Judiciário já julgou quatro processos usando jurisprudência do caso de Rubens Valente

Samuel Nunes
Publicada em 09/05/2022 às 19:47
Gilmar Mendes já abriu ao menos 11 processos contra jornalistas que publicaram textos que o desagradaram Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress

O caso do jornalista Rubens Valente, obrigado pelo STF a pagar uma indenização de R$ 310 mil ao ministro Gilmar Mendes, já foi usado como jurisprudência para justificar ao menos quatro outras sentenças. A informação é da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Segundo a entidade, todas as decisões foram tomadas até dezembro de 2021.

A Abraji afirma que a sentença contra Valente também foi utilizada como parâmetro de cálculo para danos morais em outros 10 processos pelo país. Para o jornalista, o uso do caso dele representa uma abertura grave no Judiciário.

“O precedente criado no meu caso é uma das consequências mais graves. Tanto sobre o conteúdo da condenação (meu livro não contém erro material nem ofensas) quanto sobre o valor, totalmente incomum”, afirma. O jornalista também cita que a ordem de publicar a íntegra da petição inicial e da condenação, em futuras reedições do livro, inviabiliza a obra e se trata de “violência intelectual”.

O advogado André Marsiglia, especialista em liberdade de expressão e imprensa, avalia que o processo contra Rubens Valente é um caso de censura. Para ele, isso é incompatível com o atual regime democrático.

“Impedir livros de serem republicados em suas versões originais, arbitrar indenizações desproporcionais, a tudo isso a melhor doutrina sobre o tema chama de chilling effect, ou efeito inibidor, que é quando não se censura abertamente, mas, ao inviabilizar a expressão plena, obtém-se o mesmo efeito. É a censura que come pelas beiradas. Devemos tratar, portanto, esse caso como um caso de censura, e censura não forma jurisprudência em um país democrático, menos ainda se vinda daqueles que possuem por ofício coibi-la”, diz.

Em todo o Brasil, magistrados abriram ao menos 60 processos contra veículos de imprensa, pedindo a retirada de conteúdos. Desse total, 81,6% foram concedidos. Gilmar Mendes é autor de 11 ações contra jornalistas, por danos morais.

Gilmar x Valente

O jornalista Rubens Valente foi obrigado pela Justiça a indenizar Gilmar Mendes por causa das informações publicadas sobre o ministro no livro “Operação Banqueiro”, que conta a história da Operação Satiagraha, que levou o dono do banco Opportunity, Daniel Dantas, à cadeia.

A obra mostra as ligações duvidosas que o banqueiro mantinha com diversas autoridades. Entre elas, estava Gilmar Mendes, que chegou a conceder habeas corpus ao empresário, apesar da aparência de proximidade que mantinham. O ministro não gostou da citação e foi à Justiça.

Gilmar perdeu o processo em primeira instância, mas recorreu e conseguiu reverter o resultado. Chegou a ter decisões favoráveis tomadas por colegas do STF que, em nenhum momento, se consideraram suspeitos para analisar o processo. O único que se absteve de votar foi Luís Roberto Barroso, que já teve altercações públicas com Mendes no plenário do STF.

Para a Abraji, a sentença contra Rubens Valente é um atentado à liberdade de imprensa. Dada a impossibilidade de recursos no Brasil, a entidade levou o caso à Corte Interamericana de Direitos Humanos. O processo foi aberto em parceria com as entidades internacionais Media Defence e Robert F. Kennedy Human Rights.

“Além de uma decisão que ameaça a liberdade de imprensa, chama a atenção a rapidez com que o jornalista foi executado a pagar a indenização, valor com o qual ele teve de arcar sozinho, uma vez que a editora condenada no caso, a Geração Editorial, não se manifestou. Assim, a pedido de Mendes, Valente foi considerado devedor solidário, sendo responsabilizado pelo pagamento integral da condenação”, afirmou a Abraji.

Bastidor entrou em contato com outras entidades representativas da imprensa, como a Fenaj, a ABI e a ANJ, mas elas não se manifestaram a respeito da decisão contra Rubens Valente. O jornalista disse que tem recebido apoio da Fenaj, dos sindicatos do Distrito Federal e de São Paulo e da ABI.

No dia 5 de maio, o presidente da Associação Nacional de Jornais, Marcelo Rech, esteve com o presidente do STF, Luiz Fux. Eles lançaram juntos uma exposição sobre a liberdade de imprensa, que pode ser visitada na Suprema Corte.

Advogado ligado a Luiz Marinho ganha força na véspera da votação de duas listas tríplices pelo TRF-3

Leia Mais

Coloca na planilha

17/06/2024 às 19:00

Supremo julga ação sobre previdência, a terceira com impacto no orçamento da União neste mês

Leia Mais

Projeto de renegociação da dívida dos estados é um desastre para o governo federal

Leia Mais

Mudança de posição de ministro do STJ dá chance para Itaú reverter sentença milionária desfavorável.

Leia Mais

Auditorias do TCU mostram que governo não sabe como gasta dinheiro do Minha Casa, Minha Vida.

Leia Mais

Queiroz Galvão, OAS e Brasília Guaíba são condenadas pelo TCU por superfaturarem obras da BR-448.

Leia Mais

Ministro Humberto Martins, do STJ, revê decisão e libera três leilões com bens da Viação Itapemirim.

Leia Mais

Atrasar com calma

14/06/2024 às 17:16

PF some depois de ganhar mais prazo para encerrar inquérito sobre suposta rachadinha de Janones.


Leia Mais

Bolsonaro insiste em ex-policial da Rota militar como vice de Ricardo Nunes em São Paulo

Leia Mais

Sanção ainda traz recomendação de intervenção administrativa e cassação da concessão

Leia Mais

O efeito Toffoli

14/06/2024 às 10:24

STJ livra dois acusados da Lava Jato porque decisão do ministro do STF anulou provas.

Leia Mais

AGU e CGU de Lula firmam acordo de leniência com empresa que admitiu pagar propina a chefes do MDB.

Leia Mais

Marcelo Odebrecht pede que se ignore pedidos da PGR e da Petrobras para suspender anulação de provas

Leia Mais

À espera da PF

13/06/2024 às 17:49

Decisões sobre caso de corrupção e visita do CNJ criam clima de medo no TJ da Bahia

Leia Mais

Líder do partido fica responsável por cuidar de projeto para substituir trapalhada de Haddad

Leia Mais