Vacinação infantil: as principais perguntas e respostas

Publicada em 20/01/2022 às 19:44
Duas vacinas já foram liberadas pela Anvisa, mas só uma pode ser encontrada nos postos de saúde, por enquanto Foto: CDC/Unsplash

Nesta quinta-feira, 20, a Anvisa liberou o uso emergencial da Coronavac para a vacinação de crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de idade. É o segundo imunizante disponível para o público infantil. Antes, a agência já tinha concedido licença para a vacina da Pfizer.

Enquanto as doses da Pfizer já estão chegando aos postos de saúde, a Coronavac ainda depende da compra por parte do Ministério da Saúde. Com tantas notícias a respeito da vacina, o Bastidor preparou um pequeno guia para tirar algumas dúvidas que os pais ainda possam ter sobre as vacinas pediátricas.

Veja abaixo:

1.     Quais vacinas já foram liberadas pela Anvisa?         

A Anvisa liberou o uso das vacinas da Pfizer (Comirnaty) e do Instituto Butantan (Coronavac).

2.     Quais vacinas já estão disponíveis?

Apesar da liberação de dois imunizantes, até o momento o Ministério da Saúde só comprou doses da Pfizer para a aplicação infantil.

3.     Por que a Coronavac ainda não está disponível?

Para que a Coronavac seja distribuída nos postos de saúde, é necessário que o Ministério da Saúde inclua a vacina no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação (PNO), o que não aconteceu ainda.

4.     As doses administradas são idênticas às dos adultos?

Isso depende do imunizante. No caso da Pfizer, a dose recomendada é a metade da aplicada em pessoas acima de 11 anos de idade. Os frascos, inclusive, têm as tampas em cor laranja, para diferenciar as indicações. Já a Coronavac, quando for distribuída, terá a mesma dose aplicada em adultos.

5.     Quais faixas etárias podem receber a vacina da Pfizer?

A vacina da Pfizer pode ser aplicada em crianças de 5 a 11 anos de idade.

6.     Quais as faixas etárias podem receber a Coronavac?

7.     A Coronavac poderá ser aplicada em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de idade.

8.     Qual o intervalo de aplicação das doses?

Pfizer: intervalo de 8 semanas, segundo orientação do Ministério da Saúde

Coronavac: intervalo de 28 dias, conforme orientação da Anvisa

9.     Existem riscos de efeitos colaterais?

Sim, como em todas as vacinas. Os mais comuns são dores de cabeça, febre, dor no corpo e dores no local da aplicação. Há relatos de casos raros que podem incluir anafilaxia, convulsões, miocardite, entre outros. No entanto, o número de situações extremas, chamados de eventos adversos graves, é residual. E o risco torna-se insignificante diante dos benefícios da vacina.

10.     Se há efeitos colaterais, quem garante a segurança da vacina?

A Anvisa é responsável por analisar todos os estudos de segurança relacionados a qualquer vacina ou medicamento utilizado no Brasil. A agência revisa os dados e, a partir de avaliações científicas, determina se a vacina pode ou não ser usada no país. O mesmo ocorre em quase todo o mundo, a exemplo dos Estados Unidos e União Europeia, que possuem órgãos com função semelhante à Anvisa. A agência e o Ministério da Saúde monitoram constantemente eventuais relatos de eventos adversos após a aplicação da vacina. Na hipótese altamente improvável de que surja alguma preocupação fundada, o público será imediatamente alertado.

11.  Se meu filho já pegou a covid-19, ele deve ser vacinado?

A orientação de especialistas é de que a vacinação deve ser feita inclusive em pessoas que já foram infectadas. Embora o vírus gere certa imunidade natural, a vacina tem efeito mais potente e duradouro. É provável que, assim como adultos, crianças também venham a tomar doses de reforço. Mas essa decisão ainda não foi tomada no Brasil.

12.     Sou obrigado a levar meu filho para ser vacinado?

Do ponto de vista jurídico, há quem discorde sobre a obrigação dos pais levarem os filhos para serem vacinados. O Estatuto da Criança e do Adolescente determina que é obrigatória a vacinação de menores de idade, mas não deixa claro se a responsabilidade é do Estado ou dos pais.

