MPF de São Paulo exige das redes sociais uma transparência que não pratica

Brenno Grillo
Publicada em 06/01/2022 às 18:53
Foto: Reprodução/MPF de São Paulo

O MPF de São Paulo está investigando empresas de redes sociais com sede no Brasil para saber o que elas têm feito para combater mentiras e negacionismo em suas plataformas. Mas o órgão não pratica a transparência que exige dessas companhias por meio de uma apuração civil.

A investigação começou em novembro de 2021 e envolve YouTube, TikTok, Twitter, Instagram, Facebook, Telegram e WhatsApp. O procurador Yuri Corrêa da Luz, ao abrir a apuração (e avisar STF e TSE que o fez), exigiu dessas empresas as seguintes informações:

  • Como têm combatido mentiras em suas redes sociais;
  • As ferramentas disponibilizadas para que os usuários denunciem publicações falsas;
  • Quais os critérios para exclusão de conteúdo enganoso; e
  • As regras que regem o convívio das pessoas no ambiente digital que oferecem.

Hoje, Luz fez novo pedido ao Twitter. Repetiu exigências anteriores e acrescentou os critérios usados pela rede social para fazer a chamada verificação - que é quando um perfil é confirmado como autêntico pela empresa.

Mas Luz, ao ser questionado pelo Bastidor sobre detalhes da apuração e quais documentos já foram enviados, disse (via a assessoria de imprensa do MPF) que não se manifestará sobre o caso nem dar informações sobre o material recebido até agora.

Argumentou que não quer atrapalhar a investigação - o material também está indisponível no site do órgão, na pesquisa digital de inquéritos. Mas a investigação foi anunciada pelo MPF no seu início, inclusive no site do órgão. É uma apuração civil simples do ponto de vista formal. Não requer o sigilo óbvio das investigações penais tradicionais.

Manifestação após pressão

O novo ofício do MPF foi motivado pela pressão de usuários do Twitter ontem (5), após o perfil Te Atualizei, da influenciadora digital bolsonarista Barbara, ter recebido selo de verificação da plataforma. A repercussão da hashtag #TwitterApoiaFakeNews fez com que a empresa se manifestasse.

O Twitter tenta dizer que combate mentiras sem que isso se torne censura. Em momento algum responde os motivos de dificultar a denúncia de conteúdos mentirosos, apenas justifica o motivo de não excluí-los:

"Desde março de 2020, o Twitter possui uma política para tratar informações enganosas sobre Covid-19. Ela não prevê a atuação em todo conteúdo inverídico ou questionável sobre a pandemia, mas em Tweets que possam expor as pessoas a mais risco de contrair ou transmitir a doença. Nossa abordagem a desinformação vai além de manter ou retirar conteúdos e contas do ar. O Twitter tem o desafio de não arbitrar a verdade e dar às pessoas que usam o serviço o poder de expor, contrapor e discutir perspectivas. Isso é servir à conversa pública."

Atualização: a manifestação do Twitter foi incluída no texto às 20h10 do dia 6 de janeiro de 2022.

O Cade ficou com a tarefa inglória de investigar se os altos preços do gás são culpa da Petrobras. A empresa diz que segue valores de mercado e adota medidas para incentivar a concorrência - num setor que até pouco tempo atrás monopolizava de ponta a ponta.

Leia Mais

Exames poderão ser comprados em farmácias, mas não servem para fins de dispensa médica laboral ou para liberar passageiros em voos internacionais.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro consultou o advogado-geral da União, Bruno Bianco, sobre não depor pessoalmente à Polícia Federal, como determinou ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Ainda não se sabe se o presidente descumprirá a decisão do ministro. O depoimento é hoje, sexta, às 14h.

Leia Mais

A Anatel decidiu na noite de terça-feira (26) convocar uma sessão extraordinária, a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28), para discutir a compra da Oi.

Leia Mais

Na próxima quarta-feira, 2, ele se reúne com o Eduardo Paes, Carlos Lupi (PDT) e Gilberto Kassab (PDT), além dos pré-candidatos ao governo fluminense pelas legendas, Rodrigo Neves e Felipe Santa Cruz, para fechar uma aliança entre as legendas.

Leia Mais

Jair Bolsonaro terá que depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (28) debaixo de vara. Alexandre de Moraes determinou hoje (27) que presidente compareça às 14h, na Superintendência da PF em Brasília.

Leia Mais

Além de Rodrigo Cruz, atual número dois da pasta, que tem apoio de Tarcísio de Freitas e de parte do centrão, outros dois nomes surgiram com mais forças nas conversas no Planalto e no Congresso.

Leia Mais

O brasileiro assiste hidrelétricas jorrando água sem produzir energia, por conta dos aumentos dos reservatórios com as chuvas, enquanto o preço da conta de luz não cai. O motivo é o modelo de compra e venda da energia elétrica no país.

Leia Mais

Além do PSDB, que se reúne nesta quinta-feira, 27, para discutir a possibilidade de uma federação, o Cidadania tem negociado com o Podemos, o MDB e o PDT.

Leia Mais

Pasta orienta que pais em dúvida procurem um médico para verificar a existência de eventuais contraindicações ou comorbidades.

Leia Mais

Orientado por seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro João Roma que faça um pronunciamento para anunciar boas notícias na área social do governo.

Leia Mais

Anvisa vai se reunir na sexta-feira para definir a liberação dos exames feitos em casa

Leia Mais

Ao dizer ao Bastidor que as chances são mínimas de Sergio Moro migrar para o União Brasil, Renata Abreu, presidente do Podemos e deputada federal, foi realista ao conhecer sua própria bancada e a do partido aliado.

Leia Mais

Carta de Neil Young ao Spotify joga luz sobre o que pode ou não ser publicado no Spotify. Enquanto isso, a plataforma de áudio, segue muda, sem se posicionar.

Leia Mais

O Bastidor mostrou que Sergio Moro e sua equipe política analisam cinco nomes que podem ser o marqueteiro do ex-juiz na campanha eleitoral deste ano. Mas cada um tem um ponto específico que pode prejudicar a escolha.

Leia Mais