Dimas Covas diz que não é possível divulgar gastos da ButanVac

Publicada em 14/05/2022 às 06:00
Dimas Covas, João Doria e Jeancarlo Gorinchteyn, secretário de Saúde de SP no dia do lançamento da vacina Foto: Divulgação/Governo de São Paulo

Cinco meses depois de o Bastidor solicitar ao Instituto Butantan uma resposta via Lei de Acesso à Informação, o presidente da entidade, Dimas Covas, afirmou que não é possível divulgar o investimento feito para desenvolver a vacina ButanVac, prometida por João Doria em meados de 2021.

Em documento enviado à reportagem, Covas afirma que não houve gastos públicos com o desenvolvimento da ButanVac. "No tocante ao desenvolvimento de vacina candidata, os dispêndios financeiros ocorridos, não utilizaram como fonte de receita do erário, o ingresso e respectivo ônus deu-se exclusivamente por disponibilização financeira da entidade fundacional de apoio, qual seja a Fundação Butantan", afirmou o diretor.

Em fevereiro, o Bastidor mostrou que os gastos sobre a nova vacina não tinham sido divulgados. O Instituto diz que os recursos foram obtidos por meio de doações realizadas à Fundação, que é uma entidade privada.

Entidades distintas

Apesar de terem o mesmo nome, a Fundação e o Instituto são coisas diferentes. A primeira serve para receber e repassar doações de entidades privadas ao Instituto, que organiza as pesquisas e as vendas de vacinas, remédios e outros produtos.

A Fundação Butantan é uma entidade da sociedade civil, sem fins lucrativos. O atual diretor é Rui Curi.

Já o Instituto Butantan está vinculado diretamente ao governo de São Paulo. O atual diretor é Dimas Covas, que chegou ao posto indicado pelo ex-governador João Doria.

Dados da Fundação Butantan mostram que a entidade recebeu, de junho de 2020, a julho de 2021, 2,1 milhões de reais em doações para uso em estudos clínicos. Na página, não há detalhamento de como esse dinheiro foi repassado ao Instituto Butantan.

Promessa de Doria

A ButanVac foi anunciada com pompa em meados de 2021, no auge da pandemia. A vacina prometia ser mais barata que outras disponíveis no mercado e teria tecnologia 100% brasileira, apesar de os estudos serem realizados também em outros países.

O imunizante usa uma tecnologia semelhante à da vacina da gripe, a partir de claras de ovos, para ser reproduzida e injetada nas pessoas.

O estudo, porém, teve uma série de contratempos. Entre eles, o avanço da vacinação no Brasil com outras vacinas. As mais usadas por aqui, como se sabe, foram a da AstraZeneca – feita pela Fiocruz –, da Pfizer, da Janssen e a CoronaVac, produzida pelo Butantan. Com mais pessoas vacinadas, foi preciso alterar os critérios de análise.

Os resultados iniciais mostraram que a vacina é segura para ser aplicada em humanos. Os testes continuam, mas não há prazo para que o imunizante chegue ao mercado.

Doação de vacinas

Nesta semana, o Congresso aprovou uma lei que permite ao governo federal doar vacinas a outros países. O objetivo é ajudar para que a Organização Mundial da Saúde cumpra a meta de vacinar ao menos 70% de toda a população mundial. O número de doses a serem repassadas será definido pelo governo federal, a depender da disponibilidade de imunizantes.

Leia a íntegra da resposta de Dimas Covas ao Bastidor

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais