembargador, ao lado de dois de seus filhos. Um dos sócios do Queiroz Cavalcanti, o advogado Caio Vilela, apresenta-se como professor do Espaço Jurídico.

Nas redes sociais, filhos de Erhardt são amigos de Bruno e seu pai. O desembargador é amigo de todos. Sempre dá parabéns nos aniversários de Bruno e nas celebrações do advogado à frente do Instituto de Advogados de Pernambuco. 

Ano passado, quando era presidente do Instituto, Bruno comemorou um almoço em que recebera o desembargador para uma conversa com os associados. “Almoço com a família Erhardt”, registrou no Facebook. Tiago Erhardt, um dos filhos do desembargador, estava lá. Todos curtiram o evento.

Quando o desembargador Francisco Cavalcanti se aposentou, Erhardt foi um dos que discursaram em longa homenagem ao colega. Desde então, Francisco segue atuante como professor e autor de livros, além de manter um escritório próprio de advocacia. Em 2017, quando Erhardt era presidente do TRF, Francisco conseguiu ampliar os proventos de sua aposentadoria, por “invalidez incapacitante”. 

O desembargador Manoel não é o primeiro integrante da família a despachar no STJ. Seu filho André, procurador federal, está cedido ao gabinete do ministro Og Fernandes, também do STJ, desde 2013.

O Bastidor enviou perguntas detalhadas e específicas acerca da relação do desembargador com o escritório contratado pela Heineken. O Queiroz Cavalcanti não respondeu. O gabinete do desembargador ignorou as perguntas e apenas informou que um recurso do caso será julgado na Primeira Seção em 10 de novembro.

A entrada de Sergio Moro na disputa presidencial com dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto preocupou pedetistas, que passaram a pressionar o presidente da legenda, Carlos Lupi, a formar uma aliança com o ex-presidente Lula.

Leia Mais

A principal avaliação do ex-governador Geraldo Alckmin para definir onde se filiar é se terá alianças que lhe garanta uma candidatura competitiva ao governo do estado de São Paulo.

Leia Mais

Ao lado de Arthur Lira, o presidente do Senado disse ao tribunal ser impossível identificar quais parlamentares patrocinaram cada uma das emendas RP9, que compõem o orçamento secreto. 

Leia Mais

Futuro presidente do União Brasil, resultado da fusão entre o PSL e o DEM, Luciano Bivar informou a ACM Neto e ao ex-ministro Luiz Henrique Mandetta seu desejo de disputar a Presidente da República pelo novo partido.

Leia Mais

Fernando Collor escapou do STF. A corte não terminou de julgar hoje as ações sobre o marco do saneamento e o caso em que o senador é acusado de receber propina para influenciar decisões da BR Distribuidora será julgado em data ainda indefinida.

Leia Mais

A 2ª Turma do STF pode decidir na próxima terça-feira (30) o destino da investigação do MPRJ contra Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas em seu gabinete quando estava na Alerj. A decisão sobre o caso no colegiado já foi adiada duas vezes: uma por Gilmar Mendes e outra por Kassio Nunes Marques.

Leia Mais

Um deputado da base aliada notou a diferença de tratamento dado nessa semana ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Leia Mais

A fé de Kassab

25/11/2021 às 15:31

Gilberto Kassab tem um ritual diário: garantir a interlocutores políticos que é real e genuína sua fé na candidatura de Rodrigo Pacheco à Presidência.

Leia Mais

A pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência da República é um movimento dos chefes do MDB para fortalecer o partido nas negociações eleitorais de 2022.

Leia Mais

O TCU exigiu ontem (24) que União, governo de Mato Grosso e prefeitura de Cuiabá a se entendam em até 60 dias e decidam o destino do VLT (prometido para a Copa de 2014) que ligaria o aeroporto internacional, em Várzea Grande, à capital do estado. A obra iniciada em 2012 está parada há quase 7 anos sem previsão de solução.

Leia Mais

Arthur Lira e Rodrigo Pacheco voltaram a um nível de entendido desde a semana passada: o de que é preciso preservar ocultos os nomes de parlamentares beneficiados com as emendas secretas, as chamadas RP9.

Leia Mais

O julgamento das ações que discutem trechos do Marco Legal do Saneamento começa efetivamente, como a leitura do voto do relator, Luiz Fux. Fontes do setor privado ouvidas pelo Bastidor esperam uma vitória "de lavada" no STF.

Leia Mais

Empresários brasileiros não se preocupam com a proeminência cada vez maior que Xi Jinping tem tido no Partido Comunista Chinês. Fontes ligadas tanto ao setor privado brasileiro quanto ao governo chinês disseram ao Bastidor que a prioridade do empresariado é reforçar os laços comerciais.

Leia Mais

A determinação de Arthur Lira para aprovar brevemente a PEC que aumenta a idade de 65 para 70 anos a idade máxima de nomeação de juízes e ministros dos tribunais superiores é fruto de uma articulação para barrar o nome de André Mendonça.

Leia Mais

Frederick Wassef e o senador Flávio comemoram - houve até festa em estilo havaiano - desde o fim de semana: cumpriu-se a profecia do conselheiro da família Bolsonaro.

Leia Mais