O nome é Kassio

Diego Escosteguy
Publicada em 10/05/2022 às 15:56
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

A disputa pelas duas vagas abertas no Superior Tribunal de Justiça já tem um vencedor: Kassio. O ministro do Supremo conquista cada vez mais apoio no STJ. E exibe prestígio junto aos advogados, juízes e procuradores que desejam ocupar cargos relevantes na cúpula do Judiciário. É grande a fila para tomar um café com o ministro.

Amanhã (quarta), após meses de atraso, os ministros do STJ escolherão os quatro candidatos que serão enviados na lista a Jair Bolsonaro. Dois deles serão nomeados pelo presidente à corte. Às vésperas de uma eleição tão aguardada, uma palavrinha com Kassio vale ouro.

Kassio detém influência nos dois momentos decisivos: na formação da lista (no STJ) e na escolha da lista (no Planalto). O ministro tem boa interlocução com a maioria dos grupos que articulam candidaturas. Seu diálogo é especialmente forte no TRF1, de onde é egresso.

A participação de Kassio se torna fundamental pelas particularidades da lista a ser votada amanhã. As duas vagas pertencem aos desembargadores dos Tribunais Regionais Federais, que são divididos por regiões. E alguns dos candidatos mais competitivos estão no TRF1: Carlos Augusto Brandão, Ney Bello e Daniele Maranhão.

Quando foi nomeado por Bolsonaro ao Supremo, Kassio, na verdade, disputava uma vaga no STJ. Foi uma surpresa para todos - inclusive para o ministro. O principal adversário de Kassio no STJ era Ney Bello, seu colega de TRF1. Ney é aliado antigo do ministro Gilmar Mendes.

A amigos, Kassio reclama, e não é de hoje, que Ney Bello jogou e joga pesado. Que, por meio de aliados de confiança, tenta minar a credibilidade dos concorrentes, em vez de vender suas virtudes. Ao contrário do que alguns amigos de Ney dizem reservadamente, Kassio não perdoa o desembargador.

É por essa, entre outras razões, que Kassio apoia o nome de Brandão ao STJ. Ou seja, mais para aumentar as chances de fracasso de Ney Bello do que para assegurar a vitória de Brandão. Este é conterrâneo de Kassio e presidente do TRF1. O êxito de Brandão fortaleceria Kassio regionalmente.

Kassio também simpatiza com sua ex-colega Daniele Maranhão. Ela conta com João Otávio de Noronha, mas não só, como um de seus fiadores. E Noronha prometeu a aliados que emplacará um nome nessa lista. Quem conhece o STJ sabe que não se pode subestimar Noronha.

Ney Bello é candidato ao STJ há bastante tempo e, se houvesse uma cláusula de escolha por número de tentativas e antiguidade, levaria fácil. O apoio de Gilmar, entre outros fatores, o credencia a ser bem votado e, provavelmente, integrar a lista de quatro nomes.

Mas, numa eleição tão movimentada como a de amanhã, nada é certo - com exceção, talvez, da escolha do desembargador do TRF3 Paulo Sérgio Domingues, ex-presidente da Ajufe e candidato de consenso dos paulistas, grupo liderado pelo ministro Antonio Carlos Ferreira, em ascensão na corte. (Antonio Carlos, por sinal, tem ótima relação com Kassio.)

A depender da pulverização de votos entre Brandão e Ney Bello, Daniele Maranhão, que faz uma campanha mais discreta, pode surpreender.

Se porventura a desembargadora entrar na lista, tem grande chance de ser uma das duas escolhas do presidente ao STJ. É aí que aparece o segundo momento decisivo desse processo - um momento no qual Kassio também tem peso.

Não basta ao candidato entrar na lista; é preciso convencer o presidente a nomeá-lo. Kassio apoiará Daniele ou Brandão. Mas, salvo uma recomposição, colaboraria para travar o nome de Ney Bello.

Alguns dos ministros que podem votar em Ney Bello sabem disso. E hesitam em optar pelo desembargador, apesar dos apelos de Gilmar e de alguns advogados influentes. Esse tipo de cálculo é comum entre a maioria dos ministros-eleitores: não querem gastar voto à tôa. Um voto vale muito. Escolher o candidato vencedor, ou os candidatos vencedores, fortalece quem aposta corretamente. Revela-se uma oportunidade perdida para quem erra.

Na movimentação pelos votos, alguns dos ministros também topam ajudar a montar uma lista mais fraca. Se a vaga do candidato preferido estiver assegurada, votam para que nomes percebidos como mais frágeis componham a lista. Esse segundo cálculo dificulta a projeção de votos e, consequentemente, o resultado final da formação da lista.

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais