Ao suspender decretos das armas, Moraes diz que política de Bolsonaro ajuda o crime organizado

Brenno Grillo
Publicada em 17/09/2021 às 14:40
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Alexandre de Moraes, ao suspender os decretos de Jair Bolsonaro que flexibilizam a compra de armas e dificultam o rastreio desses armamentos e suas munições, disse que a política armamentista presidencial ajuda o crime organizado. 

"A maior circulação de armas e munições – se não for acompanhada por regulamentação adequada – terá inevitável efeito sobre a circulação ilícita de armas em favor da criminalidade organizada", disse o ministro ao conceder a liminar.

Segundo ele, o desvio de armas e munições "para organizações criminosas é um fato já conhecido e fartamente documentado".

Moraes também destacou que cabe ao Estado brasileiro "prevenir e reprimir o comércio ilegal de armas de fogo e a criminalidade organizada" porque a "eficiência na prestação da atividade de segurança pública é garantia essencial para a estabilidade democrática no País".

Outro ponto mencionado pelo ministro foi o impacto negativo nas atividades policiais - bandeira que Bolsonaro diz defender. Os atos agora suspensos, afirmou Moraes, produzem "um resultado incongruente e incompatível com o princípio da eficiência, no contexto das políticas de segurança pública".

Vale lembrar que Moraes tem experiência com segurança pública. Foi secretário de Justiça de São Paulo (2015-2016) e deixou o cargo para ser ministro da Justiça no governo Temer (2016-2017).