Análise: Dimas Covas distorce estudo sobre Coronavac

Diego Escosteguy
Publicada em 12/01/2022 às 21:17
Dimas Covas em coletiva do governo de São Paulo Foto: Futura Press/Folhapress

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, distorceu hoje (12) um estudo que tentou identificar o desempenho da Coronavac frente à variante ômicron. Dimas e o Butantan venderam que o tal estudo demonstra que a vacina da Sinovac "neutraliza" a ômicron - e a combate melhor do que o imunizante da Pfizer. A informação causou confusão no público e perplexidade na comunidade científica.

Falho e limitado, o pequeno estudo não permite a conclusão apresentada pelo chefe do Butantan. É difícil supor que Dimas Covas, um profissional qualificado, não saiba disso.

O estudo em questão foi feito por pesquisadores chineses. Em síntese, eles apontaram que vinte amostras de plasma de pessoas imunizadas com duas doses de Coronavac apresentaram perda de anticorpos neutralizantes contra a ômicron na ordem de 12,5 vezes. Numa decisão metodológica heterodoxa, sem explicação, resolveram excluir do cálculo quaisquer amostras com anticorpos abaixo de determinado nível.

Em seguida, fizeram um comentário cientificamente absurdo, no qual comparam laranjas com bananas. Citaram dois estudos distintos para afirmar que os resultados mostravam que a Coronavac apresentava menor perda de anticorpos contra a ômicron do que a vacina da Pfizer. Esse trecho facilitou o corolário enganoso de que, em suma, a Coronavac protege mais ("neutraliza") do que a Pfizer contra a ômicron.

Por definição, é evidente que os outros estudos citados pelos pesquisadores chineses usaram outras amostras e metodologias absolutamente distintas. Basta verificar as pesquisas. São incomparáveis.

Os autores do estudo citado hoje pelo Butantan também não mencionaram que vacinas de RNA mensageiro, como a da Pfizer, tendem a produzir mais anticorpos do que as de vírus inativado, como a Coronavac. A alegada perda menor de potência da Coronavac, caso proceda, não compensa o número absoluto de anticorpos produzidos pela vacina da Pfizer.

Imunologistas consultados pelo Bastidor confirmaram as aparentes falhas primárias do estudo chinês e a conclusão distorcida de Dimas Covas.

A imunologia ensina que não é possível falar de eficácia ou efetividade de vacinas meramente por meio de estudos laboratoriais, como o dos pesquisadores chineses. Nesse sentido, eles têm serventia limitada, de sugerir caminhos para novas pesquisas. O comportamento do vírus in vitro -no caso, pseudovírus, criados artificialmente - não se compara com o comportamento do vírus vivo.

Ademais, a imunidade não se resume a anticorpos. A chamada resposta imune é mais complexa - e isso não é diferente no caso do coronavírus. Envolve a ação de anticorpos e de células T e B frente, por exemplo, a um vírus. A participação das células T e B no combate ao patógeno é frequentemente esquecida, apesar da extrema relevância delas. (É mais simples tentar medir anticorpos em laboratório do que estudar a ação complexa dessas células.)

Após um ano de aplicação ao redor do mundo, a Coronavac mostrou-se uma vacina segura. Ainda há dúvidas sobre sua real efetividade, embora seja certo que ela oferece proteção contra o coronavírus original e as variantes dele.

É irrefutável, porém, que a comunidade científica e médica acumula evidências de que vacinas de RNA mensageiro tendem a oferecer um nível de proteção ainda mais elevado. O mesmo vale para vacinas de adenovírus modificado, como a da AstraZeneca e a da Janssen.

Em vez de comparar efetividade de vacinas, os cientistas sérios estão ocupados em descobrir quais os esquemas de imunização mais adequados a cada população ou país. Isso envolve pesquisar combinação de vacinas distintas, assim como o uso de doses de reforço - e com qual frequência. O comportamento de gestores como Dimas Covas não contribui para esse debate e para a evolução do entendimento sobre as melhores maneiras de imunizar os brasileiros.

O Cade ficou com a tarefa inglória de investigar se os altos preços do gás são culpa da Petrobras. A empresa diz que segue valores de mercado e adota medidas para incentivar a concorrência - num setor que até pouco tempo atrás monopolizava de ponta a ponta.

Leia Mais

Exames poderão ser comprados em farmácias, mas não servem para fins de dispensa médica laboral ou para liberar passageiros em voos internacionais.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro consultou o advogado-geral da União, Bruno Bianco, sobre não depor pessoalmente à Polícia Federal, como determinou ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Ainda não se sabe se o presidente descumprirá a decisão do ministro. O depoimento é hoje, sexta, às 14h.

Leia Mais

A Anatel decidiu na noite de terça-feira (26) convocar uma sessão extraordinária, a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28), para discutir a compra da Oi.

Leia Mais

Na próxima quarta-feira, 2, ele se reúne com o Eduardo Paes, Carlos Lupi (PDT) e Gilberto Kassab (PDT), além dos pré-candidatos ao governo fluminense pelas legendas, Rodrigo Neves e Felipe Santa Cruz, para fechar uma aliança entre as legendas.

Leia Mais

Jair Bolsonaro terá que depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (28) debaixo de vara. Alexandre de Moraes determinou hoje (27) que presidente compareça às 14h, na Superintendência da PF em Brasília.

Leia Mais

Além de Rodrigo Cruz, atual número dois da pasta, que tem apoio de Tarcísio de Freitas e de parte do centrão, outros dois nomes surgiram com mais forças nas conversas no Planalto e no Congresso.

Leia Mais

O brasileiro assiste hidrelétricas jorrando água sem produzir energia, por conta dos aumentos dos reservatórios com as chuvas, enquanto o preço da conta de luz não cai. O motivo é o modelo de compra e venda da energia elétrica no país.

Leia Mais

Além do PSDB, que se reúne nesta quinta-feira, 27, para discutir a possibilidade de uma federação, o Cidadania tem negociado com o Podemos, o MDB e o PDT.

Leia Mais

Pasta orienta que pais em dúvida procurem um médico para verificar a existência de eventuais contraindicações ou comorbidades.

Leia Mais

Orientado por seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro João Roma que faça um pronunciamento para anunciar boas notícias na área social do governo.

Leia Mais

Anvisa vai se reunir na sexta-feira para definir a liberação dos exames feitos em casa

Leia Mais

Ao dizer ao Bastidor que as chances são mínimas de Sergio Moro migrar para o União Brasil, Renata Abreu, presidente do Podemos e deputada federal, foi realista ao conhecer sua própria bancada e a do partido aliado.

Leia Mais

Carta de Neil Young ao Spotify joga luz sobre o que pode ou não ser publicado no Spotify. Enquanto isso, a plataforma de áudio, segue muda, sem se posicionar.

Leia Mais

O Bastidor mostrou que Sergio Moro e sua equipe política analisam cinco nomes que podem ser o marqueteiro do ex-juiz na campanha eleitoral deste ano. Mas cada um tem um ponto específico que pode prejudicar a escolha.

Leia Mais