Malafaia incomoda demais lideranças evangélicas

Diego Escosteguy
Publicada em 20/05/2021 às 13:38
Foto: Ed Ferreira /Folhapress

Pastores influentes e líderes evangélicos no Congresso estão incomodados com a postura de Silas Malafaia na defesa da indicação de André Mendonça ao Supremo. No entendimento deles, o líder da Assembleia de Deus comporta-se, equivocadamente, como porta-voz dos evangélicos.

Apesar dos esforços do advogado-Geral da União, não há consenso entre as lideranças das denominações evangélicas sobre um nome para ocupar a vaga a ser aberta com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello. Alguns apoiam, discretamente, o presidente do STJ, Humberto Martins. Outros não têm preferência - apenas desejam que o presidente cumpra a promessa de indicar um evangélico.

Malafaia, contudo, é influente perante a opinião pública e fala de modo aberto e incisivo sobre André Mendonça. Transmite a impressão, avaliam pastores e congressistas, de que o AGU é o único nome dos evangélicos. E, ainda segundo eles, pressiona indevidamente o presidente Jair Bolsonaro, o que pode ser contraprodutivo politicamente.

Os líderes que entendem Brasília sabem que esse tipo de articulação precisa correr sob a máxima discrição possível.