Exclusivo

Polícia indicia hackers que espionaram executivos da JBS

Brenno Grillo
Publicada em 25/07/2022 às 06:00
Eduardo Bolsonaro em sua famosa visita ao indonésio Jackson Widjaja, CEO da Paper Excellence Foto: Instagram

Quatro pessoas investigadas pela invasão de e-mails e celulares de diretores da J&F foram indiciadas pela Polícia Civil de São Paulo há pouco mais de um mês, segundo fontes com acesso às apurações.

Os especialistas em tecnologia e programação Moema Ferrari, Danilo Vaz Bernardi, Leonardo Lopes e Leonardo Sena podem ser processados por associação criminosa, invasão de aparelho eletrônico e interceptação telefônica. De acordo com as apurações, o quarteto agiu para "grampear" e-mails e telefones de diretores do conglomerado de Joesley e Wesley Batista.

O caso ocorre em meio a uma disputa judicial que se desenvolve desde 2019 entre a J&F e a indonésia Paper pelo controle da Eldorado Celulose. A briga começou porque em 2017 os irmãos Batista desistiram repentinamente de vender por R$ 15 bilhões sua parte na Eldorado à família do indonésio Jackson Widjaja.

Na investigação, a Paper é suspeita de ser a mandante da invasão. O indício de ligação da Paper com o crime é Moema Ferrari, que prestava serviços à empresa quando ocorreu o hackeamento de emails e celulares de executivos da J&F.

Em depoimento à polícia, Bernardi confirmou e mostrou provas de que foi contratado e pago por Ferrari para invadir os sistemas da J&F. O programador disse à polícia que foi contratado a princípio para fazer um teste de segurança. Segundo ele, só após alguns questionamentos sobre a natureza do serviço é que descobriu que o objetivo era invadir o sistema da J&F.

Bernardi admitiu que combinou pagamento de 60 mil reais com Ferrari pelos serviços prestados e apresentou à polícia nota fiscal comprovando o recebimento de R$ 45 mil. Também há nas investigações registros de conversas entre Bernardi e Sena detalhando como fariam a invasão e inúmeros pedidos por Ritalina, para que pudessem trabalhar por mais horas sem fadiga.

Conforme consta das investigações, 115 executivos da J&F foram grampeados e 70 mil comunicações interceptadas. A holding foi informada sobre a invasão por Filipe Balestra, especialista em segurança digital que disse ter sido avisado do caso por um amigo, que teria descoberto a situação em fóruns de hackers na internet e na deep web.

As denúncias e indícios de hackeamento foram confirmadas pessoalmente por executivos da J&F quando o programador pediu que o diretor jurídico Francisco de Assis e Silva enviasse um e-mail como teste. A mensagem foi parar numa caixa de entrada paralela no sistema.

No mesmo período, o escritório de advocacia Mattos Filho, que representou a JBS no passado e atua pela Paper no caso da Eldorado, recebeu carta anônima que continha uma lista de e-mails de executivos da J&F. A correspondência foi enviada pelo Correio, postada por uma pessoa fantasiada com chapéu e óculos para impedir a identificação.

Todos esses atos foram confirmados por perícia da Polícia Civil de São Paulo, que buscava ainda a autoria da invasão. Com a confissão de Bernardi, os policiais buscam saber agora se há outros envolvidos na invasão, inclusive a existência de um mandante.

A descoberta da invasão aos e-mails da J&F motivou a abertura de duas investigações. Uma em São Paulo, na 2ª Vara de Crimes Tributários e Organização Criminosa, e outra na Vara Criminal de Diadema.

Uma confusão entre as duas investigações quase fez o depoimento de Bernardi ser descartado por uma sequência de decisões judiciais. A situação mudou em março, quando a 13ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo aceitou recurso da J&F pelo aproveitamento das afirmações do programador.

A confissão, mais os outros elementos já trazidos pela polícia, permitiram o indiciamento do quarteto Bernardi, Ferrari, Lopes e Sena. A investigação foi prorrogada por mais 60 dias em 10 de julho; seu encerramento pode ser adiado novamente, pois Cláudio Cotrim, presidente da Paper, foi intimado pela Polícia a prestar esclarecimentos.

A briga entre J&F e Paper tem outra face de enfrentamento, por meio de uma disputa arbitral. Como no outro caso este também foi parar na Justiça: após uma vitória da Paper, a J&F questionou o resultado e apontou a proximidade de um dos árbitros, Anderson Schreiber, com a defesa da empresa asiática.

Surgiram então mais duas investigações sobre Schreiber, enquanto a anulação arbitragem está sendo julgada em São Paulo.

Uma decisão sobre a validade ou não do processo arbitral deverá ser proferida até o fim deste mês, porque a juíza encarregada do caso, Renata Mota Maciel, da 2ª Vara Empresarial da Justiça de São Paulo, foi promovida e assumirá função no Superior Tribunal de Justiça a partir de 1º de agosto.

Leia a íntegra da manifestação de Bernardi:

Correção feita em 28 de julho: Também há nas investigações registros de conversas entre Bernardi e Sena detalhando como fariam a invasão e inúmeros pedidos por Ritalina, para que pudessem trabalhar por mais horas sem fadiga.

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais

Num período de crise econômica, o presidente da Câmara, Arthur Lira, aumentou seu patrimônio em mais de 3 vezes, segundo sua declaração ao Tribunal Superior Eleitoral.

Leia Mais