Vídeo contradiz versão do Kremlin sobre massacre

Publicada em 07/04/2022 às 21:27
Foto: Mikhail Klimentyev/Russian Presidential Press and Information Office

Circula no YouTube um vídeo editado pelo site de notícias russo Meduza que põe em dúvida a versão do exército de Vladimir Putin sobre o massacre de civis em Bucha, cidade nos arredores de Kiev, na Ucrânia. As imagens mostram uma comparação entre fotos feitas com um drone e a localização de corpos que foram encontrados pelo chão, depois que o exército da Rússia deixou a cidade.

O site Meduza é uma das poucas fontes de jornalismo independente sobre a Rússia que permanecem no ar. O conteúdo é produzido a partir da Lituânia, onde o site fica hospedado. Por isso, Putin não consegue retirá-lo do ar, nem o ameaçar diretamente, como faz com outras publicações. Por causa disso, o acesso a partir da Rússia só pode ser feito com o uso de VPNs, já que o domínio não funciona no território russo.

No vídeo divulgado pelo Meduza, é possível ver do alto que os locais onde os corpos foram encontrados na Rua Yablonska condizem com as imagens de um carro que chegou ao mesmo local depois que as tropas russas deixaram a cidade. 

O governo de Putin afirma que as mortes foram resultado da ação de nacionalistas ucranianos, apoiados pelo governo local, que teriam atirado contra o próprio povo e produzido as imagens, para chocar a opinião pública internacional contra a Rússia. A imagem do alto, no entanto, coloca essa versão em dúvida, pois, segundo o Meduza, é possível ver equipamentos militares semelhantes aos que foram usados pelos russos, a algumas centenas de metros dos corpos.

As imagens aéreas teriam sido captadas no dia 23 de março. Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, as tropas deixaram a região no dia 30.

No dia 4 de abril, o New York Times já tinha publicado imagens de satélite, datadas de 11 de março, mostrando os mesmos corpos na Rua Yablonska. As fotografias foram contestadas por Putin. As novas imagens publicadas pelo Meduza têm resolução mais definida e poderiam, conforme o site, reforçar os indícios de que os civis foram mortos por russos.

O site afirma que checou a possibilidade de as imagens de drone terem sido alteradas, mas especialistas consultados pela publicação afirmaram que a possibilidade de falsificação dos metadados, nos arquivos recebidos pelos jornalistas, é altamente improvável.

Assista ao vídeo aqui. As imagens são fortes.

Resposta da ONU

Depois da divulgação do massacre em Bucha, a Assembleia-Geral das Nações Unidas se reuniu nesta quinta-feira e decidiu suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU. A decisão foi aprovada com 93 votos a favor, 24 contra e 58 abstenções. O Brasil esteve entre os países que se abstiveram.

A medida, no entanto, tem impacto apenas político. A ONU não tem poder de aprovar sanções econômicas ou respostas militares diretamente contra a Rússia, já que essa tarefa cabe apenas ao Conselho de Segurança, onde o país tem assento permanente e com poder de veto.

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais

Num período de crise econômica, o presidente da Câmara, Arthur Lira, aumentou seu patrimônio em mais de 3 vezes, segundo sua declaração ao Tribunal Superior Eleitoral.

Leia Mais