Livre, idoso e solto

Redação
Publicada em 21/05/2024 às 18:00
Zé Dirceu se valeu do tempo para escapar de condenação da Lava Jato. Foto: Bruno Santos/Folhapress

José Dirceu conseguiu fugir de uma condenação graças ao ao passar dos dias. Hoje, o Supremo Tribunal Federal anulou uma condenação do petista a mais de oito anos de prisão porque o tempo entre o crime (que ele não nega) e a denúncia foi maior do que a lei prevê, ainda mais que ele já era um senhor de 70 anos no momento da sentença.

Zé Dirceu era acusado de receber vantagens indevidas para facilitar contratos com a Petrobras durante as duas primeiras gestões de Lula (2003-2010). A empresa da ocasião foi a Apolo Tubulars, e o acordo foi assinado em 2009.

Em 2017, quando comandava a 13ª Vara Federal de Curitiba, Sergio Moro condenou o petista a oito anos, 10 meses e 28 dias, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Dirceu foi acusado de ter usado o então diretor da Petrobras Renato Duque para solicitar, e receber, 2 milhões de reais desde assinatura do contrato até 2012.

O julgamento do petista na segunda turma foi retomado após pouco mais de dois anos. Votaram a favor de Dirceu Ricardo Lewandowski, Kassio Nunes Marques e Gilmar Mendes. Ficaram vencidos Edson Fachin e Cármen Lúcia. Foi do atual ministro da Justiça de Lula o entendimento que prevaleceu nesta terça-feira (21).

Lewandowski defendeu que a condenação de Dirceu era nula, apesar de comprovados os crimes, porque o delito aconteceu sete anos antes da apresentação da denúncia. Soma-se a isso o fato de o petista sido sentenciado após ter completado 70 anos, o que reduz pela metade o prazo da prescrição do crime.

Alguns meses se passaram entre a apresentação da denúncia pelo MPF, em junho 2016, e a decisão de Moro, de março do ano seguinte. Cenário totalmente contrário do encontrado no STF. O recurso de Dirceu tramitou por mais de quatro anos. Foi apresentado em fevereiro de 2020.

De lá pra cá, a ação teve muitas idas e vindas. Antes do STF, Dirceu recorreu ao Superior Tribunal de Justiça, que negou o pedido. Já no STF, Fachin foi escolhido relator por ser o ministro responsável pelos processos relacionados à operação Lava Jato. A princípio, ele negou a pretensão do petista, que acabou conseguindo um julgamento na segunda turma do STF.

A primeira tentativa de análise foi virtual, e quase não aconteceu, pois a defesa de Dirceu pediu que o processo não fosse julgado. O pedido foi negado por Fachin, que manteve o julgamento para junho de 2021, mas Lewandowski pediu que o caso fosse analisado presencialmente.

No plenário da segunda turma, já aberta a divergência favorável a Dirceu, Lewandowski perdia por 2 a 1. Fachin havia sido acompanhado por Cármen Lúcia, mas a ministra já havia migrado para a primeira turma da corte quando o julgamento recomeçou.

O substituto de Cármen na segunda turma, André Mendonça, pediu mais tempo para analisar o caso e descobriu tempos depois que não poderia votar nesse processo porque substituiu a ministra que já havia votado. Essa troca de cadeiras abriu a possibilidade de Kassio votar.

Fachin até protestou na sessão sobre o entendimento dos colegas. Apresentou diversos precedentes que mostravam haver jurisprudência considerando o crime de corrupção passiva um ato contínuo. Isso faria com que o prazo prescricional - que anula penas de crimes pelo passar do tempo - passasse a contar a partir de 2012, garantindo a validade da denúncia de 2016.

Mas de nada adiantou. Kassio e Gilmar usaram as próprias decisões da Lava Jato para justificar o entendimento aplicado para garantir a prescrição. Moro considerou que o crime foi cometido no momento da solicitação da vantagem ilegal, não na data do recebimento da contrapartida pela obtenção do contrato.

Segundo da defesa de Dirceu, o entendimento do hoje senador fundamentou a condenação por corrupção passiva na modalidade “solicitar”, fazendo com que o delito seja de consumação instantânea, concretizando-se durante o pedido de propina.

Advogado ligado a Luiz Marinho ganha força na véspera da votação de duas listas tríplices pelo TRF-3

Leia Mais

Coloca na planilha

17/06/2024 às 19:00

Supremo julga ação sobre previdência, a terceira com impacto no orçamento da União neste mês

Leia Mais

Projeto de renegociação da dívida dos estados é um desastre para o governo federal

Leia Mais

Mudança de posição de ministro do STJ dá chance para Itaú reverter sentença milionária desfavorável.

Leia Mais

Auditorias do TCU mostram que governo não sabe como gasta dinheiro do Minha Casa, Minha Vida.

Leia Mais

Queiroz Galvão, OAS e Brasília Guaíba são condenadas pelo TCU por superfaturarem obras da BR-448.

Leia Mais

Ministro Humberto Martins, do STJ, revê decisão e libera três leilões com bens da Viação Itapemirim.

Leia Mais

Atrasar com calma

14/06/2024 às 17:16

PF some depois de ganhar mais prazo para encerrar inquérito sobre suposta rachadinha de Janones.


Leia Mais

Bolsonaro insiste em ex-policial da Rota militar como vice de Ricardo Nunes em São Paulo

Leia Mais

Sanção ainda traz recomendação de intervenção administrativa e cassação da concessão

Leia Mais

O efeito Toffoli

14/06/2024 às 10:24

STJ livra dois acusados da Lava Jato porque decisão do ministro do STF anulou provas.

Leia Mais

AGU e CGU de Lula firmam acordo de leniência com empresa que admitiu pagar propina a chefes do MDB.

Leia Mais

Marcelo Odebrecht pede que se ignore pedidos da PGR e da Petrobras para suspender anulação de provas

Leia Mais

À espera da PF

13/06/2024 às 17:49

Decisões sobre caso de corrupção e visita do CNJ criam clima de medo no TJ da Bahia

Leia Mais

Líder do partido fica responsável por cuidar de projeto para substituir trapalhada de Haddad

Leia Mais