O que esperar do Cade em 2022: ferrovias, gás, energia elétrica e portos

Brenno Grillo
Publicada em 05/01/2022 às 06:00
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O Cade começará 2022 com um dos principais casos do setor de telefonia no Brasil: a compra da Oi por Claro, Tim e Vivo. A operação, aprovada com exigências pela superintendência do órgão antitruste no fim de 2021, deve ser concluída na autarquia ainda em fevereiro porque o prazo para uma validação automática está cada vez mais perto do fim.

Mas o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, segundo um importante integrante do órgão disse ao Bastidor, deverá se debruçar especialmente sobre questões de infraestrutura. Essa temática seria resultado das aprovações recentes de diversas legislações que mexeram desde o setor de gás até o ferroviário.

Uma das joias da coroa será o saneamento, destacou essa fonte. O novo marco legal do setor, que ampliou a possibilidade de participação privada, pode resultar em mais de R$ 1 trilhão em investimentos nos próximos 20 anos.

Outro mercado que pode movimentar o Cade é o de ferrovias. A possibilidade de empresas poderem construir trechos apenas com autorizações (ao invés de concessões) do governo federal e da Agência Nacional de Transportes Terrestres deve aquecer o setor.

De acordo com o governo, 19 contratos desse tipo já foram assinados - todos de 99 anos, prazo máximo previsto na lei e que pode ser prorrogado por igual período.

Já no setor de gás há a influência do marco legal sancionado em abril de 2021. As novas regras permitem a chamada desverticalização, que serve para pulverizar entre diversas empresas essa cadeia econômica: distribuição, transporte e produção.

Há ainda o setor elétrico, que além da privatização da Eletrobrás, será afetado pela aprovação do projeto que criou o marco legal da microgeração e minigeração distribuída, além do Sistema de Compensação de Energia Elétrica e do Programa de Energia Renovável Social.

E, por fim, aguarda sanção o BR do Mar. O projeto aprovado pelo Congresso muda as regras para afretamento visando incentivar a cabotagem (transporte entre portos nacionais) no Brasil.

Nova composição

Toda essas questões serão analisadas por um Cade diferente, já que o órgão passará por mudanças em sua composição. Uma cadeira no conselho está vaga desde julho, enquanto outra será aberta em fevereiro, com a saída de Paula Farani de Azevedo Silveira. 

Além disso, Alexandre Barreto aguarda votação no Senado para confirmar a indicação feita por Jair Bolsonaro em julho de 2021 - enquanto isso, o posto é ocupado interinamente por Diogo Thomson de Andrade.

O Cade ficou com a tarefa inglória de investigar se os altos preços do gás são culpa da Petrobras. A empresa diz que segue valores de mercado e adota medidas para incentivar a concorrência - num setor que até pouco tempo atrás monopolizava de ponta a ponta.

Leia Mais

Exames poderão ser comprados em farmácias, mas não servem para fins de dispensa médica laboral ou para liberar passageiros em voos internacionais.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro consultou o advogado-geral da União, Bruno Bianco, sobre não depor pessoalmente à Polícia Federal, como determinou ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Ainda não se sabe se o presidente descumprirá a decisão do ministro. O depoimento é hoje, sexta, às 14h.

Leia Mais

A Anatel decidiu na noite de terça-feira (26) convocar uma sessão extraordinária, a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28), para discutir a compra da Oi.

Leia Mais

Na próxima quarta-feira, 2, ele se reúne com o Eduardo Paes, Carlos Lupi (PDT) e Gilberto Kassab (PDT), além dos pré-candidatos ao governo fluminense pelas legendas, Rodrigo Neves e Felipe Santa Cruz, para fechar uma aliança entre as legendas.

Leia Mais

Jair Bolsonaro terá que depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (28) debaixo de vara. Alexandre de Moraes determinou hoje (27) que presidente compareça às 14h, na Superintendência da PF em Brasília.

Leia Mais

Além de Rodrigo Cruz, atual número dois da pasta, que tem apoio de Tarcísio de Freitas e de parte do centrão, outros dois nomes surgiram com mais forças nas conversas no Planalto e no Congresso.

Leia Mais

O brasileiro assiste hidrelétricas jorrando água sem produzir energia, por conta dos aumentos dos reservatórios com as chuvas, enquanto o preço da conta de luz não cai. O motivo é o modelo de compra e venda da energia elétrica no país.

Leia Mais

Além do PSDB, que se reúne nesta quinta-feira, 27, para discutir a possibilidade de uma federação, o Cidadania tem negociado com o Podemos, o MDB e o PDT.

Leia Mais

Pasta orienta que pais em dúvida procurem um médico para verificar a existência de eventuais contraindicações ou comorbidades.

Leia Mais

Orientado por seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro João Roma que faça um pronunciamento para anunciar boas notícias na área social do governo.

Leia Mais

Anvisa vai se reunir na sexta-feira para definir a liberação dos exames feitos em casa

Leia Mais

Ao dizer ao Bastidor que as chances são mínimas de Sergio Moro migrar para o União Brasil, Renata Abreu, presidente do Podemos e deputada federal, foi realista ao conhecer sua própria bancada e a do partido aliado.

Leia Mais

Carta de Neil Young ao Spotify joga luz sobre o que pode ou não ser publicado no Spotify. Enquanto isso, a plataforma de áudio, segue muda, sem se posicionar.

Leia Mais

O Bastidor mostrou que Sergio Moro e sua equipe política analisam cinco nomes que podem ser o marqueteiro do ex-juiz na campanha eleitoral deste ano. Mas cada um tem um ponto específico que pode prejudicar a escolha.

Leia Mais