A ginga do vereador na Bahia

Brenno Grillo
Publicada em 16/06/2022 às 12:00
Rui Costa (à esq.) e Geraldo Júnior (à dir.) durante evento no interior da Bahia, na quarta-feira (4). Foto: Reprodução/Instagram/Geraldo Júnior

O vereador Geraldo Júnior (MDB) é dos poucos políticos que pode dizer que, não importa o que acontecer, terá poder em 2023. Em janeiro, ele será vice-governador da Bahia - está na chapa de Jerônimo Rodrigues, candidato do governador petista Rui Costa - ou iniciará um inédito terceiro mandato como presidente da Câmara Municipal de Salvador.

Filiado ao União Brasil, ele contou com o apoio da base governista que dá suporte ao prefeito Bruno Reis (aliado de ACM Neto, candidato a governador) na capital baiana para conseguir se reeleger no comando da Câmara - atropelando precedentes do STF que limitam reeleições na mesma legislatura para Câmara dos Deputados, Senado e Assembleias Legislativas.

Em 23 de março, a Câmara aprovou de supetão uma emenda à Lei Orgânica para permitir a reeleição do presidente da Casa na mesma legislatura. Vereadores ouvidos pelo Bastidor, no entanto, negam terem votado o texto: afirmam que o projeto não foi disponibilizado previamente para análise e que sequer constava na ordem do dia.

As notas taquigráficas da sessão reforçam as suspeitas. O primeiro arquivo mostra que Júnior colocou em pauta uma proposta de resolução, que mexe em normas internas da Casa e em outros atos administrativos.

Um segundo arquivo - disponibilizado cerca de uma semana depois, de acordo com um vereador - detalha que a votação do dia 23 discutia uma emenda à Lei Orgânica de Salvador que permitia a reeleição do presidente.

Mas a tal resolução apresentada com o mesmo número da emenda nas notas taquigráficas trata de uma homenagem. Apesar da alteração no conteúdo do documento, o código do arquivo digital foi mantido. Em resumo, a maioria dos vereadores votou num projeto, sem saber que votava em outro.


Depois de aprovada a mudança, Júnior foi reeleito em 29 de março, com 35 de 43 votos possíveis. No dia seguinte, mudou de lado, trocou o União Brasil pelo MDB, aliado do PT e adversário de ACM Neto (União Brasil) na disputa pelo governo.

O caso então foi parar na Justiça, e hoje envolve até o STF, com uma ação sob relatoria de Kassio. Outra questão suscitada por vereadores é que os relatórios das comissões de Constituição e Justiça e da de Finanças aprovando a mudança foram feitos após a votação relâmpago.


O Bastidor questionou Geraldo Júnior, mas não recebeu resposta até a publicação desta notícia.

A tentativa de Carla Zambelli de incluir o hacker Walter Delgatti na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro desagradou a ala política e profissional do comitê, especialmente Valdemar Costa Neto, dono do PL.

Leia Mais

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais