Caso MEC: decisão expõe fragilidades de prisão

Brenno Grillo
Publicada em 23/06/2022 às 19:00
Milton Ribeiro é citado pela PF por emprestar prestígio ao esqueminha e pela venda de um Kia Sportage Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Os documentos sobre a prisão do ex-ministro Milton Ribeiro e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos ajudam a entender por que a medida foi revogada rapidamente pelo desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Na sete páginas de sua decisão, o juiz Renato Borelli contraria a opinião do Ministério Público Federal e acolhe a da Polícia Federal, que pediu a prisão preventiva dos investigados. São escassos os elementos de prova apresentados.

Nas 13 páginas de seu parecer, feito sobre o relatório da PF, o MPF argumentou que não havia motivo para prender preventivamente os investigados. Concordou, entretanto, com as quebras de sigilo solicitadas pela PF e as buscas nos endereços dos investigados.

Milton Ribeiro e os pastores são suspeitos de operar um esquema de desvios de recursos do Ministério da Educação, vindos do Fundo Nacional de desenvolvimento da Educação (FNDE). Ribeiro deixou o governo em março devido às denúncias.

Para justificar o pedido de prisão de Milton Ribeiro, os policiais citam o prestígio que ele emprestaria ao esquema e apontam uma transação suspeita: a mulher do ex-ministro, Myrian Ribeiro, vendeu um carro Kia Sportage, ano 2016, por 60 mil reais ao pastor Arilton. O valor está abaixo do praticado no mercado - varia de 77 mil a 100 mil reais. Ao menos nos autos disponíveis, a PF não averiguou se a transação de fato ocorreu ou se foi um estratagema para esquentar dinheiro.

Arilton foi preso porque, segundo os investigadores, mandou que o empresário Danilo Franco pagasse 30 mil reais a seu genro Helder Bartolomeu, e 20 mil reais a Luciano Musse, ex-assessor de Milton Ribeiro na Educação. O pedido de prisão do pastor Gilmar foi feito com base em sua participação ao lado de Arilton.

Os valores foram depositados nas contas de Luciano e Bartolomeu, segundo Franco, para garantir a realização de eventos sobre educação, que atraíam políticos e secretários de Educação. Não há mais informações sobre isso nos documentos aos quais o Bastidor teve acesso. As razões dos pagamentos não estão explicadas, nem mesmo como hipótese, e, ao menos por ora, desconhece-se como esses fatos configurariam, por exemplo, crime de corrupção.

A decisão de Renato Borelli, tornada pública após mais de 24h de sua expedição, mostra que o juiz da 15ª Vara Federal manteve o sigilo dela durante todo esse tempo para nada. Menciona apenas um trecho do relatório da PF, o qual tem mais retórica do que provas, conforme imagem abaixo:

Nem a opinião do MPF contra a prisão dos envolvidos, optando por medidas cautelares, serviu para o juiz federal ponderar sua convicção. Borelli preferiu seguir orientação da PF, que pediu o encarceramento dos envolvidos e quebras dos sigilos telefônico e bancário dos investigados – estes últimos apoiados pelos procuradores da República.

Leia a decisão:

Leia a manifestação do MPF:

Vida dura a de Jair Bolsonaro em Alagoas. Nem seu aliado, o presidente da Câmara, Arthur Lira, cita o presidente da República em sua propaganda eleitoral.

Leia Mais

Aliados de Jair Bolsonaro estão receosos com o futuro mandato de Rosa Weber à frente do Supremo Tribunal Federal –ela assume em 9 de setembro, faltando um mês para as eleições.

Leia Mais

Deputados federais liberaram 1,5 milhão para ONG cujo registro fica em uma casa em bairro humilde de Aracaju, onde divide o endereço com outras 10 empresas. Mas ninguém foi verificar se havia alguma inconsistência na entidade antes de repassar o recurso.

Leia Mais

Aliados que trabalham na campanha de reeleição de Jair Bolsonaro elaboram argumentos para levar ao presidente um cenário não tão negativo no próximo encontro, na semana que vem, sobre a pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira, 23.

Leia Mais

O principal entrave para a criação da CPI da Educação, cujas assinaturas o senador Randolfe Rodrigues diz já ter completado, tem nome: Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

Leia Mais

Senador conseguiu 28 assinaturas para abrir CPI do MEC, uma a mais que o mínimo necessário. No entanto, em vez de apresentar logo o requerimento, resolveu esperar até a próxima terça-feira. Na última vez em que ficou esperando, governo convenceu deputados a desistirem, liberando emendas paradas.

Leia Mais

A pesquisa Datafolha reforçou um sentimento no PT já explicitado para dentro do partido mas negado para fora: a certeza de que Lula vai vencer no primeiro turno.

Leia Mais

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, segura o apoio do PP à CPI da Petrobras para obrigar o colega Paulo Guedes a embarcar em algo maior: a reforma da Lei das Estatais.

Leia Mais

O governo espera encontrar uma solução jurídica ainda neste fim de semana para emplacar os mil reais que pretende dar a caminhoneiros e, agora, o aumento do Auxílio Brasil, que deve ir para 600 reais.

Leia Mais

O desembargador Ney Bello, do TRF1, mandou soltar há pouco o ex-ministro Milton Ribeiro, os pastores Arilton Souza e Gilmar Santos, e outros dois investigados por supostos desvios em verbas do Ministério da Educação. Os quatro foram presos preventivamente na quarta-feira (22), por decisão do juiz federal Renato Borelli.

Leia Mais

A falta de experiência no setor de petróleo e a validação de cursos de pós-graduação que afirma ter feito atrapalham a vida de Caio Mario Paes de Andrade para assumir a Petrobras esta semana

Leia Mais

Com o impacto da prisão de Milton Ribeiro, o presidente Jair Bolsonaro admitiu a auxiliares, que pode indicar uma mulher para ser sua candidata a vice.

Leia Mais

A despeito do discurso de Lula, que tem afirmado que vai “abrasileirar” o preço dos combustíveis, o PT vai divulgar um documento para tentar acalmar investidores da Petrobras e o mercado

Leia Mais

O ministro Raúl Araújo ficou conhecido nacionalmente após censurar o Lollapalooza. Mas o ministro é conhecido no Superior Tribunal de Justiça como campeão de processos acumulados.

Leia Mais

O deputado Domingos Sávio defendeu para a bancada do empreendedorismo seu projeto que dá ao Congresso a prerrogativa de anular decisões do Supremo Tribunal Federal. Não teve muito sucesso

Leia Mais