Lula deixa Brasília sem perspectiva de apoio do MDB

Publicada em 08/10/2021 às 14:00
Foto: Pedro Parente/Folhapress

A despeito dos esforços do ex-senador Eunício Oliveira para aproximar o MDB do ex-presidente Lula, a legenda caminha para a independência regional nas eleições do ano que vem. De acordo com uma fonte inteirada das conversas, assim será ainda que a legenda se associe a uma candidatura de centro, a terceira via, como quer seu presidente, o deputado Baleia Rossi.

Em cada estado, emedebistas poderão associar sua candidatura e dar palanque para o presidenciável que lhes forem conveniente. Um exemplo é o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, que esteve no jantar para Lula na quarta-feira, 6 de outubro, mas que conversou apenas rapidamente com o petista e evitou qualquer fotografia.

Na breve conversa com Lula, o governador lamentou que, ainda que o PT não consiga construir uma candidatura forte no DF, ele acredita ser zero a chance de a legenda apoiá-lo. Diante disso, Ibaneis, de forma sutil e educada, avisou que as chances de lhe dar palanque em Brasília serão baixas. O governador vai buscar outras possibilidades.

O ex-presidente José Sarney, que terá sua filha, Roseana, candidata ao Senado, avisou que a tendência é que sua família apoie, no Maranhão, o senador Weverton Rocha, do PDT. Ele é pré-candidato a governador e tem o apoio de Flávio Dino. Rocha terá necessariamente de dar palanque a Ciro Gomes.

Weverton comunicou a legenda que também receberá Lula em seu palanque, o que poderia casar com o apoio dos Sarney ao petista no estado. Mas dentro do PDT há quem acredite que Ciro Gomes não vai deixar barato o palanque duplo no estado.

Apesar de ter saído sem o acerto com o MDB, Lula gostou de ouvir que parte considerável dos emedebistas estão dispostos a apoiá-lo.