Plataformas se omitem diante de ataques sistemáticos de Malafaia ao Supremo

Brenno Grillo
Publicada em 19/09/2021 às 06:00
Foto: Reprodução/Instagram

Apoiador de Jair Bolsonaro e principal fiador de André Mendonça ao Supremo, o pastor Silas Malafaia é uma das mais potentes - e carbonárias - vozes da opinião pública brasileira. Seus 8,2 milhões de seguidores, divididos entre YouTube, Facebook, Twitter e Instagram, recebem doses sistemáticas e cada mais intensas de diatribes contra o Supremo e seus ministros.

Ao contrário de outros expoentes bolsonaristas, Malafaia parece ter passe livre para dizer, em suas plataformas, coisas que conduziram seus aliados à cadeia e às barras do Supremo. Tanto as empresas em que ele distribui seu conteúdo quanto os tribunais superiores omitem-se em face dos ataques a ministros e até mesmo a alusões a golpe militar.

Malafaia está cada vez mais próximo do presidente - a tal ponto que aliados interpretam esse movimento como uma tentativa de se posicionar como possível vice de Bolsonaro em 2022. O pastor esteve ao lado do presidente nos protestos antidemocráticos de 7 de setembro. Sobe frequentemente em palanques com ele.

Recentemente, em entrevista à jornalista Leda Nagle, Malafaia desafiou Alexandre de Moraes a prendê-lo e voltou a pedir o impeachment do ministro. O pastor disse não ter "medo desse cara, não" e o chamou novamente de "ditador da toga". 

"Sabe qual a possibilidade de ele tocar em mim? De 0 a 100? Um! Porque ele sabe que mexer com liderança religiosa é uma casa de marimbondo com ferrão grande. Não que evangélico vá que quebrar nada. Mas a pressão sobre isso é gigante. Senador é voto majoritário e leva eleição com voto de evangélico. Não vai aguentar a pressão. Quero ver ele me prender [...] Pode vir do jeito que ele quiser que não tenho medo dele", disse o pastor no dia 8 de setembro.

Mesmo assim, as maiores empresas de tecnologia do mundo parecem não ligar muito para o que Malafaia diz. O Bastidor analisou as redes sociais do pastor e constatou que não há entre suas publicações qualquer vestígio de supressão ou advertência de que aquele conteúdo é ofensivo ou não condiz com a verdade. 

Questionadas, as quatro principais redes sociais usadas no Brasil afirmaram que não divulgam informações globais sobre exclusão de posts de determinados perfis, respondendo apenas sobre publicações pontuais.

Essa liberdade garante ao pastor o direito de fazer ilações proibidas aos seus colegas bolsonaristas. Uma delas é dizer que o STF nada fez sobre o atentado cometido por Adélio Bispo contra Bolsonaro na campanha presidencial de 2018 porque o presidente e a corte estão em lados opostos.

E não é só. Ao ter passe livre nas redes sociais, Malafaia também pode mandar Luís Roberto Barroso calar a boca, porque o ministro "não tem moral" para falar nada por já ter defendido, enquanto advogado, o terrorista Cesare Battisti.

Como já mostrou o Bastidor, Malafaia tirou o mês de agosto para atacar o STF - foi nesse período que Bolsonaro intensificou os ataques à corte. Em nome da liberdade, o pastor defendeu "forças armadas já" contra qualquer ministro "tirano". Essa postura agressiva contra a corte começou neste ano.

Publicações anteriores também mencionam decisões do STF, mas os temas são ligados aos costumes - muitas vezes com a homossexualidade em pauta e seu suposto direito de atacar pessoas pela orientação sexual. O pastor já chamou homossexuais de "cambada" ao dizer que "o ativismo gay mente, manipula, acusa sem provas" por não suportar o contraditório.

Também disse que evangélicos que vão à parada gay não representam a sua fé. E afirmou na mesma publicação ser "liberdade de expressão em um estado democrático de direito", não "ódio as pessoas" poder "discordar de uma prática, seja ela sexual, religiosa ou ideológica".

O Cade ficou com a tarefa inglória de investigar se os altos preços do gás são culpa da Petrobras. A empresa diz que segue valores de mercado e adota medidas para incentivar a concorrência - num setor que até pouco tempo atrás monopolizava de ponta a ponta.

Leia Mais

Exames poderão ser comprados em farmácias, mas não servem para fins de dispensa médica laboral ou para liberar passageiros em voos internacionais.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro consultou o advogado-geral da União, Bruno Bianco, sobre não depor pessoalmente à Polícia Federal, como determinou ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Ainda não se sabe se o presidente descumprirá a decisão do ministro. O depoimento é hoje, sexta, às 14h.

Leia Mais

A Anatel decidiu na noite de terça-feira (26) convocar uma sessão extraordinária, a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28), para discutir a compra da Oi.

Leia Mais

Na próxima quarta-feira, 2, ele se reúne com o Eduardo Paes, Carlos Lupi (PDT) e Gilberto Kassab (PDT), além dos pré-candidatos ao governo fluminense pelas legendas, Rodrigo Neves e Felipe Santa Cruz, para fechar uma aliança entre as legendas.

Leia Mais

Jair Bolsonaro terá que depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (28) debaixo de vara. Alexandre de Moraes determinou hoje (27) que presidente compareça às 14h, na Superintendência da PF em Brasília.

Leia Mais

Além de Rodrigo Cruz, atual número dois da pasta, que tem apoio de Tarcísio de Freitas e de parte do centrão, outros dois nomes surgiram com mais forças nas conversas no Planalto e no Congresso.

Leia Mais

O brasileiro assiste hidrelétricas jorrando água sem produzir energia, por conta dos aumentos dos reservatórios com as chuvas, enquanto o preço da conta de luz não cai. O motivo é o modelo de compra e venda da energia elétrica no país.

Leia Mais

Além do PSDB, que se reúne nesta quinta-feira, 27, para discutir a possibilidade de uma federação, o Cidadania tem negociado com o Podemos, o MDB e o PDT.

Leia Mais

Pasta orienta que pais em dúvida procurem um médico para verificar a existência de eventuais contraindicações ou comorbidades.

Leia Mais

Orientado por seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro João Roma que faça um pronunciamento para anunciar boas notícias na área social do governo.

Leia Mais

Anvisa vai se reunir na sexta-feira para definir a liberação dos exames feitos em casa

Leia Mais

Ao dizer ao Bastidor que as chances são mínimas de Sergio Moro migrar para o União Brasil, Renata Abreu, presidente do Podemos e deputada federal, foi realista ao conhecer sua própria bancada e a do partido aliado.

Leia Mais

Carta de Neil Young ao Spotify joga luz sobre o que pode ou não ser publicado no Spotify. Enquanto isso, a plataforma de áudio, segue muda, sem se posicionar.

Leia Mais

O Bastidor mostrou que Sergio Moro e sua equipe política analisam cinco nomes que podem ser o marqueteiro do ex-juiz na campanha eleitoral deste ano. Mas cada um tem um ponto específico que pode prejudicar a escolha.

Leia Mais