Meio trilhão sem controle

Brenno Grillo
Publicada em 16/06/2024 às 06:00
Tribunal alerta que erros estão se repetindo no relançamento do programa habitacional. Foto: Pei Fon/Zimel Press/Folhapress

Auditorias do Tribunal de Contas da União mostram "preocupante descontrole" sobre os mais de 500 bilhões de reais gastos no Minha Casa, Minha Vida de 2009 a 2019. Também afirmam que o erro será repetido com os quase 400 bilhões de reais previstos para os próximos anos. Há registros de "inconsistências em todas as modalidades" do programa, segundo o TCU.

Lançado em 2009, o Minha Casa, Minha Vida alcança 97% dos municípios brasileiros, segundo dados do governo. Até 2019, ainda de acordo com a União, o programa consumiu pouco mais de 515 bilhões de reais, sendo 94 bilhões de reais investidos diretamente pela União e outros 433 bilhões vindos do FGTS.

Só que não há como ter certeza do que foi gasto, como foi gasto e onde foi gasto por conta de diferenças contábeis. Algumas são bilionárias, como a que o gestor do FGTS registrou repasses de 11,3 bilhões à Caixa e R$ 1,1 bilhão ao BB, enquanto os bancos contabilizaram recebimentos de 2,7 bilhões e de 37,8 bilhões, respectivamente.

A comparação das projeções apresentadas pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e pela Caixa Econômica Federal permitiu a descoberta de uma diferença de 4,6 bilhões de reais e de um gasto indevido de 1 bilhão de reais por subavaliação de preços.

A confusão com o destino dos valores contrasta com momentos em que a União não teve dinheiro para custear o programa, obrigando empresas contratadas a tomarem empréstimos. Os calotes foram cobrados na Justiça, "fato que sujeitou o Tesouro a pagamento de multa, encargos e taxas", disse o TCU, complementando que obras paradas por falta de pagamento, ou não, continuam inacabadas por falta de fiscalização.

Futuro repete o passado

Dados do governo mostram que, entre 2009 e 2019, o Minha Casa, Minha Vida entregou 5,1 milhões moradias, das 6,1 milhões contratadas. Até 2022, o déficit habitacional registrado foi de quase 31 milhões de domicílios, ainda de acordo com informações da União que englobam pessoas desabrigadas ou alojadas em residências precárias.

Para enfrentar a situação, o governo prometeu retomar o Minha, Casa Minha Vida e investir 345,4 bilhões de reais até 2026, e outros R$ 28,7 bilhões a partir do ano seguinte. Os montantes representam 56% dos R$ 609,7 bilhões previstos para a política de habitação.

Porém, os gastos devem apresentar resultados inferiores aos esperados. Um dos motivos é a gestão Lula não ouvir a população. Pesquisa feita pelo governo no começo de setembro de 2023 mostrou que os locais escolhidos para construção de conjuntos habitacionais são ruins por falta infraestrutura de saúde, transporte e educação.

Os entrevistados disseram preferir morar em áreas urbanas centrais. A mudança facilitaria a vida dos futuros moradores, segundo o TCU, pois muitos deles são de baixa renda e enfrentam dificuldades obter a escritura do imóvel, devido à burocracia e à teimosia dos cartórios em cobrar taxas.

Outro problema do Minha Casa, Minha Vida é a falta de acompanhamento, pela União, da situação dos beneficiários e dos novos cadastros. A ausência de atualização dos dados, afirmou o TCU, aumenta a chance de "enquadramento indevido", já facilitado pela falta de transparência dos municípios quanto aos critérios para selecionar quem pode acessar o programa.

"A renda familiar pode ser atualizada a cada ciclo de emprego formal e em caso de emprego informal, e tais alterações devem ser indicadas continuamente para sustentabilidade do programa", argumentou a área técnica da corte de contas.

Leia as auditorias analisadas pelo TCU em 5 de junho:

De olho em enfrentar Lula em 2026, governador de Goiás espalha campanha que une segurança e negócios

Leia Mais

Fechem a torneira

19/07/2024 às 14:05

AGU pede ao STF suspensão do leilão da Sabesp por conflito de interesses e valor subestimado.

Leia Mais

Desempenho na segunda fase da venda das ações faz da privatização da estatal um sucesso

Leia Mais
Exclusivo

Um erro de 420 milhões

19/07/2024 às 06:00

Perda de prazo da PGFN dá à Dufry e ao advogado Sergio Bermudes precatório de quase meio bilhão.

Leia Mais

Defesa de Duque recorre ao ministro para evitar prisão por corrupção e lavagem na Petrobras.

Leia Mais

Por mim, libera

18/07/2024 às 19:50

Gonet diz que não é possível avaliar com calma a ação do PT contra a privatização da Sabesp.

Leia Mais

TSE muda de ideia e decide enviar observadores à eleição, o que evita um erro crasso do Brasil

Leia Mais

Expliquem-se

18/07/2024 às 09:07

Salomão pede que TJAL esclareça porque nomeou juízes já conhecidos na falência da Laginha.

Leia Mais

Alphabet foi condenada por concorrência desleal; Meta enfrenta ação bilionária por uso de dados.

Leia Mais

STF dá 24 horas para São Paulo justificar leilão da Sabesp; PT pediu liminar para suspender venda.

Leia Mais
Exclusivo

Gol da Alemanha

17/07/2024 às 19:09

Anac confirma que governo federal ressarcirá prejuízos da Fraport com o Aeroporto Salgado Filho.

Leia Mais

Juízes responsáveis pelo processo de falência da Usina Laginha decidiram que são aptos para o caso.

Leia Mais

Governo oculta dados de acordos da JBS e Marfrig com PGFN para renegociar dívidas com a União.

Leia Mais

Fraport fala que obras no aeroporto de Porto Alegre dependem de acordo com governo federal.


Leia Mais

Eduardo Braga quer alterar no Senado pontos da reforma tributária que foram acertados na Câmara

Leia Mais