A transação suspeita na Ferbasa

Alisson Matos
Publicada em 05/12/2023 às 06:00
A transação foi vista como uma manobra para driblar as normas e o estatuto da Fundação controladora Foto: Reprodução

Suspeito de já ter integrado um esquema de pagamentos irregulares de comissões no exterior, como revelado pelo Bastidor, o presidente do conselho de Administração da Ferbasa, Sergio Dória, enfrentará um novo problema. Precisará esclarecer como comprou em 1999 uma fazenda que, até dois anos antes, pertencia à Ferbasa, companhia na qual era diretor comercial.

A operação envolveu até um colégio de freiras. Documentos obtidos pela reportagem apontam que as transações visavam a burlar as normas da companhia. Ao fim, o executivo adquiriu a posse do imóvel pagando bem menos do que a empresa desembolsara.

Trata-se da fazenda São Jorge, no município de Catú, região metropolitana da Salvador, que corresponde a 60 mil campos de futebol. Hoje um hectare na região – apenas a terra sem benfeitorias – está avaliado em aproximadamente 50 mil reais. Ou seja: somente as terras da fazenda valem cerca de 3 milhões de reais. O que não é o caso do imóvel em questão.

Em 1999, Sergio Dória pagou 42 mil reais pela fazenda – algo em torno de 208 mil reais em valores atuais. A mesma propriedade foi adquirida em 1984 pela Ferbasa por 163 milhões de cruzeiros, a moeda da época. Hoje, seriam 972 mil reais.

Anos depois, em 1997, a Ferbasa, representada pelos diretores Geraldo Lopes e Gilvan Durão, vendeu a fazenda por 60 mil reais, um valor equivalente a pouco mais de 284 mil reais nos dias de hoje. Geraldo Lopes atualmente é copresidente do Conselho de Administração da companhia.

Quem comprou? O colégio São José, que teve como representante a religiosa Maria Edna Marcelino de Souza, conhecida como Irmã Carmelina. Comparando o que recebeu em 1997 com o que tinha pagado em 1982, a Ferbasa perdeu cerca de 30% do valor entre a compra e a venda. A fazenda São Jorge fica a mais de 95 quilômetros do colégio, que é a distância entre Catú e Salvador. 

Dois anos após comprar a propriedade, o colégio da Irmã Carmelina negociou a revenda da fazenda com Sérgio Doria. Ele pagou um valor que equivale a 21% a menos do que a Ferbasa gastou para adquirir a fazenda em 1984, de acordo com documentos obtidos pelo Bastidor. Esse cálculo conservador não considera o valor das benfeitorias conduzidas pela Ferbasa na fazenda.

A transação foi vista como uma manobra para driblar as normas e o estatuto da Fundação controladora, que proíbe a transferência de patrimônio da empresa diretamente para seus funcionários sem autorização do Conselho. Além disso, Dória ainda comprou por um valor menor e hoje a propriedade vale quase 15 vezes o que pagou. 

Há vários agravantes na compra suspeita. A área é considerada estratégica para Ferbasa. A fazenda é localizada à margem de uma rodovia estadual e contava com uma ampla estrutura. Estava em pleno funcionamento e era utilizada como entreposto para o escoamento portuário da produção de minérios em várias cidades. 

A Ferbasa conta com incentivos financeiros quando compra imóveis como a fazenda São Jorge. É levada em conta a compensação ambiental que precisa ser feita em razão do caráter da atividade de mineração. Ou seja, o comprador final, Dória, usufruiu desses benefícios ao pagar menos do que a propriedade valia.

O Bastidor procurou os envolvidos e questionou se a compra foi apenas uma coincidência, se havia alguma proximidade dos diretores com a irmã Carmelina do colégio São José e se ocorreu algum questionamento interno na empresa sobre a transação. No entanto, a Ferbasa, Sérgio Dória e Geraldo Lopes preferiram não se manifestar e não responderam os contatos.

De olho em enfrentar Lula em 2026, governador de Goiás espalha campanha que une segurança e negócios

Leia Mais

Fechem a torneira

19/07/2024 às 14:05

AGU pede ao STF suspensão do leilão da Sabesp por conflito de interesses e valor subestimado.

Leia Mais

Desempenho na segunda fase da venda das ações faz da privatização da estatal um sucesso

Leia Mais
Exclusivo

Um erro de 420 milhões

19/07/2024 às 06:00

Perda de prazo da PGFN dá à Dufry e ao advogado Sergio Bermudes precatório de quase meio bilhão.

Leia Mais

Defesa de Duque recorre ao ministro para evitar prisão por corrupção e lavagem na Petrobras.

Leia Mais

Por mim, libera

18/07/2024 às 19:50

Gonet diz que não é possível avaliar com calma a ação do PT contra a privatização da Sabesp.

Leia Mais

TSE muda de ideia e decide enviar observadores à eleição, o que evita um erro crasso do Brasil

Leia Mais

Expliquem-se

18/07/2024 às 09:07

Salomão pede que TJAL esclareça porque nomeou juízes já conhecidos na falência da Laginha.

Leia Mais

Alphabet foi condenada por concorrência desleal; Meta enfrenta ação bilionária por uso de dados.

Leia Mais

STF dá 24 horas para São Paulo justificar leilão da Sabesp; PT pediu liminar para suspender venda.

Leia Mais
Exclusivo

Gol da Alemanha

17/07/2024 às 19:09

Anac confirma que governo federal ressarcirá prejuízos da Fraport com o Aeroporto Salgado Filho.

Leia Mais

Juízes responsáveis pelo processo de falência da Usina Laginha decidiram que são aptos para o caso.

Leia Mais

Governo oculta dados de acordos da JBS e Marfrig com PGFN para renegociar dívidas com a União.

Leia Mais

Fraport fala que obras no aeroporto de Porto Alegre dependem de acordo com governo federal.


Leia Mais

Eduardo Braga quer alterar no Senado pontos da reforma tributária que foram acertados na Câmara

Leia Mais