Vai custar caro derrubar a PEC que proíbe militares no governo

Publicada em 04/06/2021 às 16:07
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente da Câmara, Arthur Lira, tem mais uma missão a cumprir para evitar o andamento de uma proposta de emenda constitucional que proíbe militares da ativa de ocuparem cargos civis na administração federal.

A aliados, Lira disse não saber se vai conseguir o objetivo pretendido por Jair Bolsonaro. O recado é claro. Se o presidente não pedir, não vai se mexer. Se pedir, o preço será alto.

A decisão do alto-comando do Exército que evitou uma previsível punição ao general Eduardo Pazuello por ter participado de ato político ao lado do presidente aumentou o interesse dos parlamentares em apresentar a PEC.

Oposicionistas e alguns deputados da base do governo apoiam a proposta. Até a manhã desta sexta-feira 4 de junho, 80 parlamentares assinaram a PEC da deputada Perpétua Almeida, do PC do B. São necessários 171 nomes. Para o centrão, sem a concorrência dos militares, vai haver mais vagas para indicação política.