Plataformas se omitem diante de ataques sistemáticos de Malafaia ao Supremo

Brenno Grillo
Publicada em 19/09/2021 às 06:00
Foto: Reprodução/Instagram

Apoiador de Jair Bolsonaro e principal fiador de André Mendonça ao Supremo, o pastor Silas Malafaia é uma das mais potentes - e carbonárias - vozes da opinião pública brasileira. Seus 8,2 milhões de seguidores, divididos entre YouTube, Facebook, Twitter e Instagram, recebem doses sistemáticas e cada mais intensas de diatribes contra o Supremo e seus ministros.

Ao contrário de outros expoentes bolsonaristas, Malafaia parece ter passe livre para dizer, em suas plataformas, coisas que conduziram seus aliados à cadeia e às barras do Supremo. Tanto as empresas em que ele distribui seu conteúdo quanto os tribunais superiores omitem-se em face dos ataques a ministros e até mesmo a alusões a golpe militar.

Malafaia está cada vez mais próximo do presidente - a tal ponto que aliados interpretam esse movimento como uma tentativa de se posicionar como possível vice de Bolsonaro em 2022. O pastor esteve ao lado do presidente nos protestos antidemocráticos de 7 de setembro. Sobe frequentemente em palanques com ele.

Recentemente, em entrevista à jornalista Leda Nagle, Malafaia desafiou Alexandre de Moraes a prendê-lo e voltou a pedir o impeachment do ministro. O pastor disse não ter "medo desse cara, não" e o chamou novamente de "ditador da toga". 

"Sabe qual a possibilidade de ele tocar em mim? De 0 a 100? Um! Porque ele sabe que mexer com liderança religiosa é uma casa de marimbondo com ferrão grande. Não que evangélico vá que quebrar nada. Mas a pressão sobre isso é gigante. Senador é voto majoritário e leva eleição com voto de evangélico. Não vai aguentar a pressão. Quero ver ele me prender [...] Pode vir do jeito que ele quiser que não tenho medo dele", disse o pastor no dia 8 de setembro.

Mesmo assim, as maiores empresas de tecnologia do mundo parecem não ligar muito para o que Malafaia diz. O Bastidor analisou as redes sociais do pastor e constatou que não há entre suas publicações qualquer vestígio de supressão ou advertência de que aquele conteúdo é ofensivo ou não condiz com a verdade. 

Questionadas, as quatro principais redes sociais usadas no Brasil afirmaram que não divulgam informações globais sobre exclusão de posts de determinados perfis, respondendo apenas sobre publicações pontuais.

Essa liberdade garante ao pastor o direito de fazer ilações proibidas aos seus colegas bolsonaristas. Uma delas é dizer que o STF nada fez sobre o atentado cometido por Adélio Bispo contra Bolsonaro na campanha presidencial de 2018 porque o presidente e a corte estão em lados opostos.

E não é só. Ao ter passe livre nas redes sociais, Malafaia também pode mandar Luís Roberto Barroso calar a boca, porque o ministro "não tem moral" para falar nada por já ter defendido, enquanto advogado, o terrorista Cesare Battisti.

Como já mostrou o Bastidor, Malafaia tirou o mês de agosto para atacar o STF - foi nesse período que Bolsonaro intensificou os ataques à corte. Em nome da liberdade, o pastor defendeu "forças armadas já" contra qualquer ministro "tirano". Essa postura agressiva contra a corte começou neste ano.

Publicações anteriores também mencionam decisões do STF, mas os temas são ligados aos costumes - muitas vezes com a homossexualidade em pauta e seu suposto direito de atacar pessoas pela orientação sexual. O pastor já chamou homossexuais de "cambada" ao dizer que "o ativismo gay mente, manipula, acusa sem provas" por não suportar o contraditório.

Também disse que evangélicos que vão à parada gay não representam a sua fé. E afirmou na mesma publicação ser "liberdade de expressão em um estado democrático de direito", não "ódio as pessoas" poder "discordar de uma prática, seja ela sexual, religiosa ou ideológica".

A tentativa de Carla Zambelli de incluir o hacker Walter Delgatti na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro desagradou a ala política e profissional do comitê, especialmente Valdemar Costa Neto, dono do PL.

Leia Mais

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais