Carlinhos e Max usaram a mesma estrutura de lavagem de dinheiro em 2020

Publicada em 06/10/2021 às 14:00
Foto: Reprodução-GDF

A VTCLog de Carlos Alberto de Sá usou a estrutura de lavagem de dinheiro dos irmãos Zebral (ex-donos da churrascaria Porcão) no segundo semestre do ano passado, segundo informações bancárias em posse da CPI da Pandemia e da PF obtidas pelo Bastidor. A CPI e a PF investigam se as empresas de Nilvan Rodrigues e Helder serviram para que Carlinhos e outro empresários com contratos no governo dissimulassem repasses a agentes públicos.

Os irmãos Zebral são donos de quatro empresas de cobrança: Fênix Cobrança, Resende Cobrança e Assessoria Financeira, JP Cobrança e Assessoria Financeira e a Invest Factoring Fomento Mercantil - todas sediadas em Luziânia (GO).

Além da VTCLog, a Fênix recebeu R$ 994 mil da 6M Participações - empresa de Francisco Maximiano, dono da Global Gestão em Saúde e lobista da Precisa Medicamentos. 

O valor foi transferido no segundo semestre de 2020, mesmo período em que a 6M Participações transacionou com a JP Cobrança, que por sua vez operou com a Precisa Medicamentos.

Além de ter sido dono do Porcão, Helder Zebral foi citado em investigações sobre Carlinhos Cachoeira como sócio do ex-governador de Goiás Marconi Perillo.

Ele foi condenado em 2014 por improbidade após a descoberta de favorecimento do Instituto de Tecnologia Aplicada à Informação - gerenciado por Zebral - em licitações para comprar material de informática em Encruzilhada do Sul (RS) e em Novo Gama (GO).