Qualquer registradora poderá ser um caixa de banco

Arnaldo Galvão
Publicada em 09/06/2021 às 06:00
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

As próximas funcionalidades da plataforma de pagamentos instantâneos PIX mereceram um comentário entusiasmado do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, ao participar ontem, terça-feira 8 de junho, de um evento organizado pelo JP Morgan.

Ele já tinha percorrido 37 das 48 páginas da sua apresentação, em inglês, abordando as dificuldades macroeconômicas decorrentes dos impactos da pandemia, mas se animou para falar, no âmbito da agenda tecnológica do BC, dos próximos avanços que devem estar operacionais no terceiro trimestre deste ano, o PIX Saque e o PIX Troco.

O PIX Saque vai romper com as limitações existentes atualmente para uma pessoa sacar dinheiro. Se hoje há necessidade de encontrar um caixa automático da rede do seu banco ou dos terminais do Banco 24 Horas, no segundo semestre será possível expandir enormemente esse acesso. Usando a plataforma PIX, será possível sacar dinheiro em qualquer estabelecimento comercial.

O PIX Troco segue a mesma lógica do saque, mas envolve um pagamento e a transferência de uma quantia maior para permitir que seja sacada essa diferença. O objetivo do Banco Central é expandir a capilaridade dos saques para o usuário final e melhorar as condições de oferta de retirada de dinheiro para as empresas financeiras, especialmente as digitais.

Ontem o BC também divulgou que entra em operação em 16 de novembro o mecanismo de devolução do PIX em casos de suspeita de fraude ou falha operacional nos sistemas das instituições envolvidas.

A plataforma PIX entrou em operação em novembro de 2020 e já alcançou 2 bilhões de transações e R$ 1,4 trilhão movimentado. São 253 milhões de chaves criadas envolvendo 87,6 milhões de pessoas e 5,8 milhões de empresas.