Moro se salva por enquanto

Samuel Nunes
Publicada em 09/04/2024 às 20:00
TRE-PR formou maioria pela manutenção do mandato de Moro, mas ainda cabem recursos ao TSE Foto: Gabriela Biló/Folhapress

O desembargador Anderson Ricardo Fogaça foi o responsável por formar maioria pela manutenção do mandato do senador Sergio Moro (União-PR). O parlamentar é alvo de duas ações apresentadas pelo PL e pelo PT. O julgamento está sendo realizado nesta terça-feira (9).

Até a publicação desta reportagem, já haviam votado seis desembargadores, dos quais quatro foram contra a cassação de Moro e dois votaram pela perda do mandato. Faltava ainda a manifestação do presidente da corte, Sigurd Roberto Bengtsson, mas independentemente do voto dele, o caso já está resolvido.

Moro foi acusado pelo PL e pelo PT de abuso de poder econômico durante a campanha de 2022, além de caixa 2.

Além de Fogaça, os desembargadores Guilherme Denz e Cláudia Cristina Cristofani concordaram com os argumentos do relator, Luciano Carrasco Falavinha Souza consideraram que os gastos no período da pré-campanha não foram suficientes para garantir uma vantagem diante dos demais candidatos da disputa.

O entendimento da maioria difere do que defendeu a Procuradoria Eleitoral, que pediu a cassação do mandato, tal como os dois partidos. Por esse motivo, é de se esperar que haja a apresentação de recursos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Votaram pela cassação, até agora, os desembargadores José Rodrigo Sade e Julio Jacob Junior.

O julgamento

A análise do caso de Moro foi marcada por diversas interrupções, devido a pedidos de vista encaminhados pelos desembargadores. Também chamou a atenção a atuação do relator. Nas duas vezes em que foram lidos votos divergentes, Souza pediu a palavra e tentou rebater os colegas, afirmando que não haviam compreendido completamente o voto pela manutenção do mandato do senador. A prática não é proibida, mas é pouco comum em julgamentos semelhantes.

Em diversas oportunidades, os desembargadores relembraram o julgamento da ex-senadora Selma Arruda (PL-MS). Conhecida pelo apelido de "Moro de saias", a ex-juíza teve o mandato cassado pelo excesso de dinheiro gasto na pré-camapanha, em 2019 por comparações com o caso da ex-senadora Selma Arruda. Ela foi acusada de promover caixa 2 e por contratar propaganda irregular antes do período determinado pela legislação eleitoral.

O relator afirmou que os dois casos não podem ser comparados, pois não havia comprovação de que os gastos apontados pelos partidos tinham beneficiado Moro de fato, como aconteceu com Selma Arruda. Também não ficou comprovada a existência de caixa 2.

Já nas divergências, os dois desembargadores disseram que os casos de Arruda e Moro são, sim, semelhantes e que o precedente da ex-senadora mostra como o abuso de poder econômico pode beneficiar um candidato em detrimento dos demais adversários, desbalanceado a disputa.

Veja como votou cada desembargador:

  • Luciano Carrasco Falavinha Souza (relator): contra a cassação
  • José Rodrigo Sade: a favor da cassação e pela inelegibilidade
  • Claudia Cristina Cristofani: contra a cassação
  • Guilherme Frederico Hernandes Denz: contra a cassação
  • Julio Jacob Junior: a favor da cassação e pela inelegibilidade
  • Anderson Ricardo Fogaça: contra a cassação

Para o entendimento contra a cassação, o relator e os demais desembargadores que o acompanharam discriminaram cada gasto da pré-campanha de Moro, analisando quais foram usados para promover o nome do ex-juiz e quais eram para pagar despesas diversas, como o pagamento de seguranças, deslocamento em viagens, entre outros.

Entretanto, um dos pontos mais controversos foi a contratação do escritório do advogado Luis Felipe Cunha, que concorreu na chapa de Moro como primeiro suplente. Os partidos e os desembargadores que votaram pela cassação consideraram que esse gasto deveria ser considerado como tentativa de lavagem de dinheiro. Por outro lado, os que votaram a favor de Moro disseram que ficou comprovada a prestação dos serviços do escritório nas campanhas do União Brasil.

De olho em enfrentar Lula em 2026, governador de Goiás espalha campanha que une segurança e negócios

Leia Mais

Fechem a torneira

19/07/2024 às 14:05

AGU pede ao STF suspensão do leilão da Sabesp por conflito de interesses e valor subestimado.

Leia Mais

Desempenho na segunda fase da venda das ações faz da privatização da estatal um sucesso

Leia Mais
Exclusivo

Um erro de 420 milhões

19/07/2024 às 06:00

Perda de prazo da PGFN dá à Dufry e ao advogado Sergio Bermudes precatório de quase meio bilhão.

Leia Mais

Defesa de Duque recorre ao ministro para evitar prisão por corrupção e lavagem na Petrobras.

Leia Mais

Por mim, libera

18/07/2024 às 19:50

Gonet diz que não é possível avaliar com calma a ação do PT contra a privatização da Sabesp.

Leia Mais

TSE muda de ideia e decide enviar observadores à eleição, o que evita um erro crasso do Brasil

Leia Mais

Expliquem-se

18/07/2024 às 09:07

Salomão pede que TJAL esclareça porque nomeou juízes já conhecidos na falência da Laginha.

Leia Mais

Alphabet foi condenada por concorrência desleal; Meta enfrenta ação bilionária por uso de dados.

Leia Mais

STF dá 24 horas para São Paulo justificar leilão da Sabesp; PT pediu liminar para suspender venda.

Leia Mais
Exclusivo

Gol da Alemanha

17/07/2024 às 19:09

Anac confirma que governo federal ressarcirá prejuízos da Fraport com o Aeroporto Salgado Filho.

Leia Mais

Juízes responsáveis pelo processo de falência da Usina Laginha decidiram que são aptos para o caso.

Leia Mais

Governo oculta dados de acordos da JBS e Marfrig com PGFN para renegociar dívidas com a União.

Leia Mais

Fraport fala que obras no aeroporto de Porto Alegre dependem de acordo com governo federal.


Leia Mais

Eduardo Braga quer alterar no Senado pontos da reforma tributária que foram acertados na Câmara

Leia Mais