Senadores ligam cloroquina a corrupção

Publicada em 09/06/2021 às 14:28
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Senadores que integram a CPI da Pandemia suspeitam de corrupção na propaganda ostensiva da cloroquina pelo presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores. O medicamento é comprovadamente imprestável para tratar doentes com covid-19.

A ideia dos senadores da oposição e independentes é votar requerimentos de quebra de sigilos telefônico e fiscal dos principais defensores da cloroquina e das empresas beneficiadas com o aumento da demanda. Há mais de 40 requerimentos nesse sentido que serão votados nesta quinta-feira 10 de junho.

Segundo documento enviado pelo Comando do Exército à CPI, foram distribuídos 2.931.820 comprimidos de cloroquina 150 mg em 2020. A quantidade distribuída em 2018, de 259.470 comprimidos, foi produzida em 2017 e “suficiente para atender a demanda dos anos de 2018 e 2019”.

A distribuição e a produção de cloroquina foram determinadas pelo Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde com base em Nota Informativa que orientava o uso da cloroquina como “terapia adjuvante no tratamento de formas graves da covid-19”.