5G: interesse da Huawei em rede privada dependerá de regras impostas pelo governo

Brenno Grillo
Publicada em 30/10/2021 às 06:00
Foto: A7 Press/Folhapress

A Huawei vai definir seu grau de interesse pela rede privativa 5G do governo brasileiro somente depois de publicadas as normas que definirão as balizas para os fornecedores dos equipamentos que irão compor essa estrutura. Na companhia, a paciência (característica conhecida do povo chinês) é o mote, segundo uma fonte que flutua entre a companhia e o setor público durante as discussões do projeto.

A rede privativa é uma das exigências previstas no edital para instalação da tecnologia 5G no Brasil. A estrutura criptografada será usada para o tráfego de informações sensíveis da gestão federal.

De acordo com o edital, esses dados compreendem "atividades de segurança pública, defesa, serviços de socorro e emergência, resposta a desastres e outras atribuições críticas de Estado, incluindo as realizadas por entes federados, bem como para atendimento aos órgãos públicos federais".

O documento também prevê que serão duas redes. Uma móvel, restrita ao Distrito Federal, e outra fixa, que será usada por órgãos públicos federais em todas as capitais.

Há setores do governo que suspeitam da Huawei. Os Estados Unidos - principalmente no governo de Donald Trump, mas também na gestão Joe Biden - acusam os chineses de espionagem e veem na empresa uma porta aberta para tal prática.

Essa mesma fonte afirma que esse ponto não preocupa a companhia, pois toda a tramitação do processo de leilão do 5G tem sido conduzido "tecnicamente pelo governo brasileiro". "Só olhar o edital e as especificações exigidas até agora", diz.

Em março deste ano, Fabio Faria afirmou que "a Huawei não está apta a participar da rede privativa do governo" e destacou que o movimento era adotado por outras nações, como Estados Unidos e Finlândia - a Nokia, empresa de tecnologia do país, é rival da companhia chinesa no fornecimento de equipamentos de telecomunicações.

Afirmou também que tinha conversado com representantes da empresa e que ouviu deles não existir "interesse em fazer a rede privativa do governo [do Brasil]".

Uma portaria do Ministério das Comunicações, segundo especulou-se no começo deste ano, foi um meio de impedir a participação da empresa chinesa na rede privativa brasileira. O texto exigiu dos fornecedores de equipamentos padrões mínimos de segurança, governança corporativa e transparência.

Mas o setor de telecomunicações espera uma nova portaria, voltada aos fornecedores de equipamentos de telecomunicação, com mais especificações sobre o projeto.

Porém, a fonte ouvida pelo Bastidor afirma que, independente da participação ou não da Huawei na rede privativa, a empresa tem muito interesse em fornecer equipamentos para a infraestrutura pública será usada pela população e por empresas. Nesta quarta-feira (27), a Anatel recebeu 15 propostas de operadoras de telefonia com interesse em administrar as redes. O leilão está marcado para 4 de novembro.

A entrada de Sergio Moro na disputa presidencial com dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto preocupou pedetistas, que passaram a pressionar o presidente da legenda, Carlos Lupi, a formar uma aliança com o ex-presidente Lula.

Leia Mais

A principal avaliação do ex-governador Geraldo Alckmin para definir onde se filiar é se terá alianças que lhe garanta uma candidatura competitiva ao governo do estado de São Paulo.

Leia Mais

Ao lado de Arthur Lira, o presidente do Senado disse ao tribunal ser impossível identificar quais parlamentares patrocinaram cada uma das emendas RP9, que compõem o orçamento secreto. 

Leia Mais

Futuro presidente do União Brasil, resultado da fusão entre o PSL e o DEM, Luciano Bivar informou a ACM Neto e ao ex-ministro Luiz Henrique Mandetta seu desejo de disputar a Presidente da República pelo novo partido.

Leia Mais

Fernando Collor escapou do STF. A corte não terminou de julgar hoje as ações sobre o marco do saneamento e o caso em que o senador é acusado de receber propina para influenciar decisões da BR Distribuidora será julgado em data ainda indefinida.

Leia Mais

A 2ª Turma do STF pode decidir na próxima terça-feira (30) o destino da investigação do MPRJ contra Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas em seu gabinete quando estava na Alerj. A decisão sobre o caso no colegiado já foi adiada duas vezes: uma por Gilmar Mendes e outra por Kassio Nunes Marques.

Leia Mais

Um deputado da base aliada notou a diferença de tratamento dado nessa semana ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Leia Mais

A fé de Kassab

25/11/2021 às 15:31

Gilberto Kassab tem um ritual diário: garantir a interlocutores políticos que é real e genuína sua fé na candidatura de Rodrigo Pacheco à Presidência.

Leia Mais

A pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência da República é um movimento dos chefes do MDB para fortalecer o partido nas negociações eleitorais de 2022.

Leia Mais

O TCU exigiu ontem (24) que União, governo de Mato Grosso e prefeitura de Cuiabá a se entendam em até 60 dias e decidam o destino do VLT (prometido para a Copa de 2014) que ligaria o aeroporto internacional, em Várzea Grande, à capital do estado. A obra iniciada em 2012 está parada há quase 7 anos sem previsão de solução.

Leia Mais

Arthur Lira e Rodrigo Pacheco voltaram a um nível de entendido desde a semana passada: o de que é preciso preservar ocultos os nomes de parlamentares beneficiados com as emendas secretas, as chamadas RP9.

Leia Mais

O julgamento das ações que discutem trechos do Marco Legal do Saneamento começa efetivamente, como a leitura do voto do relator, Luiz Fux. Fontes do setor privado ouvidas pelo Bastidor esperam uma vitória "de lavada" no STF.

Leia Mais

Empresários brasileiros não se preocupam com a proeminência cada vez maior que Xi Jinping tem tido no Partido Comunista Chinês. Fontes ligadas tanto ao setor privado brasileiro quanto ao governo chinês disseram ao Bastidor que a prioridade do empresariado é reforçar os laços comerciais.

Leia Mais

A determinação de Arthur Lira para aprovar brevemente a PEC que aumenta a idade de 65 para 70 anos a idade máxima de nomeação de juízes e ministros dos tribunais superiores é fruto de uma articulação para barrar o nome de André Mendonça.

Leia Mais

Frederick Wassef e o senador Flávio comemoram - houve até festa em estilo havaiano - desde o fim de semana: cumpriu-se a profecia do conselheiro da família Bolsonaro.

Leia Mais