Governadores suspendem importação da vacina Sputnik V

Publicada em 06/08/2021 às 16:33
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O Consórcio do Nordeste suspendeu a importação da vacina russa Sputnik V porque considerou inviáveis as condições da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo fato de o Programa Nacional de Imunização (PNI) não ter incluído o imunizante.

Em junho, a Anvisa tinha liberado com restrições o uso emergencial das vacinas Sputnik V e Covaxin. A decisão, excepcional, liberou a importação da Sputnik V para vacinação de 1% da população de cinco Estados que integram o Consórcio do Nordeste, Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará, Pernambuco e Piauí.

A Anvisa decidiu suspender, em julho, a importação excepcional da Covaxin, depois de cancelar os estudos clínicos da vacina indiana no Brasil e encerrar o processo de autorização de uso emergencial do imunizante no país. A agência tomou as medidas após a Bharat Biotech, fabricante da Covaxin, romper com a Precisa Medicamentos, empresa do lobista Francisco Emerson Maximiano, o Max, que detinha os direitos de revenda da vacina no Brasil.