Barroso acreditou nos desmentidos do general Braga Netto e de Lira

Publicada em 22/07/2021 às 10:47
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, publicou em sua conta no Twitter que ouviu desmentidos de uma suposta ameaça à eleição do ano que vem se não fosse adotado o voto “impresso e auditável”.

Barroso procurou o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, e o presidente da Câmara, Arthur Lira. Segundo o texto publicado no Twitter por Barroso, “ambos desmentiram, enfaticamente, qualquer episódio de ameaça às eleições”.

“Temos uma Constituição em vigor, instituições funcionando, imprensa livre e sociedade consciente e mobilizada em favor da democracia”, publicou o presidente do TSE.

O jornal O Estado de S.Paulo publicou hoje, quinta-feira 22 de julho, na primeira página, reportagem revelando que o ministro da Defesa mandou recado ao presidente da Câmara em 8 de julho. Se o Congresso não aprovasse o voto impresso, não haveria eleição em 2022.

A bandeira política do “voto impresso e auditável” foi adotada pelo presidente Jair Bolsonaro e por seus apoiadores para justificar a rejeição do resultado das eleições. O voto eletrônico no Brasil é auditável e seguro. Pesquisas recentes de intenção de voto mostram o ex-presidente Lula próximo de vencer no primeiro turno.