Alckmin ficará no PSDB

Publicada em 01/05/2021 às 06:00
Foto: Bruno Santos/Folhapress

As conversas do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, com representantes de outros partidos são jogo de cena. Ele vai se candidatar ao governo de São Paulo em 2022. Político há muito tempo, ele gosta de falar com muita gente e sempre vai fazer isso, mas o que vai decidir seu futuro é a análise do contexto tucano que ele comenta com os colegas mais próximos do PSDB.

Alckmin vê o governador João Dória Júnior obcecado com a candidatura a presidente no ano que vem. A favor dela, há a postura na defesa da vacina Coronavac produzida no Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac. Esse é seu maior ativo contra Jair Bolsonaro que apostou no negacionismo e deve estar arrependido.

Dentro do partido, os nomes que podem lutar pela candidatura a presidente não estão mostrando força suficiente para derrotar Dória. São os casos do governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite e do senador Tasso Jereissati.

Nesse contexto, Alckmin já é o virtual candidato ao Palácio dos Bandeirantes pelo PSDB e as conversas com outros partidos, como diz um conselheiro muito próximo dele, não podem ser chamadas de Plano B.

Geraldo Alckmin não diz, mas sente que deixar o partido para concorrer ao governo paulista é humilhação para quem fundou o PSDB e tem uma avaliação invejável de muitos eleitores.