Exclusivo

Google tem acesso irrestrito a backups do WhatsApp, revelam documentos inéditos da Alphabet

Brenno Grillo
Publicada em 22/10/2021 às 19:20

O Google tem acesso às informações trocadas via WhatsApp - diálogos de texto e arquivos de áudio, vídeo e imagem - que são salvas no Google Drive de 750 milhões de pessoas que usam celulares Android. Além disso, a empresa mentiu aos seus usuários sobre a privacidade dessas comunicações e dos dados derivados delas. Na teoria, as informações salvas - os chamados backups - do WhatsApp, um serviço do Facebook, em aparelhos Android seriam protegidas por criptografia na nuvem do Google. Na prática, graças a um acordo com o Facebook, o Google sempre teve a chave de acesso a esses dados.

Os detalhes da admissão, incluindo os tipos de arquivos potencialmente acessados pelo Google nos backups de WhatsApp (todos), são inéditos e constam em memorandos internos do Google. Eles foram apresentados por procuradores-gerais de diversos estados dos EUA em ação movida contra a empresa em Nova York. Os procuradores acusam o Google de ferir a lei ao manter práticas anticompetitivas no mercado de negociação de publicidade online - de promover, em síntese, um monopólio desse mercado. Trata-se de uma investigação ampla, com múltiplas ramificações. O Bastidor teve acesso à integra do processo.

Com autorização judicial, a coalizão de procuradores americanos teve acesso a documentos internos do Google e do Facebook. Hoje (sexta, 22 de outubro), atendendo ao interesse público, o juiz do processo principal - o leading case - permitiu às autoridades reapresentar à corte a peça inicial do caso sem omitir com tarjas os documentos internos do Google. A empresa lutou até o último momento para impedir a retirada das restrições - das tarjas - dos memorandos obtidos pelos procuradores. O Facebook teve êxito nesse sentido.

Sem as tarjas, a peça inicial dos procuradores é ainda mais devastadora. No documento, as autoridades norte-americanas afirmam que o Google não viu "problema em violar a privacidade de quase 1 bilhão de usuários desde que isso ajudasse a crescer seu negócio".

O total citado pelas autoridades refere-se aos mais de 750 milhões de donos de celulares com sistema Android que usam a ferramenta de backup do WhatsApp. O acordo entre Google e Facebook, para salvar as conversas feitas no aplicativo de mensagens, foi firmado em 2015.

À época, a informação oficial era de que a criptografia de ponta a ponta do WhatsApp assegurava que apenas os titulares das contas teriam acesso às conversas e a outros conteúdos enviados. Isso incluiria o backup no Google Drive. Mas, em 2016, um memorando do próprio Google expõe que essa privacidade nunca existiu - não quando os dados estavam na nuvem da empresa.

Diz um dos memorandos do Google: "Todas as informações de conversas de WhatsApp salvas no [Google] Drive estão atualmente encriptadas com o Google segurando as chaves... Isso significa que que o Google, como terceiro ator, pode, de fato, acessar fotos, vídeos e áudios que usuários compartilham privativamente no WhatsApp".

Segundo as autoridades dos EUA, o Google, mesmo sabendo dessa violação de privacidade, nada fez para informar as pessoas ou solucionar o problema. Ao contrário: lucrou com essa expectativa de privacidade, dizem os procuradores. Em outro memorando, a empresa disse que as afirmações de que as conversas no WhatsApp são criptografadas de ponta a ponta "não são totalmente precisas".

“Eles [WhatsApp] falharam ao elaborar que a informação compartilhada pelo WhatsApp com uma terceira parte na prestação do serviço não tem a mesma garantia. Isso inclui o backup no WhatsApp", complementa o Google, no documento citado pelos procuradores.

Dados apresentados no processo mostram que, em 2016, 434 milhões de pessoas salvavam no Google Drive suas conversas via WhatsApp e que a estrutura do Google armazenava 345 bilhões de arquivos arquivados a partir desses trocas de mensagens. Em maio de 2017, 750 milhões de novos backups do WhatsApp foram criados no Google Drive em dispositivos Android.

Os procuradores acusam o Google de manipular deliberadamente o público sobre a privacidade dos dados de WhatsApp armazenados no Drive. Citam um post de 2015 no blog do Google em que a empresa frisava a criptografia do serviço do Facebook e a privacidade oferecida por ela. Segundo os procuradores, o Google omitiu a capacidade de acessar o backup de dados de WhatsApp de todas as maneiras: nos termos de uso, na política de privacidade e em seus sites. As autoridades afirmam que o Google tinha condições de acessar as comunicações de WhatsApp de seus usuários para vender anúncios.

