TCU questiona gastos reduzidos do governo no combate à pandemia entre índios

Brenno Grillo
Publicada em 27/09/2021 às 06:00
Foto: Paulo/BW Press/Folhapress

O TCU vai auditar as verbas destinadas pelo governo federal para combater a pandemia entre índios por conta de discrepâncias entre os totais reservados e efetivamente gastos. Segundo a área técnica da corte, alguns gastos da Secretaria Especial de Saúde Indígena "mereceriam atenção". O Ministério da Saúde também será auditado.

Na decisão, tomada no último dia 15, foi destacado que apenas 12,6% dos R$ 89,3 milhões gastos pela Sesai em 2020 foram usados para comprar medicamentos e equipamentos de proteção individual - por exemplo, máscaras.  

Por outro lado, quase 82% desse dinheiro foi usado "outros serviços de terceiro-pessoa jurídica" (64,7%) e "passagens e despesas com locomoção" (17,3%). Também chamou a atenção do tribunal o fato de apenas 55% dos R$ 15,7 milhões destinados para comprar materiais de consumo em 2020 terem sido efetivamente utilizados.

O pedido ao TCU, feito pela CPI da Pandemia, também solicitava o detalhamento das verbas destinadas ao Ministério da Defesa visando à saúde indígena durante a pandemia. Mas os analistas da corte disseram que "não é possível analisar a transferência".

O TCU é a segunda instituição a ficar de olho em como Jair Bolsonaro - que repete sempre que esses povos curam a Covid com chás de "cipó" e de "casca de árvores" - tem tratado os indígenas. O STF tem adotado atitude similar desde 2020.