Não deu para Kassio

Brenno Grillo
Publicada em 07/06/2022 às 18:20
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Os ministros Kassio Nunes Marques e André Mendonça tentaram salvar o bolsonarista Fernando Francischini, mas a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal anulou a liminar que havia devolvido o mandato do deputado estadual paranaense em julgamento nesta terça-feira, 7.

Francischini perdeu o mandato porque disse haver fraude nas urnas em uma live logo após o primeiro turno da eleição de 2018. Ele foi o primeiro parlamentar cassado por propagar fake news, num julgamento que terminou 6 a 1.

Sua defesa recorreu ao Supremo. Como mostrou o Bastidor, graças a manobras processuais seus advogados conseguiram que a relatoria do caso ficasse com Kássio, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro. Na sexta-feira passada, 3, como era esperado, Kássio derrubou a decisão do TSE contra Francischini.

No julgamento da liminar na Segunda Turma nesta terça, Kássio repetiu os argumentos da liminar da semana passada - e que causou uma confusão. Ele concordou com a tese da defesa de que Francischini foi punido em 2021, por um ato cometido em 2018, quando o entendimento da Justiça Eleitoral sobre transmissões ao vivo na internet seria outro.

Há quase quatro anos, o TSE não incluía as redes sociais como veículos de comunicação. Mudou seu entendimento no ano passado. A lei proíbe punição quando o ato não era considerado crime à época de sua realização.

André Mendonça foi na mesma linha do colega, destacando ainda ser impossível que uma live transmitida nos últimos momentos da eleição ter força para alterar o resultado. Disse ainda que seria necessário comprovar que quem assistiu à live mudou de opinião.

Foi justamente a estratégia da defesa do bolsonarista o argumento usado pelos ministros Gilmar Mendes, Luiz Edson Fachin e Ricardo Lewandowski - estes últimos também ministros do TSE - para anular a decisão tomada por Kássio. Lewandowski disse que o pedido foi "heterodoxo".

Gilmar Mendes rebateu os argumentos dizendo que a lei eleitoral já listava, desde antes de 2018, a internet como meio social de comunicação. O ministro citou como exemplo decisão de 2016 do TSE que já incluía a internet nessa classificação. Disse também que há jurisprudência eleitoral consistente pela punição de candidatos que abusem de meios de comunicação de massa.

Esse último ponto vai ao encontro a um dos argumentos de Fachin. O presidente do TSE reforçou novamente que as eleições e a política não podem servir de plataformas para discursos golpistas - essa opinião é a mesma de Alexandre de Moraes, vice de Fachin no TSE e próximo presidente da corte, que anunciou a cassação de candidatos que mentirem na internet.

A tentativa de Carla Zambelli de incluir o hacker Walter Delgatti na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro desagradou a ala política e profissional do comitê, especialmente Valdemar Costa Neto, dono do PL.

Leia Mais

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais