Moro sobrevive

Samuel Nunes
Publicada em 21/05/2024 às 20:51
Senador consegue se livrar das acusações de caixa 2 e abuso de poder econômico, mantendo o mandato Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, por unanimidade, manter o mandato do senador Sérgio Moro (União-PR). Em sessão realizada nesta terça-feira (21), os ministros rejeitaram os recursos nas duas ações que pediam cassação do ex-juiz que comandou a operação Lava Jato.

Moro era acusado pelo PL, de Jair Bolsonaro, e pelo PT, de Luiz Inácio Lula da Silva, de caixa 2 e abuso de poder econômico nas eleições de 2022. Segundo as legendas, os gastos que o ex-juiz da Lava Jato realizou na tentativa frustrada de se candidatar a presidente da República extrapolaram os limites de gastos para a pré-campanha de senador, cargo no qual acabou eleito.

No Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), onde os processos começaram, Moro foi absolvido por sete votos a dois. Na ocasião, a Procuradoria Regional Eleitoral pediu a cassação do senador, alegando que ele havia extrapolado os gastos, tal como defendiam os partidos.

Curiosamente, tanto os advogados de acusação e defesa, quanto a PRE e os desembargadores usaram cálculos diferentes para chegar aos valores que teriam sido usados por Moro. Não houve consenso em nenhum dos votos.

O relator, ministro Floriano de Azevedo Marques, defendeu que as duas ações propostas pelo PL e pelo PT não apresentaram provas suficientes de que os gastos usados na pré-campanha foram realizados de forma ilegal ou mesmo que isso possa ter influenciado nas eleições paranaenses.

O ministro André Ramos Tavares foi outro que também afirmou não ver provas suficientes para condenar Moro. Já a ministra Cármen Lúcia, que também votou pela absolvição, fez críticas à falta de uma legislação e ao comportamento errático não só do ex-juiz, mas de todos os candidatos.

Para ela, isso dá margem a questionamentos como as ações abertas contra Moro. Cármen Lúcia defendeu que é preciso destacar que os eleitores devem ter mais acesso aos gastos de pré-campanha, para que possam ter condições de avaliar melhor os candidatos.

Kassio Nunes Marques foi outro que também votou integralmente com o relator. Ele fez críticas às peças de acusação que, na avaliação do ministro, foram incapazes de citar dados básicos que pudessem comprovar os benefícios que Moro poderia ter obtido com a pré-campanha.

O voto do ministro Raul Araújo foi breve, ao acompanhar o ministro Floriano, e com espaço para uma rápida brincadeira com o relator e com o presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes. O mesmo ocorreu com a ministra Isabel Galotti, a qual defendeu que uma eventual cassação poderia causar insegurança jurídica.

Ao encerrar o julgamento, Moraes afirmou que não houve fraude, mas que é preciso melhorar o entendimento da legislação sobre a figura do pré-candidato. Ele também lembrou da excrescência jurídica que permitiu à mulher de Moro ser eleita deputada por São Paulo, enquanto o senador se elegeu pelo Paraná, apesar de ambos morarem juntos.

O presidente do TSE ainda criticou os partidos por terem alegado que os gastos com carros blindados e segurança pessoal teriam garantido vantagem a Moro. "Eu sei o que é ser ameaçado pelo PCC, eu sei o que é ter a vida ameaçada", afirmou, pontuando que seria um absurdo considerar que isso possa ter dado algum benefício ao ex-juiz.

Advogado ligado a Luiz Marinho ganha força na véspera da votação de duas listas tríplices pelo TRF-3

Leia Mais

Coloca na planilha

17/06/2024 às 19:00

Supremo julga ação sobre previdência, a terceira com impacto no orçamento da União neste mês

Leia Mais

Projeto de renegociação da dívida dos estados é um desastre para o governo federal

Leia Mais

Mudança de posição de ministro do STJ dá chance para Itaú reverter sentença milionária desfavorável.

Leia Mais

Auditorias do TCU mostram que governo não sabe como gasta dinheiro do Minha Casa, Minha Vida.

Leia Mais

Queiroz Galvão, OAS e Brasília Guaíba são condenadas pelo TCU por superfaturarem obras da BR-448.

Leia Mais

Ministro Humberto Martins, do STJ, revê decisão e libera três leilões com bens da Viação Itapemirim.

Leia Mais

Atrasar com calma

14/06/2024 às 17:16

PF some depois de ganhar mais prazo para encerrar inquérito sobre suposta rachadinha de Janones.


Leia Mais

Bolsonaro insiste em ex-policial da Rota militar como vice de Ricardo Nunes em São Paulo

Leia Mais

Sanção ainda traz recomendação de intervenção administrativa e cassação da concessão

Leia Mais

O efeito Toffoli

14/06/2024 às 10:24

STJ livra dois acusados da Lava Jato porque decisão do ministro do STF anulou provas.

Leia Mais

AGU e CGU de Lula firmam acordo de leniência com empresa que admitiu pagar propina a chefes do MDB.

Leia Mais

Marcelo Odebrecht pede que se ignore pedidos da PGR e da Petrobras para suspender anulação de provas

Leia Mais

À espera da PF

13/06/2024 às 17:49

Decisões sobre caso de corrupção e visita do CNJ criam clima de medo no TJ da Bahia

Leia Mais

Líder do partido fica responsável por cuidar de projeto para substituir trapalhada de Haddad

Leia Mais