Chefes do PP acertam trégua

Diego Escosteguy
Publicada em 22/07/2021 às 15:37
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Os principais chefes políticos do PP acertaram hoje cedo uma trégua para pôr fim à guerra interna e silenciosa que crescia desde o começo da CPI da Pandemia. Ciro Nogueira, Ricardo Barros e Arthur Lira aceitaram encerrar as hostilidades antes que as pancadas fossem longe demais, pondo em risco a sobrevivência política deles e os planos de poder de cada grupo.

A ida de Ciro para a Casa Civil ajudou na recomposição provisória. Combinou-se que cada grupo voltará a respeitar os espaços de cada um. Acertou-se que haverá uma resposta coordenada aos ataques da CPI da Pandemia, cujas investigações chegaram em Barros e têm tudo para alcançar, em poucas semanas, Ciro e Lira.

Até então, os três trocavam recados indiretos, em alguns casos até com ameaças veladas, por meio da imprensa e de vazamento de fatos desabonadores contra os demais. Perderam o controle da situação durante semanas.

O sucesso dessa trégua dependerá de um equilíbrio difícil entre eles, em face da aliança com um governo errático e do avanço da CPI.