Exclusivo

A cesta básica do MDB

Samuel Nunes
Publicada em 02/04/2024 às 18:35
Paulo Dantas (esq.), Renan Filho (centro) e Ronaldo Lessa (dir.) são alvos de pedido de cassação Foto: Shizuo Alves/Lubi Comunicação/Governo de Alagoas

O Ministério Público Eleitoral em Alagoas pediu a cassação do registro de candidatura do governador Paulo Dantas (MDB) e do vice, Ronaldo Lessa, por tentativa de compra de votos nas eleições de 2022. De acordo com relatório apresentado ontem e obtido pelo Bastidor, o governo alagoano distribuiu milhares de cestas básicas às vésperas da disputa eleitoral, o que é proibido por lei. Dantas é um dos líderes do grupo político de Renan Calheiros.

O parecer da Procuradoria foi tomado em ação aberta pela coligação do senador Rodrigo Cunha (Podemos-AL), que disputou as eleições contra Dantas naquele ano. A defesa do governador argumentou que a distribuição de alimentos já estava prevista em uma lei estadual, que apenas teria sido cumprida. Para o Ministério Público, porém, a situação não é bem assim.

O procurador-geral eleitoral de Alagoas, Antônio Henrique de Amorim Cadete, afirmou que, de fato, havia uma lei estadual para a compra e distribuição dos alimentos. Mas, diz o procurador, a ação realizada pelo governo às vésperas das eleições não estava relacionada com esse programa.

A defesa de Paulo Dantas também tentou argumentar que o estado passava por uma situação de calamidade pública, em virtude do excesso de chuvas e da pandemia, que levaram boa parte da população do estado a níveis alarmantes de pobreza e fome. Entretanto, o procurador apontou que a distribuição dos alimentos ocorreu não só nas cidades abarcadas pelos decretos de emergência, mas em outros municípios que não estavam relacionados a esse problema.

As investigações mostraram que não havia sequer a comprovação de que o programa previsto em lei tivesse sido efetivamente realizado nos anos anteriores à eleição, o que poderia justificar a compra e distribuição dos alimentos. Em resumo, para o procurador, houve clara tentativa de compra de votos.

A ação também mirava secretários de Paulo Dantas e o senador Renan Filho (MDB), que havia deixado o governo alagoano no início daquele ano, para concorrer ao Senado. Contudo, o procurador não encontrou indícios de participação do parlamentar, atualmente ministro dos Transportes, na irregularidade. Por isso, sugeriu que ele fosse excluído de eventual punição pelo Tribunal Regional Eleitoral.

O Bastidor procurou o governo de Alagoas para pedir um posicionamento de Paulo Dantas sobre o relatório do MPE. A assessoria respondeu apenas com o link de uma nota do site institucional do governo alagoano, fazendo referência ao programa questionado pela Procuradoria. Não há citação ao parecer do MPE. A íntegra pode ser lida aqui.

Leia abaixo o relatório do Ministério Público Eleitoral em Alagoas:

TST colocou o presidente Lula em uma intrincada escolha para o novo ministro

Leia Mais

Manifestação em defesa de Jair Bolsonaro é - e será - comício do PL para eleição municipal

Leia Mais

Defesas de empreiteiras contam com prorrogação de prazo para renegociar acordos de leniência

Leia Mais

Bola com Dino

21/04/2024 às 13:44

Desembargadores afastados da funções pelo CNJ pedem que STF corrija erros de Luís Felipe Salomão.

Leia Mais

Governo volta a colocar Alexandre Padilha no centro do controle das emendas parlamentares

Leia Mais

Defesa de Bolsonaro é apenas uma justificativa para ato de pré-campanha eleitoral

Leia Mais

CCJ do Senado aprovou projeto que reintegra o quinquênio aos salários do Judiciário.

Leia Mais

Foi a votação que analisou a prisão de Brazão que fez o clima entre o governo e Lira esquentar

Leia Mais

A divisão no CNJ

16/04/2024 às 21:30

Votos dos conselheiros no caso Lava Jato espelham a cisão entre magistrados de carreira e advogados.

Leia Mais

Foi e voltou

16/04/2024 às 21:14

TRF3 reconduz presidente do conselho de Administração da Petrobras ao cargo após afastamento

Leia Mais

Ministro da CGU pode ser convocado a explicar relação do seu escritório de advocacia com a Novonor

Leia Mais

Salomão retirou Moro do procedimento que suspendeu a atuação de quatro magistrados federais.

Leia Mais

MP no CNJ e defesa de magistrados alegam não haver razão para corregedoria processar quarteto.

Leia Mais

Pacheco segura

16/04/2024 às 15:14

Senador atende ao governo e adia sessão do Congresso que vai analisar vetos de Lula

Leia Mais

Após demitir primo do presidente da Câmara, governo recorre ao deputado para escolher substituto.

Leia Mais