Em nota ao Bastidor, o WhatsApp diz que explica "claramente no aplicativo que esses backups não estão protegidos por criptografia de ponta a ponta". Afirma ainda que "outras mensagens claras são fornecidas no aplicativo que informam os usuários disso antes que eles criem um backup". 

Atualização às 21h24 de 23 de outubro: a assessoria do Google enviou uma nota ao Bastidor acerca das acusações. Segue o texto: “O fato de o procurador-geral do Texas dizer uma coisa não torna esta alegação necessariamente verdadeira. Entendemos que o processo está repleto de imprecisões. Na verdade, nossas ferramentas de publicidade ajudam sites e aplicativos a financiar seus conteúdos e permite que pequenos negócios alcancem seus clientes ao redor do mundo. Há uma forte competição no mercado de publicidade online, que tem reduzido as taxas de serviço das ad techs, e aumentado as opções para os anunciantes e publishers. Nós vamos continuar nos defendendo das alegações infundadas da Procuradoria na Justiça. Também temos sido claros sobre nosso apoio a regras de privacidade de forma consistente, em todo o mundo. Há anos, por exemplo, pedimos ao Congresso dos Estados Unidos que aprove uma legislação federal de privacidade de dados".

A entrada de Sergio Moro na disputa presidencial com dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto preocupou pedetistas, que passaram a pressionar o presidente da legenda, Carlos Lupi, a formar uma aliança com o ex-presidente Lula.

Leia Mais

A principal avaliação do ex-governador Geraldo Alckmin para definir onde se filiar é se terá alianças que lhe garanta uma candidatura competitiva ao governo do estado de São Paulo.

Leia Mais

Ao lado de Arthur Lira, o presidente do Senado disse ao tribunal ser impossível identificar quais parlamentares patrocinaram cada uma das emendas RP9, que compõem o orçamento secreto. 

Leia Mais

Futuro presidente do União Brasil, resultado da fusão entre o PSL e o DEM, Luciano Bivar informou a ACM Neto e ao ex-ministro Luiz Henrique Mandetta seu desejo de disputar a Presidente da República pelo novo partido.

Leia Mais

Fernando Collor escapou do STF. A corte não terminou de julgar hoje as ações sobre o marco do saneamento e o caso em que o senador é acusado de receber propina para influenciar decisões da BR Distribuidora será julgado em data ainda indefinida.

Leia Mais

A 2ª Turma do STF pode decidir na próxima terça-feira (30) o destino da investigação do MPRJ contra Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas em seu gabinete quando estava na Alerj. A decisão sobre o caso no colegiado já foi adiada duas vezes: uma por Gilmar Mendes e outra por Kassio Nunes Marques.

Leia Mais

Um deputado da base aliada notou a diferença de tratamento dado nessa semana ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Leia Mais

A fé de Kassab

25/11/2021 às 15:31

Gilberto Kassab tem um ritual diário: garantir a interlocutores políticos que é real e genuína sua fé na candidatura de Rodrigo Pacheco à Presidência.

Leia Mais

A pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência da República é um movimento dos chefes do MDB para fortalecer o partido nas negociações eleitorais de 2022.

Leia Mais

O TCU exigiu ontem (24) que União, governo de Mato Grosso e prefeitura de Cuiabá a se entendam em até 60 dias e decidam o destino do VLT (prometido para a Copa de 2014) que ligaria o aeroporto internacional, em Várzea Grande, à capital do estado. A obra iniciada em 2012 está parada há quase 7 anos sem previsão de solução.

Leia Mais

Arthur Lira e Rodrigo Pacheco voltaram a um nível de entendido desde a semana passada: o de que é preciso preservar ocultos os nomes de parlamentares beneficiados com as emendas secretas, as chamadas RP9.

Leia Mais

O julgamento das ações que discutem trechos do Marco Legal do Saneamento começa efetivamente, como a leitura do voto do relator, Luiz Fux. Fontes do setor privado ouvidas pelo Bastidor esperam uma vitória "de lavada" no STF.

Leia Mais

Empresários brasileiros não se preocupam com a proeminência cada vez maior que Xi Jinping tem tido no Partido Comunista Chinês. Fontes ligadas tanto ao setor privado brasileiro quanto ao governo chinês disseram ao Bastidor que a prioridade do empresariado é reforçar os laços comerciais.

Leia Mais

A determinação de Arthur Lira para aprovar brevemente a PEC que aumenta a idade de 65 para 70 anos a idade máxima de nomeação de juízes e ministros dos tribunais superiores é fruto de uma articulação para barrar o nome de André Mendonça.

Leia Mais

Frederick Wassef e o senador Flávio comemoram - houve até festa em estilo havaiano - desde o fim de semana: cumpriu-se a profecia do conselheiro da família Bolsonaro.

Leia Mais