Na quarta-feira, 19, o ministro Ricardo Lewandowski determinou que os Ministérios Públicos nos Estados "empreendam as medidas necessárias para o cumprimento do disposto nos referidos preceitos normativos quanto à vacinação de menores contra a Covid-19". A decisão não aponta se processos podem ser abertos contra pais ou contra o governo.

Em decisões anteriores, a Corte já determinou que os pais não podem deixar de vacinar os filhos por critérios pessoais.

No que tange ao aspecto médico, as sociedades brasileiras de pediatria, infectologia e de imunizações recomendam que os pais busquem a vacinação dos filhos.

Escolas e estabelecimentos comerciais frequentados por crianças provavelmente terão o respaldo do Supremo para exigir comprovante de vacinação de alunos e clientes dessa faixa etária.

Vida dura a de Jair Bolsonaro em Alagoas. Nem seu aliado, o presidente da Câmara, Arthur Lira, cita o presidente da República em sua propaganda eleitoral.

Leia Mais

Aliados de Jair Bolsonaro estão receosos com o futuro mandato de Rosa Weber à frente do Supremo Tribunal Federal –ela assume em 9 de setembro, faltando um mês para as eleições.

Leia Mais

Deputados federais liberaram 1,5 milhão para ONG cujo registro fica em uma casa em bairro humilde de Aracaju, onde divide o endereço com outras 10 empresas. Mas ninguém foi verificar se havia alguma inconsistência na entidade antes de repassar o recurso.

Leia Mais

Aliados que trabalham na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro elaboram argumentos para levar ao presidente um cenário não tão negativo no próximo encontro, na semana que vem, sobre a pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira, 23.

Leia Mais

O principal entrave para a criação da CPI da Educação, cujas assinaturas o senador Randolfe Rodrigues diz já ter completado, tem nome: Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

Leia Mais

Senador conseguiu 28 assinaturas para abrir CPI do MEC, uma a mais que o mínimo necessário. No entanto, em vez de apresentar logo o requerimento, resolveu esperar até a próxima terça-feira. Na última vez em que ficou esperando, governo convenceu deputados a desistirem, liberando emendas paradas.

Leia Mais

A pesquisa Datafolha reforçou um sentimento no PT já explicitado para dentro do partido mas negado para fora: a certeza de que Lula vai vencer no primeiro turno.

Leia Mais

Os documentos sobre a prisão do ex-ministro Milton Ribeiro e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos ajudam a entender por que a medida foi revogada rapidamente pelo desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Leia Mais

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, segura o apoio do PP à CPI da Petrobras para obrigar o colega Paulo Guedes a embarcar em algo maior: a reforma da Lei das Estatais.

Leia Mais

O governo espera encontrar uma solução jurídica ainda neste fim de semana para emplacar os mil reais que pretende dar a caminhoneiros e, agora, o aumento do Auxílio Brasil, que deve ir para 600 reais.

Leia Mais

O desembargador Ney Bello, do TRF1, mandou soltar há pouco o ex-ministro Milton Ribeiro, os pastores Arilton Souza e Gilmar Santos, e outros dois investigados por supostos desvios em verbas do Ministério da Educação. Os quatro foram presos preventivamente na quarta-feira (22), por decisão do juiz federal Renato Borelli.

Leia Mais

A falta de experiência no setor de petróleo e a validação de cursos de pós-graduação que afirma ter feito atrapalham a vida de Caio Mario Paes de Andrade para assumir a Petrobras esta semana

Leia Mais

Com o impacto da prisão de Milton Ribeiro, o presidente Jair Bolsonaro admitiu a auxiliares, que pode indicar uma mulher para ser sua candidata a vice.

Leia Mais

A despeito do discurso de Lula, que tem afirmado que vai “abrasileirar” o preço dos combustíveis, o PT vai divulgar um documento para tentar acalmar investidores da Petrobras e o mercado

Leia Mais

O ministro Raúl Araújo ficou conhecido nacionalmente após censurar o Lollapalooza. Mas o ministro é conhecido no Superior Tribunal de Justiça como campeão de processos acumulados.

Leia Mais