O estrategista de Paes e a "continuidade delitiva" no Rio

Diego Escosteguy
Publicada em 22/12/2020 às 17:06
Foto: Claudia Martini/Folhapress

Chama-se Marcello Faulhaber o nome da confusão no Rio. Para os promotores fluminenses, o marqueteiro de Marcelo Crivella, denunciado pelo Ministério Público, é o elo entre o esquema do atual prefeito e a gestão de Eduardo Paes.

Faulhaber foi um dos principais estrategistas da campanha de Paes neste ano. É uma relação antiga - não se trata de "um mero funcionário". Na primeira gestão de Paes na Prefeitura, Faulhaber coordenou o plano de governo, foi cogitado para ser secretário e acabou trabalhando na Casa Civil.

Mesmo investigado pelos promotores, Faulhaber seguiu com papel central na campanha de Paes. Essa proximidade, além de elementos ainda mantidos em sigilo das delações premiadas do caso, indicou aos investigadores que haveria "continuidade delitiva" do esquema de Crivella com a vindoura gestão de Paes.

Faulhaber não era apenas um marqueteiro, segundo as investigações. Era um operador - e dos grandes. Atuava como braço operacional do empresário Arthur Soares, o "Rei Arthur".

Faulhaber conhece o segredo de muitas campanhas - e, portanto, de muitos políticos. A amigos, disse no decorrer da operação, nos últimos meses, que não ficará calado se cair.