Covid-19: ocupação de UTIs aumenta e acende alerta para os estados

Publicada em 13/01/2022 às 19:58
Leitos especiais para covid e hospitais de campanha foram fechados, com a redução de casos graves da doença Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

A taxa de ocupação de leitos de UTI dedicados ao tratamento de covid-19 no Brasil aumentou na última semana, de acordo com boletim divulgado pela Fiocruz na quinta-feira, 13. Os dados apontam que as taxas de ocupação subiram em 21 estados e no Distrito Federal. Apenas em três houve redução. Os números acendem um alerta nas autoridades de saúde e indicam que a população deve continuar mantendo as medidas de controle da pandemia.

O Brasil passa por uma explosão de novos casos de covid-19, com a entrada no país da variante Ômicron, do coronavírus. Essa cepa é mais transmissível e já domina a maior parte dos casos registrados. Além disso, uma epidemia de gripe causada pelo vírus H3N2 também atinge parte da população. Já há vários relatos, inclusive, de pacientes que se infectaram com os dois vírus ao mesmo tempo.

A pesquisadora Margareth Portela, responsável pelo levantamento da Fiocruz, explica que os números variam muito tanto em função da ocupação quanto da disponibilidade de leitos. Dependendo da demanda, alguns estados abrem mais vagas conforme aumenta o número de pacientes. Ela também lembra que as UTIs costumam ser usadas para todas as Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAGs), o que inclui a covid-19 e a influenza.

“Em alguns lugares, é preciso que os gestores observem os planos de contingência. Pernambuco já aumentou um pouco o número de leitos. Outros estados ainda não”, diz.

O imunologista Bruno Filardi lembra que a Ômicron está infectando mais pessoas. Embora a proporção de casos graves seja menor, o número absoluto de internações pode subir muito e sobrecarregar o sistema. “É a onda com maior número de doentes, embora não tenha se refletido em internações”, afirma o médico.

Atualmente, o Brasil conta com 57.530 leitos de UTI e destinadas ao atendimento de casos de Covid-19. O número já foi maior, no auge da pandemia, em 2020. À época, vários estados montaram hospitais de campanha, na tentativa de ampliar a abrangência do atendimento. 

O Ministério da Saúde informou que, no fim de 2021, cerca de 6,5 mil vagas foram redirecionadas para tratamento de pacientes com outras doenças. A medida foi tomada após debates envolvendo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems)

O fechamento das vagas se deu à medida que os casos mais graves começaram a reduzir. Os especialistas apontam que a vacinação foi fundamental para a queda nas internações. “Os infectados estão tendo uma manifestação mais leve. A gente não sabe o quanto isso é causa da Ômicron ou de pessoas vacinadas”, explica Filardi.

O médico Julival Ribeiro, chefe do departamento de infectologia do Hospital de Base de Brasília, diz que a Ômicron é menos grave, mas pode causar complicações, sobretudo em pacientes que não se vacinaram. “O grande mérito da vacina é que ela diminui o número de casos graves, mortes e hospitalizações”, diz.

Os especialistas consultados são unânimes em reforçar que as medidas de distanciamento, uso de máscaras, álcool em gel e a vacinação são imprescindíveis para que a pandemia permaneça controlada.

Sem colapso à vista

Margareth Portela é otimista com relação aos próximos meses. Apesar de existir o risco de novas variantes que sejam mais agressivas que a Ômicron, ela acredita que o sistema brasileiro está mais preparado e que dificilmente o país passará por uma onda de mortes semelhante à que foi vista entre os meses de março e junho de 2021.

“Falar de um colapso como a gente viveu no ano passado é dizer que tudo o que caminhamos até aqui foi em vão. Vamos ter a necessidade de reabertura de leitos. O perfil de internação deve ser diferente. No ano retrasado, a gente teve que montar leitos de UTI. Hoje, a gente tem uma parte desses leitos, que podem ser acionados ou realocados”, diz a especialista, que acompanha os números de internações desde o começo da pandemia.

O Cade ficou com a tarefa inglória de investigar se os altos preços do gás são culpa da Petrobras. A empresa diz que segue valores de mercado e adota medidas para incentivar a concorrência - num setor que até pouco tempo atrás monopolizava de ponta a ponta.

Leia Mais

Exames poderão ser comprados em farmácias, mas não servem para fins de dispensa médica laboral ou para liberar passageiros em voos internacionais.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro consultou o advogado-geral da União, Bruno Bianco, sobre não depor pessoalmente à Polícia Federal, como determinou ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Ainda não se sabe se o presidente descumprirá a decisão do ministro. O depoimento é hoje, sexta, às 14h.

Leia Mais

A Anatel decidiu na noite de terça-feira (26) convocar uma sessão extraordinária, a ser realizada às 10h desta sexta-feira (28), para discutir a compra da Oi.

Leia Mais

Na próxima quarta-feira, 2, ele se reúne com o Eduardo Paes, Carlos Lupi (PDT) e Gilberto Kassab (PDT), além dos pré-candidatos ao governo fluminense pelas legendas, Rodrigo Neves e Felipe Santa Cruz, para fechar uma aliança entre as legendas.

Leia Mais

Jair Bolsonaro terá que depor à Polícia Federal nesta sexta-feira (28) debaixo de vara. Alexandre de Moraes determinou hoje (27) que presidente compareça às 14h, na Superintendência da PF em Brasília.

Leia Mais

Além de Rodrigo Cruz, atual número dois da pasta, que tem apoio de Tarcísio de Freitas e de parte do centrão, outros dois nomes surgiram com mais forças nas conversas no Planalto e no Congresso.

Leia Mais

O brasileiro assiste hidrelétricas jorrando água sem produzir energia, por conta dos aumentos dos reservatórios com as chuvas, enquanto o preço da conta de luz não cai. O motivo é o modelo de compra e venda da energia elétrica no país.

Leia Mais

Além do PSDB, que se reúne nesta quinta-feira, 27, para discutir a possibilidade de uma federação, o Cidadania tem negociado com o Podemos, o MDB e o PDT.

Leia Mais

Pasta orienta que pais em dúvida procurem um médico para verificar a existência de eventuais contraindicações ou comorbidades.

Leia Mais

Orientado por seus auxiliares, o presidente Jair Bolsonaro determinou ao ministro João Roma que faça um pronunciamento para anunciar boas notícias na área social do governo.

Leia Mais

Anvisa vai se reunir na sexta-feira para definir a liberação dos exames feitos em casa

Leia Mais

Ao dizer ao Bastidor que as chances são mínimas de Sergio Moro migrar para o União Brasil, Renata Abreu, presidente do Podemos e deputada federal, foi realista ao conhecer sua própria bancada e a do partido aliado.

Leia Mais

Carta de Neil Young ao Spotify joga luz sobre o que pode ou não ser publicado no Spotify. Enquanto isso, a plataforma de áudio, segue muda, sem se posicionar.

Leia Mais

O Bastidor mostrou que Sergio Moro e sua equipe política analisam cinco nomes que podem ser o marqueteiro do ex-juiz na campanha eleitoral deste ano. Mas cada um tem um ponto específico que pode prejudicar a escolha.

Leia Mais