Bolsonaro blinda assessor indiciado pela PF

Nonato Viegas
Publicada em 03/02/2022 às 18:00
Chefe dos ajudantes de ordem de Jair Bolsonaro, Mauro Cid foi o único indiciado pela PF Foto: Reprodução

Único indiciado no inquérito que apura o vazamento de informações sigilosas por Jair Bolsonaro e pelo deputado Filipe Barros, o chefe dos ajudantes de ordem Mauro Cesar Barbosa Cid vai permanecer no cargo, de acordo com auxiliares do presidente.

Cid é tenente-coronel, uma patente da classe de oficiais superiores do Exército, e tem a confiança de Bolsonaro. Seu pai, o general Lorena Cid, exerce um cargo de confiança como chefe do escritório em Miami da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex).

O comando da Apex é disputada desde a sua criação, no governo Lula. Abriga cerca de duzentos funcionários e uma folha salarial de 115 milhões de reais anuais.

Os cargos mais bem remunerados estão nos escritórios dos Estado Unidos (São Francisco e Miami, o do pai do chefe dos ajudantes de ordem de Bolsonaro), China (Pequim e Xangai), União Europeia (Bruxelas), Rússia (Moscou) e Colômbia (Bogotá).

A promoção de Cid pai foi uma determinação do próprio presidente.

Eles se conheceram na Academia Militar das Agulhas Negras, no Rio de Janeiro. Cid pai dirigiu o Departamento de Educação do Exército, passando à reserva como general em 2019 justamente para assumir o escritório da Apex nos Estados Unidos.

Cid filho é especialista em Oriente Médio e doutor pela Escola de Comando e Estado Maior do Exército. Mas, de acordo com a Polícia Federal, nada de seu vasto conhecimento da estratégica região foi usado.

De acordo com a PF, Cid transferiu documentos sigilosos, inclusive com dados e informações sobre investigados na invasão hacker ao Tribunal Superior Eleitoral, sabendo se tratar de crime.

O receptor das informações sob sigilo foi seu irmão, Daniel Cid, responsável por publicar num site e uma rede social cujo servidor é baseado no exterior.

Segundo auxiliares do presidente, a forte relação familiar entre os Cid e Bolsonaro é o que garante a permanência do ajudante de ordens na função, apesar do indiciamento da Polícia Federal.

Para a PF, mais do que saber que cometia um crime, Cid organizou a documentação para que Bolsonaro pudesse transmiti-la na live.

A investigação descobriu que o tenente-coronel acessou os documentos em sua nuvem pessoal horas antes da transmissão pela internet, ao contrário do que ele afirmou em depoimento aos investigadores. Cid disse só ter visto a documentação durante a live.

André Mendonça, do STF, sugere que renegociação dos acordos de leniência envolva ajuda ao estado

Leia Mais

Aumentaram em 2024 as reclamações de deputados com o que chamam de “truculência” do parlamentar

Leia Mais

Castigada por chuvas impiedosas, a capital gaúcha também sofre com autoridades incompetentes.

Leia Mais

Supremo define tese que limita o uso da Justiça para constranger e atacar a imprensa

Leia Mais

Sangria estancada

22/05/2024 às 16:45

Depois de pedido da PGR, Fachin arquiva caso da Lava Jato contra Renan Calheiros e Romero Jucá

Leia Mais

Petrobras liberará acesso do Cade a informações sigilosas para ficar com cinco plantas

Leia Mais

Pressão de marido e aliados em favor de advogada incomoda desembargadores do TRF3

Leia Mais

Em conflito com governo do Pará, mineradora tenta retomar atividades em mina de níquel

Leia Mais

Ministro anula todos os atos da Lava Jato contra o empresário que virou

símbolo de corrupção.

Leia Mais

Moro sobrevive

21/05/2024 às 20:51

TSE decide manter o mandato do ex-juiz que comandou a operação Lava Jato.

Leia Mais

Idade ajudou José Dirceu a escapar de condenação. Demora na denúncia ajudou petista

Leia Mais

Primeira Turma do STF confirma denúncia contra Carla Zambelli e hacker e ri da conduta de ambos

Leia Mais

Aliados poupados

21/05/2024 às 12:30

Governistas consideram que, na articulação política, a missão da CPI da Braskem foi cumprida

Leia Mais

Empresários catarinenses que bancaram bloqueios em rodovias são denunciados pela PGR.

Leia Mais

Deputado busca votos de bolsonaristas para eleição na Câmara, mas não tem o aval de Bolsonaro

Leia Mais