Caboclo opera no STJD para voltar ao comando da CBF

Diego Escosteguy
Publicada em 12/07/2021 às 14:50
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Rogério Caboclo, o presidente afastado da CBF por suspeitas de assédio sexual e moral, está numa operação forte e silenciosa para usar o STJD, o superior tribunal de justiça desportiva, de modo a conseguir uma liminar e voltar ao cargo.

Segundo fontes com conhecimento direto da articulação, que acontece neste momento (segunda à tarde), Caboclo ganhou o apoio do presidente do STJD, Otávio Noronha. Advogado, Tavinho é filho do ministro João Otávio Noronha, do Superior Tribunal de Justiça.

Quem faz a ponte entre Caboclo e Tavinho é o ex-deputado Walter Feldman. Ele era executivo da CBF até a queda de Caboclo.

Integrantes do STJD já estão a par da operação e temem as consequências dela. Pela legislação, porém, o STJD não tem competência para conceder uma liminar e suspender os efeitos das decisões do Conselho de Ética da CBF. Isso caberia ao CBMA, o Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem. Ou à Justiça comum.