MPF de São Paulo exige das redes sociais uma transparência que não pratica

Brenno Grillo
Publicada em 06/01/2022 às 18:53
Foto: Reprodução/MPF de São Paulo

O MPF de São Paulo está investigando empresas de redes sociais com sede no Brasil para saber o que elas têm feito para combater mentiras e negacionismo em suas plataformas. Mas o órgão não pratica a transparência que exige dessas companhias por meio de uma apuração civil.

A investigação começou em novembro de 2021 e envolve YouTube, TikTok, Twitter, Instagram, Facebook, Telegram e WhatsApp. O procurador Yuri Corrêa da Luz, ao abrir a apuração (e avisar STF e TSE que o fez), exigiu dessas empresas as seguintes informações:

  • Como têm combatido mentiras em suas redes sociais;
  • As ferramentas disponibilizadas para que os usuários denunciem publicações falsas;
  • Quais os critérios para exclusão de conteúdo enganoso; e
  • As regras que regem o convívio das pessoas no ambiente digital que oferecem.

Hoje, Luz fez novo pedido ao Twitter. Repetiu exigências anteriores e acrescentou os critérios usados pela rede social para fazer a chamada verificação - que é quando um perfil é confirmado como autêntico pela empresa.

Mas Luz, ao ser questionado pelo Bastidor sobre detalhes da apuração e quais documentos já foram enviados, disse (via a assessoria de imprensa do MPF) que não se manifestará sobre o caso nem dar informações sobre o material recebido até agora.

Argumentou que não quer atrapalhar a investigação - o material também está indisponível no site do órgão, na pesquisa digital de inquéritos. Mas a investigação foi anunciada pelo MPF no seu início, inclusive no site do órgão. É uma apuração civil simples do ponto de vista formal. Não requer o sigilo óbvio das investigações penais tradicionais.

Manifestação após pressão

O novo ofício do MPF foi motivado pela pressão de usuários do Twitter ontem (5), após o perfil Te Atualizei, da influenciadora digital bolsonarista Barbara, ter recebido selo de verificação da plataforma. A repercussão da hashtag #TwitterApoiaFakeNews fez com que a empresa se manifestasse.

O Twitter tenta dizer que combate mentiras sem que isso se torne censura. Em momento algum responde os motivos de dificultar a denúncia de conteúdos mentirosos, apenas justifica o motivo de não excluí-los:

"Desde março de 2020, o Twitter possui uma política para tratar informações enganosas sobre Covid-19. Ela não prevê a atuação em todo conteúdo inverídico ou questionável sobre a pandemia, mas em Tweets que possam expor as pessoas a mais risco de contrair ou transmitir a doença. Nossa abordagem a desinformação vai além de manter ou retirar conteúdos e contas do ar. O Twitter tem o desafio de não arbitrar a verdade e dar às pessoas que usam o serviço o poder de expor, contrapor e discutir perspectivas. Isso é servir à conversa pública."

Atualização: a manifestação do Twitter foi incluída no texto às 20h10 do dia 6 de janeiro de 2022.

De olho em enfrentar Lula em 2026, governador de Goiás espalha campanha que une segurança e negócios

Leia Mais

Fechem a torneira

19/07/2024 às 14:05

AGU pede ao STF suspensão do leilão da Sabesp por conflito de interesses e valor subestimado.

Leia Mais

Desempenho na segunda fase da venda das ações faz da privatização da estatal um sucesso

Leia Mais
Exclusivo

Um erro de 420 milhões

19/07/2024 às 06:00

Perda de prazo da PGFN dá à Dufry e ao advogado Sergio Bermudes precatório de quase meio bilhão.

Leia Mais

Defesa de Duque recorre ao ministro para evitar prisão por corrupção e lavagem na Petrobras.

Leia Mais

Por mim, libera

18/07/2024 às 19:50

Gonet diz que não é possível avaliar com calma a ação do PT contra a privatização da Sabesp.

Leia Mais

TSE muda de ideia e decide enviar observadores à eleição, o que evita um erro crasso do Brasil

Leia Mais

Expliquem-se

18/07/2024 às 09:07

Salomão pede que TJAL esclareça porque nomeou juízes já conhecidos na falência da Laginha.

Leia Mais

Alphabet foi condenada por concorrência desleal; Meta enfrenta ação bilionária por uso de dados.

Leia Mais

STF dá 24 horas para São Paulo justificar leilão da Sabesp; PT pediu liminar para suspender venda.

Leia Mais
Exclusivo

Gol da Alemanha

17/07/2024 às 19:09

Anac confirma que governo federal ressarcirá prejuízos da Fraport com o Aeroporto Salgado Filho.

Leia Mais

Juízes responsáveis pelo processo de falência da Usina Laginha decidiram que são aptos para o caso.

Leia Mais

Governo oculta dados de acordos da JBS e Marfrig com PGFN para renegociar dívidas com a União.

Leia Mais

Fraport fala que obras no aeroporto de Porto Alegre dependem de acordo com governo federal.


Leia Mais

Eduardo Braga quer alterar no Senado pontos da reforma tributária que foram acertados na Câmara

Leia Mais